Pium-I, o novo pólo gastronômico de BH

Vinte e dois bares e restaurantes, para todos os gostos, seis abertos recentemente

por Eduardo Tristão Girão 14/01/2011 07:00
Fotos: Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press
Fachada do Almanaque, no nº 675 (foto: Fotos: Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press)

A Rua Pium-I, na confluência dos bairros Carmo e Anchieta, transformou-se, de fato, num pólo gastronômico. Nos últimos meses, foram seis os novos bares e restaurantes abertos na via, atraindo gente da cidade inteira, sobretudo para os quarteirões entre as ruas Flórida e Montes Claros. Congestionamentos e dificuldade de estacionar já se tornaram rotina, mas isso parece não frear o público crescente da região, nem os empresários, que continuam de olho nas antigas casas da rua.

Comenta-se que o recém-alugado imóvel ao lado do Bar Mundaka será o 23º estabelecimento do tipo por lá e que outras duas casas já teriam sido sondadas por gente com o mesmo interesse. Por enquanto, são seis as novidades, todas abertas de julho para cá: os bares Almanaque, Lanikai e Peixe Boi e os restaurantes Sorriso, Feliz e The Bonez. Gastronomicamente falando, a Rua Pium-I começa em seu primeiro cruzamento, com a Rua Minas Novas, onde está o The Bonez (ainda em soft opening), e termina quase na Avenida Bandeirantes, no número 1.636, endereço da tradicional loja Fany Bombons (fundada em 1983).

“A questão do estacionamento é o único ponto negativo de estar num lugar como esse. Esta é uma rua bem democrática e o lado bom é a concorrência. Se meu bar estivesse sozinho aqui, acho que não estaria tão cheio. Quanto mais bares, melhor”, avalia José Antônio Witeck, proprietário do Peixe Boi, aberto em novembro passado. Gaúcho de Palmitinho, ele foi criador de carpas antes de vir trabalhar como garçom na choperia Albano’s, um quarteirão abaixo. Em 2004 montou seu primeiro bar, Peixe Frito, no Cachoeirinha, e, um ano depois, abriu mais um, com mesmo nome, no Santo Agostinho – hoje com outro dono.

Há quatro anos comprou o Bar Barpitista, no fim da Avenida Francisco Deslandes, no Anchieta, e o transformou em Peixe Boi. Manteve pedidas tradicionais do antigo cardápio e conquistou o público com sua especialidade, a tilápia. Começava uma história de sucesso: abriu filial na Avenida Prudente de Moraes (recentemente rebatizado de Peixinho, no Cidade Jardim), em 2008, e, agora, uma ampla e bem montada casa para 170 pessoas.

O cardápio é praticamente igual e tem como destaques as porções de tilápia grelhada com alcaparras (R$ 26,90) e de bolinho de bacalhau (R$ 19,90) e o camarão St. Jacques (empanado, recheado com catupiry e servido com arroz com passas; R$ 35,50 prato individual ). “Cheguei a ter salmão no primeiro Peixe Boi, mas tirei. A tilápia reina”, justifica. Juntas, as três casas vendem nada menos que 1,5 tonelada de filé de tilápia por mês.

LEIA MAIS
Pium-I de ponta a ponta


O DJ Leo Mille comanda as picapes na risoteria Sorriso, no nº 784

Acessibilidade Com capacidade semelhante (180 lugares), a choperia Almanaque, inaugurada mês passado, chama a atenção não apenas pelos seus vários ambientes em níveis diferentes e cobertos por teto retrátil, mas também pela preocupação com portadores de necessidades especiais. A casa é equipada com elevador, o gerente começou a fazer curso de libras (linguagem de sinais utilizada por deficientes auditivos) e a versão do cardápio em braile ficará pronta em breve.

Com outras duas unidades (nos shoppings Minas e Cidade), a casa é especializada em petiscos e carnes e tem como diferencial o fato de servir não apenas chope (R$ 4,10), mas também cerveja em garrafa (R$ 6,10). A aposta é na costela de boi no bafo, que fica 14 horas na churrasqueira e chega à mesa numa porção de um quilo, com molho, vinagrete, farofa e mandioca cozida (R$ 49,80). Há várias outras porções com peso semelhante. E ainda pratos individuais, entre os quais chama a atenção o que reproduz o lendário tropeiro do Mineirão, incluindo o polêmico molho de tomate (R$ 17,90).

Também filial, a risoteria Sorriso chegou a Rua Pium-I em outubro, um ano depois de a matriz ter sido aberta em Lourdes. O cardápio é idêntico, baseado em 25 variações de risoto. Entre os novos, assinados pelo chef Leandro Pimenta, estão três servidos com carnes: de amêndoa e cebola caramelizada com bacalhau confitado (R$ 53); de açafrão, queijo brie e pêra ao vinho tinto com coxa de pato confitada (R$ 59); e de saquê-mirim e cogumelos ao ponzu com atum em crosta de gergelim (R$ 55). Todos individuais.

Restaurante Peixe Boi, aberto em novembro, no nº 807
(foto: Restaurante Peixe Boi, aberto em novembro, no nº 807)

OSSOS

Proprietário de duas casas no corredor gastronômico (Feliz e The Bonez), o chef Zoroastro Passos, vê com bons olhos a proliferação de bares e restaurantes na região. “Já tínhamos rua para comprar roupa, parafuso, ferramenta. Agora inventaram a rua de comer. Acho divertido”, diz. No entanto, sugere a quem pretende visitar a rua Pium-I que faça-o de táxi: “Com a lei seca, além de mais seguro é mais confortável para todos”.

Aberto em 1998, o Feliz está, desde julho passado, em seu terceiro endereço. Menor que antes (agora são 40 lugares), teve a preservada a cozinha à vista do freguês e o menu, com pratos individuais entre R$ 40 e R$ 55. Entre os clássicos do chef estão o filé fungado (empanado na farinha de cogumelos secos e servido com risoto de cogumelos frescos) e o folhado de frutas secas com calda de caramelo.

O The Bonez é sua mais nova empreitada. Especializado em carnes com ossos (costelinha suína, pernil de cordeiro, coxa de frango, canela de boi etc.), foi aberto no final do mês passado (onde funcionava antes o Feliz), mas ainda opera em caráter experimental.

AS NOVAS CASAS DA RUA PIUM-I

Feliz
. Nº 554, (31) 2516-8322. Aberto de terça a sábado, das 19 à 0h.

Almanaque
. Nº 675, (31) 3287-9044. Aberto de segunda a sexta, das 17h às 2h; sábado, domingo e feriado, das 12h às 2h.

Lanikai
. Nº 772, (31) 3227-2907. Aberto terça, quarta e sábado, das 19h à 0h; quinta e sexta, das 19h à 1h; domingo, das 14h às 22h.

Sorriso
. Nº 784, (31) 3658-3684. Aberto de segunda a quarta, das 19h à 0h; quinta, das 19h à 1h; sexta, das 19h às 2h; sábado, das 12h às 2h; domingo, das 12h às 23h.

Peixe Boi
. Nº 807, (31) 2531-4972. Aberto de segunda a sexta, das 17h30 à 1h; sábado e domingo, das 11h30 à 0h.

Na esquina

The Bonez
. Rua Minas Novas, 19 (esquina com Rua Pium-I), Cruzeiro. (31) 3282-8322. Aberto de terça a quinta, das 18h à 0h; sexta, das 17h30 à 0h30; sábado, das 12h às 17h e das 19h à 0h; domingo, das 12h às 17h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA