Tradição mineira

Restaurante Maria das Tranças ganha livro que recupera sua história e revela a importância da casa, que atende cerca de 1 mil pessoas no fim de semana na matriz e tem filial no Funcionários

por Eduardo Tristão Girão 28/06/2011 11:25
Fotos: Rusty Marcellini e Banco de Imagens da Família Rodrigues
Dona Maria com o filho Vítor e família, quando o Maria das Tranças ainda se chamava Bolero (foto: Fotos: Rusty Marcellini e Banco de Imagens da Família Rodrigues)
 
É difícil imaginar que o Restaurante Maria das Tranças, um dos mais antigos de Belo Horizonte, não tenha sido aberto com seu famoso frango ao molho pardo no cardápio. Em 1950, ano de sua inauguração, a especialidade da cozinha era bife à parmegiana e até o nome da casa era diferente – chamava-se Bolero e funcionava do outro lado da Avenida Antônio Carlos, também no Bairro São Francisco. Pois é tudo verdade e está registrado no livro Das tranças de Maria ao Maria das Tranças, que o escritor e fotógrafo Rusty Marcellini lança hoje à noite no restaurante.

Com experiência na área de gastronomia (é dele a série Caminho do sabor), o autor traça perfil completo do restaurante (com muitas fotos e documentos), a partir da história de sua fundadora, a lafaietense Maria Clara Rodrigues. Ela chegou à capital mineira nos anos 1930 e, sem saber ler nem escrever, fez de tudo um pouco para sobreviver. A primeira cozinha profissional em que pisou foi a do Canário, restaurante que funcionava na Rua Carijós, no Centro de BH. Lá aprendeu a fazer o bife à parmegiana, que acabou por ter vida curta no Bolero, inicialmente restaurante de comida caseira.

A casa em que morava e atendia a freguesia ficava numa região até então relativamente isolada em relação ao Centro, atendida por uma linha de bonde e uma jardineira. Quem aparecia para o almoço inevitavelmente ficava de olho nos frangos caipiras que ciscavam pelo quintal e não tardou para que alguém tivesse a ideia de pedir para que ela transformasse um deles num suculento molho pardo. E esse foi o primeiro dos milhares de pedidos que Maria Clara atendeu: feito na hora, o prato caiu no gosto popular e logo o velho boca a boca passou a funcionar.

Juscelino Kubitschek foi um dos primeiros visitantes ilustres do restaurante. Esteve lá em 1972, mesmo ano em que teve o nome alterado para Maria das Tranças, apelido que a fundadora da casa ganhou por causa do hábito de trançar os longos cabelos e prendê-los no alto da cabeça. Embora responsável por todo tipo de tarefa (compras, cozinha, pagamento etc.), ela não tinha capacidade de administrar corretamente o negócio, o que trouxe sérios problemas ao longo dos anos. Hoje comandada pelo neto, Ricardo, a casa tornou-se referência na cidade, ganhou filial na Savassi e terá franquias em outras capitais.

Fotos: Rusty Marcellini e Banco de Imagens da Família Rodrigues
A filial da casa, no Bairro Funcionários, tem cardápio idêntico ao da matriz, no São Francisco (foto: Fotos: Rusty Marcellini e Banco de Imagens da Família Rodrigues)
 
HISTÓRIAS Responsável por texto e fotos do livro, Rusty gastou seis meses realizando entrevistas não apenas com Ricardo, mas com seus familiares, funcionários da casa e pessoas que, de alguma forma, têm ligação com a história do restaurante. “Impressionou-me a coragem de Ricardo em revelar para mim as histórias de fracasso e dificuldade da casa. A relação dele com o pai, por exemplo, foi muito conturbada e conto isso no livro. Poderia ter virado uma obra sobre um case de sucesso, mas não virou. Nem me interessaria”, diz Rusty.

Apesar de ter se transformado num restaurante enorme no São Francisco (1 mil fregueses por fim de semana e 60 bocas de fogão), o Maria das Tranças, na avaliação do autor, ainda conserva aura tradicional. Seria mais um ao lado de outros motivos apontados por ele para justificar a popularidade da casa atualmente. “Lá se encontram pessoas de todas as classes sociais, que chegam de BMW ou fusquinha. E o Ricardo está sempre no local, de uniforme e atendendo as mesas e não atrás do caixa”, analisa.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA