Farofa de feijão-catador

02/06/2017 08:50
 Paulo Filgueiras/EM
Paulo Filgueiras/EM

Ingredientes:

- 300 g de feijão-catador
- 200 g de carne de sol frita e picadinha
- 100 g de linguiça calabresa frita e cortada em rodelas
- 50 g de bacon picado
- 10 ovos de codorna cozidos e descascados
- Tempero e sal a gosto
- 1 xícara (chá) de farinha de mandioca
- Cheiro-verde a gosto

Fornalha:

- Quem chega à padaria Pãozinho.com, no meio da tarde, tem que entrar na fila e disputar o pão quentinho, tamanho o movimento. A casa, no Bairro Castro Pires, em Teófilo Otoni, oferece uma infinidade de quitandas, entre elas o curioso pão de polvilho com queijo, uma receita exclusiva.
- Contato:(33) 3522-5763.

Como fazer Farofa de feijão-catador:

Cozinhar o feijão na panela convencional, na água com sal, por 25 minutos. Escorrer, desprezar o caldo e reservar os grãos. Em uma panela, fritar o bacon em sua própria gordura. Retirar e reservar. Usar a gordura que ficou na panela para refogar o feijão com o tempero. Retirar do fogo e, quando esfriar, pôr a farinha, aos poucos, misturando sempre. Acrescentar, por cima do feijão, a carne, a linguiça e os ovos de codorna.

Salpicar cheiro-verde e servir.

Sem cerimônias para apreciar

Basta percorrer Teófilo Otoni num sábado à tarde para constatar que a boemia é convidada de honra na cidade. Em cada esquina há um bar, ponto de encontro obrigatório nos fins de semana. E se há boteco, certamente há gostosuras para serem devoradas. Estamos no bar A Praça é Nossa, onde a regra, como o nome sugere, é ficar à vontade. O endereço é uma praça, no Centro da cidade, cujo o nome é identificado pelo próprio estabelecimento.

A casa atrai uma verdadeira legião de fãs, que todos os fins de semana batem ponto no lugar. À frente do negócio está Francisco Rodrigues Ferreira, o Chico. É ele quem assume o preparo da farofa de feijão-catador, um dos carros-chefe do bar. "O pessoal adora pedir no fim de noite. Dá uma recarregada nas energias." Costume na região, o feijão-catador é encontrado no Mercado Municipal de Teófilo Otoni.

Mas quando o produto está em falta, a proximidade com a Bahia facilita a vida de Chico. "Lá, o grão também é muito consumido. Quando não o encontramos aqui, mandamos buscar." Ainda que a procedência seja baiana, a mineiridade é garantida com torresmos sequinhos, linguiça e o tempero da simpatia, que, por aqui, há de sobra.

Receita fornecida por Francisco Rodrigues Ferreira, de Teófilo Otoni: (33) 8823-4124