Restaurante Mediterrâneo atrai para a Região Central clientes em busca de especialidades da culinária espanhola

Recém-inaugurada, casa se diferencia em ponto

por Eduardo Tristão Girão 19/08/2011 07:00

André Hauck/Esp. EM/D.A Press
O Mediterrâneo funciona perto do Minascentro. Um das especialidades de seu cardápio é a paella marinera (foto: André Hauck/Esp. EM/D.A Press)
Desde a abertura do restaurante indiano Bhagwan, no Bairro Sagrada Família, em 2009, não havia uma inauguração tão supreendente como a do espanhol Mediterrâneo, no Centro da capital mineira. Não que Belo Horizonte tenha ficado parada em termos de novidades gastronômicas, muito pelo contrário. Mas é que nos dois exemplos a escolha do ponto torna a casa um ponto fora da curva, ou seja, o público ganha uma opção diferente numa região de pouca tradição nesse segmento. Como Lourdes, Anchieta e Pampulha são normalmente as áreas que fervilham, o que foge à regra chama a atenção.

Pois é atrás do Minascentro, num quarteirão não muito movimentado da Rua Guajajaras, que fica a nova casa. No comando, o espanhol José Luis Aguilar e a belo-horizontina Carmem Pepita Sunsi. Enquanto ele atende a freguesia no salão com seu sotaque ainda forte, ela, que á filha de espanhol com mineira, se desdobra na cozinha, preparando pintxos, tapas, paellas e outras especialidades espanholas. Apenas ela tem experiência profissional na cozinha, tendo retornado há pouco ao Brasil, depois de 16 anos em cozinhas da Espanha. Começou do zero, no restaurante do pai, em Valência.

Os dois pensaram em abrir vários tipos de negócios, de restaurante em quintal a casa de massas, passando por lanchonete. Coincidentemente, alugaram imóvel onde funcionava a casa de massas Mezzo: cogitaram manter o negócio, mas a adição gradativa de pratos espanhóis indicou-lhes o caminho a seguir. Colocaram algumas massas artesanais de um amigo italiano no cardápio e pensam em ampliar o conceito mediterrâneo – Tunísia, França, Grécia e outros países banhados pelo mesmo mar –, mas, por enquanto, é o receituário espanhol tradicional que dá o tom.

André Hauck/Esp. EM/D.A Press
(foto: André Hauck/Esp. EM/D.A Press)
Encomenda

“Muita gente disse que estávamos sendo ousados em vir para o Centro. Meu pai, por exemplo, falou que estávamos doidos. Num bairro como Lourdes, seríamos só mais um. Aqui somos o diferente”, acredita Carmen. O ambiente simples comporta cerca de 20 pessoas em mesas com toalha e número variável de assentos é colocado do lado de fora. A paella é a especialidade da casa, servida nas versões marinera (com frutos do mar; R$ 32, individual) e valenciana (frango, coelho e verduras; R$ 30, individual). Para não correr o risco de ficar só na vontade, ambas devem ser encomendadas pelo menos um dia antes.

A mesma antecedência vale para pratos como o cozido madrilenho (R$ 28), a favada asturiana (com pé de porco, costelinha e linguiça; R$ 28), o all i pebre (tipo de ensopado de peixe feito em panela de barro espanhola; R$ 30) e uma receita típica de arroz que vai ao forno com grão de bico, batata, tomate, alho, costelinha e paio e é assada até que seque o caldo de cozimento das carnes, adicionado no início da receita (R$ 30). Os preços são por pessoa e os pedidos deve ser feito para, no mínimo, duas pessoas.

Há também pratos individuais que não requerem encomenda ou compartilhamento (R$ 23, cada), como a rabada à cordobesa (com legumes e vinho tinto), massas e uma curiosa combinação de almôndegas (feitas com carnes bovina e suína) com lula. Todos os pratos são servidos à maneira tradicional europeia, ou seja, apenas com alguns legumes ou verduras. No entanto, os que quiserem podem pedir arroz branco à parte. A casa recebe mexilhões catarinenses às terças-feiras e os serve diariamente, cozidos em vinho (R$ 16, porção).

Croquetes variados feitos com molho béchamel (recheados com presunto cru, roquefort ou frango), bolinho de bacalhau, lula empanada com maionese de alho, tortilla, batatas bravas (envolvidas em molho caseiro picante) e tigre (misto de peixe e frutos do mar empanado em concha de mexilhão) formam a seção de tapas (R$ 7, cada porção). Pintxos, servidos sempre sobre fatia de pão, variam diariamente (R$ 12, porção com quatro unidades). Para beber, chope (R$ 3,90) e cerveja (R$ 6, garrafa de 600ml) da marca mineira Backer e cinco vinhos espanhóis (cerca de R$ 60 a garrafa).

Mediterrâneo
Rua Guajajaras, 1.021, Centro. (31) 3213-2184. Aberto de segunda-feira a sábado, das 11h30 à meia-noite.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA