Compositor de trilhas para o cinema, Alexandre Guerra recorre à literatura para suas músicas

Em seu recente Fantasia, que gravou com a Orquestra Sinfônica de Budapeste, elas formam o alicerce de um CD pleno de referências ao universo literário

por Estadão Conteúdo 15/07/2018 10:54
ÉLCIO PARAÍSO/DIVULGAÇÃO
O violonista mineiro Chrystian Dozza gravou com a Orquestra Sinfônica de Budapeste as composições de Alexandre Guerra reunidas no CD Fantasia (foto: ÉLCIO PARAÍSO/DIVULGAÇÃO)

Compositor de trilhas para o cinema – brasileiro e estrangeiro –, Alexandre Guerra recorre com frequência a histórias para criar. Em seu recente Fantasia, que gravou com a Orquestra Sinfônica de Budapeste, elas formam o alicerce de um CD pleno de referências ao universo literário, do português Eça de Queirós (1845-1900) ao francês Marcel Schwob (1867-1905), chegando aos contemporâneos, como o mineiro Rubem Alves (1933-2014).     Já na primeira peça, Fantasia para violão e orquestra, longo exercício (quase 20 minutos) de transposição de um fragmento de Manual do Guerreiro da Luz, de Paulo Coelho, o violonista mineiro Chrystian Dozza, que também é compositor, serve de intérprete à história do menino que ouviu os sinos submersos de um antigo templo existente numa ilha afundada por um terremoto.

No caminho inverso de outros compositores de trilhas, Guerra não usa um método esquemático de transposição, ou seja, não recorre a elementos que sejam simples ilustrações da história. O violão de Dozza – não uma harpa ou a celesta, o que seria óbvio – é o instrumento escolhido para conduzir o ouvinte à praia da aldeia onde o menino de Coelho testemunha um acontecimento sobrenatural. O diálogo de Dozza com os violinos é impressionista. Em síntese: a origem da peça pode ser literária, mas os quatro movimentos operam de maneira autônoma, estritamente musical. Não são apêndices de uma história.

Da mesma forma, Guerra não forja um arranjo climático para “traduzir” a história criada por Marcel Schwob sobre uma silenciosa cidade-fantasma visitada por um bélico capitão, que tem horror ao silêncio e vive em constante agitação. Guerra confia na delicadeza – como faria o alemão Claus Ogerman ou o libanês Gabriel Yared (radicado na França) – para acentuar esse drama fantástico sobre o encontro com a morte num campo plano e estéril. A calma daquela cidade adormecida, hostil à presença do capitão, exige a súbita mudança de registro. E Guerra o faz sem sucumbir ao clichê – mais uma vez, como Yared (e não é impertinente a comparação com um dos temas do filme Nemo, Cauchemar de Nemo).

É curiosa e salutar essa aproximação de Guerra com a escola europeia de cinema, sendo que o compositor estudou nos EUA e foi aluno de David Spear, assistente do premiado compositor Elmer Bernstein (1922-2004), autor de inúmeras trilhas, das quais a mais conhecida é O homem do braço de ouro (1955). Spear é um homem de efeitos (ouça Ghostbusters, do qual foi arranjador para Bernstein). Guerra é sutil, autor de peças de extração romântica, avesso ao anedótico (uma prova disso é sua trilha para O tempo e o vento, um ato de coragem, considerando que a primeira versão foi assinada por Tom Jobim).

REFERÊNCIA Jobim, por sua vez, teve um colaborador que, de certa forma, fixou a matriz orquestral de seus arranjos, o citado Claus Ogerman. Ele e o norte-americano Gary McFarland foram, sem dúvida, suas referências maiores como arranjadores – e Guerra é um jobiniano muito atento à criação musical do maestro e compositor. Outro grande farol na carreira de Guerra é o compositor francês Philippe Sarde, o mais prolífico autor de trilhas em seu país depois de Georges Delerue.

Em Lamento para cordas, segunda peça do CD, o tom dramático remete às trilhas que Sarde fez para os filmes de André Téchiné (em particular Les innocents), mas com acento brasileiro – a obra reconta musicalmente a saga dos índios Araweté, povo tupi-guarani que nem o nome tem como propriedade (eles foram batizados por um sertanista da Funai). Guerra, autor de um número considerável de trilhas para documentários sobre a vida natural (entre as quais Saved from extinction), é bastante sensível aos problemas dos povos indígenas, como comprova esse Lamento para cordas.

Além de compositor, Guerra é poeta, o que o habilita a traduzir o drama dos Araweté com o senso da emergência que essa trágica história de dizimação exige. Mais uma vez: a peça não faz uma repetição textual da saga, mas leva o ouvinte a uma experiência que remete ao efeito planar sobre frases melódicas criado por Debussy em suas peças mais líricas. E, a exemplo de Debussy, a música de Guerra é marcada por um toque ostinato, de grande efeito emocional.

Finalmente, na última peça, o Conto para cordas n.º3, esse ostinato impressionista serve ao propósito de reimaginar a história da menina que tinha um pássaro encantado e cujas penas mudavam de cor a cada viagem. Rubens Alves, o autor, fala da separação entre seres queridos e do poder de transfigurar o cotidiano. Encontrar um compositor que trate desses sentimentos por meio da música é raro num país em que o barulho domina. Jobim gostaria de ouvir o intimista Fantasia, que traz na capa uma marinha de Courbet. (Estadão Conteúdo)

Reprodução
(foto: Reprodução )

Fantasia
• Autor: Alexandre Guerra
• Intérpretes: Chrystian Dozza e  Orquestra Sinfônica de Budapeste
• Gravadora: Tratore
• Preço sugerido: R$ 24





['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE MUSICA