Começa a 12ª edição do festival Comida di Buteco

Produtos do Norte de Minas dão sabor aos pratos do evento gastronômico

por Eduardo Tristão Girão 15/04/2011 07:00
Pedro David /Esp. EM/D. A Press
(foto: Pedro David /Esp. EM/D. A Press)

Evento mais esperado do calendário gastronômico belo-horizontino, o Comida di Buteco chega à12ª edição mais maduro do que nunca. Depois de valorizar nas edições anteriores o torresmo (2008), as verduras (2009) e o jiló (2010), o evento mantém seu foco na riqueza alimentar mineira, desta vez direcionado para o Norte do estado, representado por ingredientes como carne de sol, requeijão escuro e cagaita. A corrida dos 41 bares pelas melhores colocações nos quesitos tira-gosto, atendimento, higiene e temperatura da cerveja começa hoje e segue até 15 de maio.

Confira aqui quais são os 41 pratos!

“Desta vez, falamos de sertão e cerrado, duas regiões bem marcadas. É quase o Nordeste do Brasil, come-se bem parecido. Farinha, peixes locais, frutas, manteiga de garrafa, carne de sol, feijões. É uma continuação do Nordeste, com algumas peculiaridades, como os queijos e a carne de sol, que aqui em Minas Gerais é serenada, ou seja, temperada com sal e curada exposta ao tempo, mas longe do sol. Temos de fugir do básico e incentivar a criatividade e o resgate”, afirma Eduardo Maya, um dos organizadores do evento.

Veja quais os ingredientes selecionados para o festival

Além da carne de sol, do requeijão escuro e da cagaita, cada um dos petiscos que representam os bares este ano no concurso deverá conter feijão andu, peixes do Rio São Francisco (como surubim), manteiga de garrafa, rapadura, pequi (fresco, congelado, em conserva, licor, farinha ou castanha) siriguela, buriti ou flor de coentro. Entre todos esses ingredientes, a cagaita e o buriti, frutas típicas da região, são os únicos que não foram adotados por nenhum dos participantes. O preço máximo de cada tira-gosto é R$ 21,90.

“A cagaita é difícil de encontrar e o pessoal tem medo de usar, pois tem sabor ácido. Em relação aos outros produtos, muitos já são vendido em Belo Horizonte e hoje, inclusive, existe aqui uma empresa especializada nos ingredientes do Norte de Minas”, afirma Eduardo. Para auxiliar os proprietários dos bares, ele indicou bancas do Mercado Central onde pudessem comprar cada um desses itens.

“Este ano está mais suave. Na edição passada alguns me disseram que não iriam a nenhum bar por causa do jiló, mas quem foi se encantou. Desta vez há muitos produtos e não acredito que haverá rejeição. O resumo dessa ópera é Montes Claros e criamos o tema tendo em mente um prato. Além das carnes, pensei nos molhos por causa das frutas, na consistência pelo requeijão, no aroma pela flor de coentro, na caramelização pela rapadura e elegi um sabor bem típico, no caso, o pequi”, explica Eduardo Maya.

Pessoalmente
Mesmo assim, houve quem preferisse viajar até o local para conferir pessoalmente a riqueza gastronômica do Norte mineiro, como Augusto Porto, do Pimenta com Cachaça. “Fui para Montes Claros e de lá visitei também Brasília de Minas, Morro Alto, Mirabela. Fiquei meses pesquisando, rodando esses lugares e colhendo receitas de pessoas que fazem paçoca de pilão há 50, 60 anos”, conta ele.

Augusto chegou a comprar um pilão de madeira, mas em função da rapidez de preparo necessária durante o evento, optou por usar máquina que processa em 30 minutos o que leva três horas pelo método artesanal. Do contrário, seria uma eternidade até que o petisco batizado de Uai!!!!!: costelinhas crocantes desossadas e semidefumadas acompanhadas por bolinhos de canjiquinha recheados com queijo minas, molho picante agridoce e paçoca de carne de sol.

Ao mesmo tempo
Este ano, o Comida di Buteco será realizado simultaneamente em outras 14 cidades: Belém, Manaus (que tem bar flutuante no Rio Negro), Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Goiânia, Montes Claros, Uberlândia, Poços de Caldas, Ipatinga, Juiz de Fora, Campinas, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto. “O impacto é muito maior quando fazemos tudo ao mesmo tempo. Descobrimos que há um vácuo de eventos nessa época no país. Agora só falta o Sul”, diz Eduardo Maya. Ano que vem, o evento ganhará edição em São Paulo.

Como ano passado, o Circuito Arte e Cultura será realizado em nove bares, um em cada regional da cidade. Serão shows diversos, exposições fotográficas e uma apresentação de dança. Já a tradicional festa de encerramento do evento, A Saideira, marcada para os dias 21 e 22 do mês que vem, terá, além dos bares concorrentes, shows de Luis Melodia, Casuarina, Fino Coletivo e Max de Castro e Simoninha com o Baile do Simonal, entre outras atrações.

COMIDA DI BUTECO
Petiscos criados com 11 ingredientes do Norte de Minas Gerais em 41 bares de Belo Horizonte. De hoje a dia 15 do mês que vem. A festa A Saideira será nos dias 21 e 22, em local a definir. Informações: www.comidadibuteco.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA