Flor dos Hibiscus, casa de chá e loja especializada em produtos naturais, revela novos sabores

por Eduardo Tristão Girão 15/04/2011 07:00
Pedro David/Esp. EM/D. A Press
Chás e geleias de hibisco fazem parte do cardápio da casa, que em breve inaugura restaurante com produtos orgânicos (foto: Pedro David/Esp. EM/D. A Press)
Não é de hoje que ele aparece aqui e ali nos cardápios de Belo Horizonte: num molho para carnes, numa sobremesa ou mesmo num simples chá. De repente o hibisco (Hibiscus sabdariffa; não confunda com a flor ornamental) ganhou um lugar só para ele, o recém-inaugurado Flor dos Hibiscus, espécie de casa de chá e loja especializada comandada por produtores que cultivam a planta desde 2005 na Fazenda Pedra de Ouro, em Mateus Leme, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Além do chá (servido também gelado nos dias mais quentes), o empresário Fernando Gama e a mulher, a bióloga Lúcia Helena, proprietários da casa, desenvolveram linha variada de produtos com o hibisco, incluindo cerca de 20 itens, como geleia (normal e light), molho de pimenta, licor, tempero seco, chutney (apelidado de “catchutney”), concentrado (usado em reduções, bebidas e sorvetes) e doce em calda (feito com o cálice da flor). Em todos eles, o saboroso azedinho é a marca registrada. Fora os benefícios à saúde.

Qualquer um deles pode ser levado para casa ou consumido no local, já que há 60 lugares distribuídos entre o pequeno ambiente interno, o corredor e o agradável quintal, à sombra de quatro palmeiras e rodeado por pequenas plantas de todo tipo, incluindo várias ervas – o espaço, inclusive, pode ser alugado para eventos. No momento, parte do imóvel está sendo reestruturada para abrigar cozinha profissional: em breve, funcionará no local um restaurante com cardápio focado em produtos orgânicos e sem glúten.

Entre o plantio e a colheita, são seis meses. O arbusto chega a dois metros de altura e dá apenas uma florações por pé, tendo de ser plantado todo ano. “Esse hibisco não tem nada a ver com o que a gente vê na rua. São plantas da mesma família, no entanto a que cultivamos é nativa da África e Ásia”, explica Fernando. Dela, utilizam a flor, o cálice e as sementes.

Antes voltada para as áreas médica e de nutrição, a produção agora conta com a gastronomia para expandir. Os produtos já foram usados no restaurante Vecchio Sogno, na pizzaria Parada do Cardoso, na hamburgueria B Bistrô e pelo chef Cantídio Lana. O hibisco (o chutney, no caso) já foi descoberto até em São Paulo, onde é utilizado no lugar do catchup pela hamburgueria Matriz.

Variações
Por enquanto, a cozinha prepara pão de queijo (feito na fazenda; R$ 2, unidade), patês (tofu, grão de bico, abacate, cogumelo, berinjela; entre R$ 5 e R$ 7), sobremesas (frutas ou iogurte com concentrado de hibisco; R$ 7, cada) e pães, torradas e pizzas (todos sem glúten; entre R$ 3 e R$ 12). Para acompanhar, geleias (R$ 3, porção) ou chutneys (R$ 4, porção) de hibisco puro ou feitos com a flor e frutas variadas, como goiaba e carambola. Os sucos de hibisco com diversas frutas saem por R$ 6 (cada).

Chás totalizam 48 opções (R$ 4,50, cada), indo do hibisco puro ao honeybush e rooibos, esse dois últimos comprados de produtor sul-africano. Chás verde, preto e branco vêm do Paraná e formam com os três anteriores uma espécie de análise combinatória com as variantes amora, melissa, camomila, erva cidreira e hortelã. Todos podem ser incrementados com cravo, canela e gengibre.

Flor dos Hibiscus
Rua Flórida, 101, Sion. (31) 2552-2973. Aberto de segunda a sexta, das 8h às 18h30.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA