Agnaldo Timóteo faz show em BH para homenagear Cauby Peixoto

'Tenho a mesma voz maravilhosa de quando tinha 25', diz o cantor de 81 anos, que se apresenta no Teatro Bradesco

por Ana Clara Brant 18/10/2017 08:23

Festival do Rio/Divulgação
'Cauby foi um monstro, era o único que cantava em seis idiomas', declara Agnaldo. (foto: Festival do Rio/Divulgação)

“Sou preto, feio, de cabelo duro, 81 anos, e tenho a mesma voz maravilhosa de quando tinha 25. Só Deus explica por que fiz e faço sucesso.” Esse é Agnaldo Timóteo por ele mesmo. Conhecido pela autenticidade, o cantor avisa: com ele não há modéstia. “Sou muito bom. Muito bom mesmo! Mas só aprendi com craques: Johnny Mathis, Frank Sinatra e Cauby Peixoto.” Nesta quinta-feira, 19, o artista chega à capital mineira para homenagear um desses mestres. A turnê Obrigado, Cauby divulga o disco lançado em abril.

“Minhas últimas apresentações em BH foram maravilhosas. Momentos iluminados no Palácio das Artes, Sesc Palladium e no (restaurante) Maria das Tranças. Agora chego ao Bradesco, onde nunca cantei. Vai ser uma matinê, às 16h, horário em que meus contemporâneos costumam ir ao teatro. É tranquilo, ainda está de dia e todo mundo volta em segurança pra casa. Esse horário tem tudo a ver comigo e com o meu público”, explica Agnaldo. O novo espetáculo, que já passou por Rio de Janeiro, Porto Alegre e Juiz de Fora, traz canções eternizadas por Cauby. Não vai faltar o clássico Conceição (Jair Amorim e Dunga).

“Chegamos a gravar essa música poucas semanas antes de ele nos deixar. Cauby estava já bastante debilitado, mas Conceição ficou com o mesmo arranjo e a mesma tonalidade da versão original. Uma pessoa como ele nunca deveria morrer”, lamenta Agnaldo. O “Professor”, como o astro era chamado, morreu em maio de 2016, aos 85 anos.

No show, o cantor mineiro não se esquece de outras referências, como Roberto Carlos e Ângela Maria. “Do Cauby Peixoto, na verdade, são apenas quatro canções. Boa parte do set list são sucessos que fazem parte da minha carreira. No palco tem um tecladista, um baixista, um baterista e um saxofonista. O resto é com o Agnaldo Timóteo”, avisa.

APELIDO Curiosamente, o cantor – nascido em Caratinga (MG) – ficou conhecido como “Cauby Mineiro” no início de sua carreira. O apelido foi dado pelo comunicador Aldair Pinto. “Era calouro e comecei nas rádios de BH. O Eduardo Araújo, que era e ainda é muito bom, ficou conhecido como  ‘Elvis Presley Brasileiro’ e eu como ‘Cauby Mineiro’”, relembra.

Agnaldo e Cauby se conheceram em meados dos anos 1950, na Rádio Guarani, em BH. “Nós nos aproximamos e logo depois acabei abrindo o show dele em várias cidades de Minas – a minha Caratinga, Teófilo Otoni e Governador Valadares. Cauby foi um monstro, era o único que cantava em seis idiomas”, enfatiza.

Por falar em Caratinga, Agnaldo revela que desistiu da ideia de construir um mausoléu lá, assim como fez Dercy Gonçalves em sua terra natal, Santa Maria Madalena (RJ). “Não tenho o direito de determinar quando vou morrer, como vou morrer. Então, larguei mão disso. Só Jesus Cristo tem o poder de me convocar. Espero que demore muito (risos). Só vou embora depois de dançar a valsa com a minha filha Keyty Evelyn, de 10 anos, a minha razão de viver”, assegura.

Se puder escolher onde será enterrado, o cantor prefere o cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste carioca. Motivo: lá repousam os restos mortais de seu grande amigo, o bicheiro Castor de Andrade. “Quero ser enterrado ao lado dele. Desde o início da minha carreira fiz amizade com vários bicheiros e o Castor era um deles. Ele sempre me ajudou e fiz questão de ajudar o pessoal do jogo do bicho quando era deputado federal. Acho uma hipocrisia este país. Se pode quina, loteca e mega-sena, por que o jogo do bicho é proibido?”, questiona.

Enquanto o dia do juízo final não chega, o Cauby Mineiro segue cantando. E faz questão de celebrar a vida – na segunda-feira, festejou seu aniversário. “Só tenho a agradecer a Deus por tudo o que ele fez por mim e minha família. Nem pedi tanto, mas ele me deu. Tenho muita gratidão por chegar aos 81 anos esta semana com saúde e fazendo sucesso”, comemora.

OBRIGADO, CAUBY
Show de Agnaldo Timóteo. Quinta-feira (19), às 16h. Teatro Bradesco. Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1360. Ingressos: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia-entrada). Informações: www.teatrobradescobh.com.br

EU, PECADOR
Na semana passada, estreou o documentário Eu, pecador, dirigido por Nelson Hoineff, que conta a vida de Agnaldo Timóteo. A sessão do Festival do Rio, no Cine Odeon, acabou em confusão. Um dos personagens não gostou de se ver citado como um dos grandes amores da vida do cantor. Foi tirar satisfação com o próprio Agnaldo depois da exibição. O artista evitou comentar detalhes do que ocorreu, diz apenas que está tudo sob controle. “Acabou tendo um corte no documentário, mas tudo bem. O filme ficou ótimo, maravilhoso. Ali é a minha verdade”, comenta Agnaldo. Eu, pecador será exibido – com o corte – na Mostra de Cinema de São Paulo, que começa amanhã. A estreia no circuito comercial está prevista para 2018.

 

 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE MUSICA