Sabores que distanciam a culinária do lugar comum

Produção de empório belo-horizontino propõe receitas que surpreendem o paladar. Saiba como fazer prato que leva beterraba, creme branco e geleia de limão siciliano

por Celina Aquino 23/10/2017 10:14

Natalia Ambrosio/divulgação
(foto: Natalia Ambrosio/divulgação)

Se tem na prateleira do supermercado, ela não perde tempo de fazer. Bárbara Campos é daquelas que não se cansa de inventar receitas para surpreender o público. Então, nem pensar em reproduzir o que já existe. A cozinheira gosta tanto de testar novas combinações que, há três anos, abandonou a ideia de abrir restaurante para lançar uma marca de produtos de empório, a Provençal Gourmet, como azeites, vinagres e geleias artesanais. “O que mais gosto na cozinha é a criação”, confirma a administradora de empresas que se especializou em gastronomia durante uma temporada na França.

Para não exagerar nas invenções, Bárbara trabalha com um cardápio que muda de tempos em tempos, sempre com novidades. Apenas os campeões de venda, como a geleia de mexerica, permanecem disponíveis, faça chuva ou faça sol. “Como é um produto de safra, tenho que fazer uma quantidade muito grande para garantir o estoque até a próxima estação”, destaca. A cozinheira aproveita absolutamente tudo da fruta, o que deixa o produto com aroma ainda mais acentuado. De vez em quando ela faz uma interessante mistura de mexerica com manga. Para a criadora, a geleia combina com uma torrada no café da manhã ou pode até ser usada como calda de sorvete em uma sobremesa.

Na busca por sabores que fogem do comum, Bárbara inclui no cardápio geleia de frutas vermelhas com aceto balsâmico e especiarias; limão siciliano; morango com pimenta e a mais picante, de pimentão vermelho com pimenta dedo-de-moça, inspirada em uma tradicional receita italiana. Já a de banana com maracujá é quase como uma compota, pois dá para comer de colher.

 

 

Túlio Santos/E.M/D.A Press
(foto: Túlio Santos/E.M/D.A Press)

Há também na Provençal Gourmet uma linha de azeite, vinagre e mel aromatizados. O azeite de funghi é uma das invenções que surpreendem o paladar. “Sou apaixonada por cogumelos e tive a ideia de fazer um azeite aromatizado com funghi. Hoje em dia encontramos muitos azeites trufados, mas eles são completamente diferentes, porque a trufa tem um sabor bem particular”, conta. Segundo Bárbara, esse azeite pode ser usado para finalizar um risoto de shitake, por exemplo, substituindo a manteiga e acentuando o sabor dos cogumelos, dar um toque especial a um pão artesanal ou regar um peixe assado. Além do azeite de alho com alecrim, outro sucesso do cardápio, ela está testando um defumado.


ADOCICADO Atualmente, a cozinheira tem produzido o vinagre de manga com baunilha, indicado para temperar saladas e também para fazer ceviche. O sabor adocicado agrada muito ao público feminino. Bárbara ainda fala sobre o mel aromatizado com nozes e açafrão turco. “Utilizo o mel de flor de laranjeira, que tem um sabor mais delicado, muito usado em doces árabes, e o açafrão turco nada mais é que o pistilo de uma florzinha que trago da Europa. Leva mais beleza para o prato”, detalha. Por cima de parmesão em lascas ele se transforma em um simples e saboroso tira-gosto.

 

 

Natalia Ambrosio/divulgação
(foto: Natalia Ambrosio/divulgação)

A criação mais curinga, na opinião da própria cozinheira, é o chutney de cebola roxa caramelizada. “Escolhi o açúcar mascavo, um produto muito diferenciado e mais potente em sabor, e o aceto balsâmico para chegar a uma mistura agridoce, que combina muito com comida salgada”, avalia. Bárbara sugere comer a cebola no palitinho, colocá-la em molho de hambúrguer, carne de churrasco, rechear tapioca, em cima de queijo brie levemente derretido no forno ou o que mais interessar. No fim do ano, o sucesso fica por conta da laranja confitada, muito usada na França para decorar tortas. A fruta é cozida em calda de açúcar por 12 horas, depois selada no forno e glaçada com chocolate amargo.

 

 

Rápidos e práticos

 Italiana, árabe, brasileira. Até hoje Bárbara Campos tem dificuldade para dizer qual é a sua cozinha favorita, mas de uma coisa ela tem certeza: as técnicas francesas são a base de praticamente toda a gastronomia. Por isso, ela escolheu viver em Paris quando terminou o curso de administração e entendeu que o seu destino tinha mais a ver com o antigo hábito de juntar receitas em recortes de jornal. Depois de passar por Sapore D’Italia e Taste-Vin, em Belo Horizonte, a cozinheira trabalhou no Les Ambassadeurs, restaurante do luxuoso Hotel de Crillon, com duas estrelas do Guia Michelin.

 

 

Natalia Ambrosio/divulgação
(foto: Natalia Ambrosio/divulgação)

O nome Provençal Gourmet é uma homenagem a Provence, no Sul da França. “Lá tem um clima muito parecido com o nosso, tanto que chamam de região do sol, e busco inspiração nessa gastronomia leve, colorida e aromática, com muitos legumes e frutas. Como a região está colada na Itália, os franceses de lá comem muito risoto”, justifica. Três sabores do prato italiano (shitake, tomate seco e alho-poró) fazem parte da linha de pratos secos. Basta cozinhar todo o conteúdo da embalagem plástica em uma panela com água e finalizar com manteiga ou azeite, além de queijo ralado. Entre os ingredientes não há conservantes, apenas itens desidratados, como caldo de vegetais artesanal e folha de louro.

Bárbara desenvolveu os pratos secos para facilitar a vida de quem não sabe cozinhar, e está cansado de comida congelada, ou mesmo para quem cozinha, mas precisa de uma refeição rápida. Ainda este mês, ela deve lançar uma alternativa doce, o mix para panquecas, com farinha de trigo, fermento, açúcar e chocolate ou flores de lavanda. A pessoa só precisa adicionar os ingredientes líquidos (ovo, óleo e leite) e levar para a frigideira. “As panquecas podem servir um café da manhã para duas pessoas. Elas combinam bem com qualquer geleia, principalmente as cítricas, como laranja, mexerica e limão.”

 

Torre de beterraba com creme branco e geleia de limão siciliano

Natalia Ambrosio/divulgação
(foto: Natalia Ambrosio/divulgação)

Ingredientes
1 beterraba pequena; 100g de ricota; 15ml de leite; 1 xícara de aceto balsâmico; geleia de limão siciliano; 1 limão siciliano; sal e pimenta-do-reino a gosto

Modo de fazer
Descasque a beterraba sem machucá-la. Coloque-a numa panela tampada imersa em água. Cozinhe por aproximadamente 1 hora. Verifique se está macia. Caso seja necessário, cozinhe por mais tempo. Deixe esfriar. Para o creme branco, coloque a ricota no processador e adicione aos poucos o leite até a consistência desejada. O ideal é que não fique muito líquida. Tempere com sal e pimenta- do -reino moída na hora. Armazene na geladeira. Em uma panela pequena, leve o aceto balsâmico ao fogo com raspas de meio limão. Cozinhe por 30 minutos ou até que reduza pela metade. Caso queira uma redução mais concentrada, deixe reduzir até ¼ da quantidade inicial. Deixe para montar logo antes de servir. Corte a beterraba em três partes. Recheie com o creme branco. Decore com a redução de aceto balsâmico, raspas e rodela de limão siciliano. Para finalizar, coloque um pouco de geleia de limão siciliano.

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE GASTRONOMIA