Salada com grão-de-bico e bacalhau

07/10/2016 09:50

Ingredientes:

- Meio quilo de grão-de-bico
- 3 litros de água
- Meio quilo de bacalhau do porto, desfiado e dessalgado
- 1 cebola picadinha em cubos
- Meia xícara (chá) de aipo picado
- 1 xícara (chá) de azeite
- 1 colher (chá) de sal
- 1 pitada de pimenta-do-reino
- Cheiro verde
- Folhas de alface e agrião

Para a decoração

- Rodelas de pimentão vermelho

Como fazer Salada com grão-de-bico e bacalhau:

Lavar bem o grão-de-bico em água corrente. Cozinhá-lo em panela de pressão, com dois litros de água, por uma hora. Escorrer a água e deixar esfriar. Reservar. Ferver o bacalhau, com um litro de água, por 10 minutos. Desprezar a água da fervura. Em seguida, desfiá-lo mais um pouco. Misturar o bacalhau e o grão-de-bico, juntamente com a cebola, o aipo, o azeite, o sal, a pimenta-do-reino e o cheiro verde.

Decorar o prato com alface, agrião e pimentão vermelho.

Impossível não pedir bis

Alguns ingredientes são obrigatórios nos menus de verão. Verduras e legumes, por exemplo, fazem das saladas verdadeiras usinas de saúde, em receitas que ganham novos ingredientes para realçar o sabor. Teodoro Pesulo Filho que o diga. Feirante da Feira Tom Jobim, em Belo Horizonte, no Bairro Funcionários, Pelusinho, como é conhecido, resolveu inovar no cardápio de sua barraca com a insalata ala cilento, uma salada com nome italiano e sabor brasileiro.

Feita com bacalhau e grão de bico, a iguaria promete tomar o lugar do prato principal, deixando de ser apenas entrada. É uma forma de agregar sabores, diz Pelusinho. Para que seja apreciada fresquinha, a salada é montada na hora e os ingredientes são conservados em uma caixa térmica. Tudo com muito cuidado, senão estraga. A receita, segundo ele, é tradicional na família.

Descendentes de italianos, os irmãos de Peluso são donos de famosos e requintados restaurantes em BH e também servem aos clientes a preciosidade. Aprendemos tudo com a mama, brinca. Segundo ele, a decisão de oferecer na Feira Tom Jobim um cardápio com tudo o que há de melhor na Itália é uma forma de popularizar as delícias. As massas são caseiras e feitas por nós. Quem não freqüenta os restaurantes da família, pode saboreá-las aqui, diz.

O toque tipicamente brasileiro fica por conta do clima da feira, que, aos sábados, atrai muita gente, devido também ao bom som de MPB e aos sabores. É delicioso ouvir a nossa música saboreando uma rica variedade de comida, afirma Pelusinho. Impossível não pedir bis.

Receita fornecida por Teodoro Peluso Filho, de Belo Horizonte: (31) 9972-7269