Chef Felipe Rameh, dupla de Alex Atala na TV, reformula cardápio do Dádiva

por Eduardo Tristão Girão 28/01/2011 07:00
Pedro David/Esp. EM/D. A Press
(foto: Pedro David/Esp. EM/D. A Press)
O restaurante Dádiva passa pela maior mudança de seus quase cinco anos de existência, com a chegada do chef Felipe Rameh. Ele ocupa o posto deixado pela colega capixaba Sylvia Lis, que comandou a cozinha desde a inauguração da casa. A quem o novo nome não diz muito, vale lembrar que era ele o assistente de Alex Atala no programa Mesa pra dois (GNT) – que o famoso chef tinha com Flávia Quaresma –, no qual respondia pelo apelido de Sansão. Jovem e experiente, este mineiro de Muriaé mudou totalmente o cardápio, alterou fornecedores e trabalha com equipe 80% renovada.

“Minha cozinha é de produto, com a menor interferência possível. Sem ele, é impossível fazer pratos com excelência”, resume Felipe. Para exemplificar, lembra quando colheu vegetais na horta caseira de um amigo e resolveu fazer, naquele mesmo dia, um risoto com as beterrabas recém-extraídas da terra: “Foi um dos pratos mais incríveis que já fiz. Um absurdo em termos de potência de sabor”. E completa: “Chef tem de ser tarado por produto e caçar os fornecedores que trabalham com paixão”.

Ele sabe o que está falando. Apesar dos 29 anos, exibe vivência suficiente para ter aprendido. Fez curso de gastronomia no Senac Águas de São Pedro e estagiou em boas cozinhas, como as do Vecchio Sogno (BH) e Garcia & Rodrigues (RJ). Depois, foram intensos três anos ao lado de Alex Atala, cozinhando no D.O.M., em São Paulo, e acompanhando o chef na TV e em eventos nacionais e internacionais. De mochila nas costas, rodou a Europa durante dois anos, trabalhando como cozinheiro no estrelado Mugaritz (Espanha), no Canteen (Inglaterra) e no Le Chalet de la Forêt (Bélgica).

De volta ao Brasil, em 2008, abriu com a família o Benedita Bistrô, que continua funcionando em Muriaé. Ensaiou vários planos fora da cidade, mas acabou “descoberto”, no fim do ano passado, por Allyson Lessa e Manueljuvêncio Ottoni, proprietários do Dádiva. “Bebo de todas as fontes. Tive a oportunidade de morar em diferentes países e fui criado no interior, o que é outra história. Coloco em prática um pouco de tudo o que vivenciei. Minha intenção é trabalhar cada dia mais com ingredientes regionais, mas acho que não dá para impor isso logo de cara”, conta Felipe.

LEIA MAIS NO BLOG DO GIRÃO

PRODUTOS

Do cardápio anterior, não ficou pedra sobre pedra. Entradas, pratos principais e sobremesas somam 49 itens, sem contar as 20 opções de petiscos. Peixes e frutos do mar agora são comprados pelo restaurante sem atravessadores e chegam à casa duas vezes por semana – ostras e mexilhões vêm frescos de Santa Catarina, sempre aos sábados. Carnes bovinas e ovinas chegam da paulistana Intermezzo Gourmet e os pães continuam a cargo do ateliê belo-horizontino Cum Panio. Ele quer valorizar mais os produtos mineiros: “Há fornecedores brilhantes aqui. Se não olharmos para eles, morrerão. Precisamos uns dos outros”.

Entre suas sugestões (todas individuais) estão: tentáculo de polvo dourado no azeite com arroz negro e vinagrete morno de tomate uva (R$ 69); peixe do dia com legumes frescos, redução de tangerina e alho negro (R$ 65); nhoque de batata com creme de leite fresco reduzido, trufa preta e parmesão (R$ 66); costeleta de cordeiro com mescla de grãos, nozes e frutas secas e toque de limão e hortelã (R$ 75); e sorvete de baunilha com banana dourada, farofa de canela e canudinho de doce de leite de Viçosa (R$ 17).

Quer mais opções? Confira o Guia de Bares e Restaurantes do Divirta-se

DÁDIVA
Rua Curitiba, 2.202, Lourdes, (31) 3292-9810. Aberto de segunda a quarta, das 12h às 15h e das 18h à 1h; quinta, das 12h às 15h e das 18h às 2h; sexta e sábado, das 12h às 2h; domingo, das 12h à 0h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA