Casa Chá Comigo abre no Santo Antônio com proposta de serviço coletivo

Espaço conta com som de vitrola, mesas coletivas, água gratuita e tenta emplacar esquema de autosserviço, ou seja, não tem atendentes

por Eduardo Tristão Girão 16/01/2015 08:00

André Hauck/Divulgação
Chás, bebidas e ambiente agradável fazem o charme da nova casa da Zona Sul de BH (foto: André Hauck/Divulgação)
Tem chás, mas não é bem uma casa de chá. Tem cerveja e vinho, mas não é bar – muito menos restaurante. Aberta recentemente no Santo Antônio, a Chá Comigo tornou-se ponto de encontro de público descolado, que já identificou ali local ideal tanto para aquela “parada técnica” no meio da tarde quanto para happy hour. Fechando cedo e sem abrir aos fins de semana, a casa conta com som de vitrola, mesas coletivas, água gratuita e tenta emplacar esquema de autosserviço, ou seja, não tem atendentes.

“No Brasil, estamos muito mal acostumados com serviço. Tem ficado inviável, jamais eu teria grana para pagar oito funcionários. Fora que fico acuada quando vou a algum lugar e percebo aquele tanto de gente em volta. Está na hora de mudar isso. Quando morei na Espanha, frequentava uma casa sem garçom e na qual ainda pediam para a gente deixar a mesa limpa para o próximo. Isso é muito simpático, mas sei que terei de ter paciência aqui”, diz a proprietária da casa, Laura Damasceno.

A ideia, explica ela, é que os fregueses se levantem para fazer os pedidos, buscá-los e devolver as louças ao final. Os funcionários Fabiano e Karoline (e a própria Laura), entretanto, podem ajudar com isso ocasionalmente e sem constrangimento, garante a proprietária. Acrescenta-se a isso discos de vinil à disposição do público (que também pode trazer os seus para tocar no local), wi-fi grátis e ponto de troca de livros. “Dá para vir tomar café ou vinho, de chinelo, com criança ou para demorar”, resume.

 

 

Leia mais sobre gastronomia no Blog do Girão

 

O impulso para largar o jornalismo e apostar nessa proposta diferente veio depois de ver consolidar casas de amigos na cidade, como Birosca S2, Dub e MeetMe. “Aqui existe uma cena ao mesmo tempo interessante e atuante. O carnaval de 2011 foi um divisor de águas nisso”, acredita. Para conferir clima descontraído à casa, garimpou móveis de segunda mão, descascou as paredes até chegar aos tijolos originais e trouxe da casa da mãe a vitrola.

Num dos cantos da casa, manteve o papel de parede com foto de floresta que o ex-proprietário ali colou e adicionou tapete, almofadas e uma mesa baixa com o intuito de estimular uso coletivo do espaço, se possível com sapatos de fora. Uma das mesas mais agradáveis da casa também é coletiva: fica ao ar livre, na entrada, para 12 pessoas. Mesas menores completam a capacidade do local, que em horário de pico chega a comportar mais de 50 pessoas.

PÉTALAS
O cardápio lista 11 chás que podem ser servidos quentes ou gelados e, sem custo adicional, acompanhados por leite e mel. A maioria é importada da Alemanha (marca Wollenhaupt), incluindo pedidas como o orange chocolate (chá verde, grãos de cacau, cascas de frutas cítricas e pétalas de girassol e de laranjeira; R$ 7,20) e o amaretto (hibisco, casca de rosa mosqueta, maçã, uva, groselha negra e pétalas de centáurea; R$ 8,20). Há três drinques com chás, como o que leva chá verde, saquê e hortelã (R$ 15).

A casa não trabalha com café expresso, mas somente coado (em filtro Hario V60) e da marca Américo (Sul de Minas) – R$ 4,50 (xícara). Cervejas (seis rótulos) custam a partir de R$ 6 (long neck) e doses saem por R$ 12 (em média). Vinhos somam nove opções, quase todas nacionais (a partir de R$ 44, garrafa). A casa produz um bolo (R$ 4,50, fatia) e uma torta por dia (R$ 13, fatia). Sanduíches, pão de queijo (simples, recheado ou em porções), folhados e uma salada completam as pedidas.

Chá Comigo
Rua Leopoldina, 634, Santo Antônio. (31) 2555-7730. Aberto de segunda a sexta, das 14h às 22h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA