Doce de marolo

04/11/2016 08:50

Ingredientes:

- 1 quilo de marolo (fruta típica do cerrado)
- 2 litros de leite
- 1 pitada de bicarbonato
- 1 quilo de açúcar cristal
- 1 lata de leite condensado

Onde ficar:

Hotel Central Palace (35) 3264-1414

Hotel Eloiense (35) 3264-1905

Hotel Santa Rita (35) 3264- 1335

Como fazer Doce de marolo:

Retirar os favos do marolo. Passá-los entre os dedos para retirar a areia da fruta. Pôr os favos em uma panela com um pouco de água e levar ao fogo para cozinhar, por 15 minutos. Deixar esfriar e retirar os caroços. Em uma panela no fogo, misturar leite, açúcar e bicarbonato, até engrossar. Pôr os favos de marolo e o leite condensado, mexendo sem parar, até aparecer o fundo da panela e atingir ponto de bala.

Para verificar o ponto, pingar um pouco do doce em um prato com água fria. Estará pronto se a porção de calda formar uma bola. Tirar a panela do fogo e bater a mistura até que ela perca todo o brilho. Pôr a massa em uma bancada seca e lisa, untada com margarina. Deixar esfriar e cortar o doce no formato desejado.

Preciosos cruzeiros

Foi com 120 mil cruzeiros (dinheiro da época) que Ediméia Alves Martins, de Elói Mendes, a 14 quilômetros de Varginha, deu o primeiro passo na gastronomia. Quando tinha 9 anos, ela queria aprender a cozinhar e a mãe, que se dedicava à costura, não tinha tempo para ensinar. Um dia, lendo um jornal, Ediméia ficou sabendo que havia certo livro que ensinava grandes maravilhas na cozinha. Não pensei duas vezes e encomendei a coleção, recorda.

Quando o pedido chegou, pelo correio, Ediméia não tinha dinheiro para pagar. Se eu não acertasse a conta em três dias, eles não entregariam os volumes. O valor, 120 mil cruzeiros, ela conseguiu pedindo emprestado ao cunhado. Assim, a obra chegou às mãos de Ediméia e, graças à imaginação da nova cozinheira, as iguarias conquistaram Elói Mendes. Não ficava presa às receitas, sempre dava um jeito de inovar.

Assim, fui aprendendo. E, como a vontade de criar falou mais alto, ela, já mestre no assunto, fez o doce de marolo. Em compota ou barra, o quitute é conhecido na cidade por ter um gosto diferente. Retiro toda areia do fruto e muitas pessoas não fazem isso. Talvez seja esse o segredo do sucesso, arrisca. Como vende por encomenda, Ediméia conta que, para ter o marolo durante todo o ano, cozinha e congela a polpa.

Para melhorar o sabor do doce, ela sugere usar marolos com polpas bem amarelas. O livro de receitas continua lá, mas, hoje, quando quer aprender coisas novas, ela tem como guia o Sabores de Minas. Nele, a gente viaja não só com o paladar, mas também com a mente.

Receita fornecida por Edméia Alves Martins, de Elói Mendes: (35) 3264-1262