Secretário de turismo assume compromisso de tornar gastronomia de Minas reconhecida no mundo

Participação mineira no maior evento gastronômico do mundo é festejada pelo governo

por Marianna Rios 20/01/2013 13:28

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Maria Tereza Correia/EM/DA Press
"Tornar a gastronomia mineira reconhecida mundialmente é um compromisso do estado" - Agostinho Patrus Filho, secretário de turismo de Minas Gerais (foto: Maria Tereza Correia/EM/DA Press)
A participação de Minas Gerais no maior congresso gastronômico do mundo, o Madrid Fusión, é resultado dos esforços de inúmeros representantes da sociedade civil juntamente com o governo do estado, que abraçou a missão de tornar a gastronomia mineira conhecida mundialmente.

Para o governo de Minas, o que a participação do estado no Madrid Fusión significa?
Com a participação no Madrid Fusión, Minas Gerais abre a possibilidade de consolidação da gastronomia mineira como um importante estímulo para o turismo no estado. Hoje, 40% dos visitantes são motivados pelo turismo cultural, segundo a pesquisa de demanda da Secretaria de Estado de Turismo (Setur). O mesmo levantamento indicou que, em Minas, 22% dos gastos feitos pelos turistas são vinculados à alimentação. O governo do estado deseja que Minas Gerais seja reconhecida no Brasil e fora também não só por suas belezas naturais e históricas, mas pela gastronomia de alto nível já conhecida nacionalmente. Daí nos debruçarmos sobre ações que incrementem essa política de atuação.

Parece-me que esta edição traz outras novidades, não?
Estamos sendo pioneiros em vários aspectos. Somente um brasileiro, o chef Alex Atala, participou uma única vez de uma das edições do Madrid Fusión. Nessa edição, serão 15 chefs a se apresentar diretamente no evento e três em agendas paralelas. Todos mineiros. Além do que, pela primeira vez, o coquetel de abertura do evento será preparado por chefs de outra nacionalidade. Sempre foi feito por cozinheiros espanhóis. Desta vez, o menu será de Minas e preparado por nossos chefs. É admirável!

Conte-nos sobre essas ações.
Temos apoiado diversas iniciativas (financeira e tecnicamente), novas e já existentes, que promovem com eficiência a gastronomia e toda a cadeia produtiva local. Também um planejamento de ações foi feito a partir daí. O Madrid Fusión foi identificado como a maior promoção do setor no mundo, então procuramos no início do ano passado a organização do evento, para mostrarmos as riquezas de nosso estado. Foram elaborados cadernos contendo informações sobre produtos, chefs, as potencialidades, os eventos gastronômicos importantes que realizamos há anos aqui, como o festival de Tiradentes e o Comida di Buteco, enfim, um minucioso portfólio contendo nossas referências.

Que resposta o governo obteve desse primeiro contato?
Não imaginávamos que seria assim tão rápido o retorno deles. Quase que imediatamente eles foram buscar mais informações e, por conta própria, vieram, em comitiva, em agosto do ano passado, conhecer in loco tudo que dizíamos. Aqui anunciaram que, de forma inédita, o Madrid Fusion , após 10 edições, homenagearia não uma nação, como de costume, mas um estado. A diretora-executiva do Madrid Fusión, Lourdes Plana, e José Carlos Capel, crítico gastronômico e idealizador do Madrid Fusión, estiveram com o governador Antonio Anastasia e alguns chefs no Palácio. Na ocasião, Capel nos disse que viu as ações concretas do poder público de apoio à gastronomia e se impressionou bastante com elas. Ele elogiou muito a riqueza de nossos ingredientes e a criatividade de nossos cozinheiros. Para se ter uma ideia, concorremos com países como China e Colômbia. É algo de que devemos nos orgulhar muito. O evento reúne mais de duas mil pessoas de todo o mundo, entre jornalistas especializados, chefs e visitantes.

Houve um esforço concentrado para que a participação fosse viabilizada, não?
Para a participação no Madrid Fusión, o governo estadual conta com as parcerias das federações do Comércio (Fecomércio Minas), das Indústrias (Fiemg) e da Agricultura e Pecuária (Faemg) e com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e jornal Estado de Minas. Pelo governo de Minas, estão envolvidos as secretarias de Turismo, Cultura e Agricultura e o Escritório de Prioridades Estratégicas.

Como Minas se apresentará lá?
Teremos dois estandes no Madrid Fusión, um institucional, onde exibiremos ao mundo o nosso estado, com nossos terroirs, artesanato, cultura, e outro que vai mostrar alguns produtos representativos da terra, como o café, a cachaça, nossas águas, entre outras iguarias para degustação. Os dois espaços foram pensados para se tornar ponto de encontro, um local para promover um intercâmbio entre os chefs e os visitantes. Haverá debates, palestras com exibição de vídeos e mesas ao vivo ministrados pelo grupo mineiro. Café, queijo e cachaça serão os principais produtos mineiros apresentados no evento, além de outros ingredientes e particularidades da nossa culinária.

De onde esse planejamento partiu?
Um trabalho de pesquisa realizada por órgãos do governo, como a Secretaria de Turismo, e outros, como a extensa pesquisa realizada pelo Movimento da Conspiração Gastronômica de mapeamento dos produtos e produtores de Minas Gerais, nos ajuda muito na medida em que traça um perfil do estado, com informações sobre nossos pequenos produtores e ingredientes regionais. Além de tornar conhecida a cadeia produtiva, facilita o trabalho de valorização do setor e seu justo comércio. São também ferramentas importantes para as agências de viagens pensarem em roteiros turísticos específicos, como fazendas produtoras de café e outros ligados ao turismo experimental já com vista ao atendimento dos turistas de fora que chegarão ao nosso estado para a Copa das Confederações e Copa do Mundo da Fifa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA