Domenico Cardamuro comanda pizzaria no Funcionários

por Eduardo Tristão Girão 10/12/2010 07:00
Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press
(foto: Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press)

“Ofereço pizza de graça durante um ano para quem me provar que forno a lenha não faz diferença no sabor”, desafia Domenico Cardamuro, italiano de Nápoles que está há 10 anos no Brasil. Um dos pioneiros da pizza em fatia em Belo Horizonte (abriu a rede Pizza Pezzi em 2002), ele acaba de inaugurar a pizzaria Domenico, no Funcionários, onde serve 35 sabores da redonda e de sete de calzone. Tudo assado no calor da lenha, é claro.

Filho de restaurateurs, começou no ramo aos 13 anos, lavando louça no restaurante dos pais, Riccio di Mari, em Milão. Passou por várias casas italianas até chegar ao Brasil, onde começou trabalhando numa fábrica de pão sírio. Depois, foi consultor dos extintos Basílico e Arroba. Hoje vende, em média, 500 pizzas por mês em suas cinco unidades da Pizza Pezzi, todas no Centro. “A massa e o molho daqui são os mesmos de lá. Até porque não sei fazer diferente”, revela.

A nova casa ocupa imóvel onde funcionou o Restaurante Bella Vita (2006-2008), que pertencia a outro italiano, o chef Massimo Battaglini. Foram três meses de reforma, com ambiente assinado pela arquiteta Deborah Lachini – namorada de Domenico, ela é uma das sócias do restaurante 2010 e ajudou também a elaborar o cardápio. O piso de madeira, o teto e as janelas foram mantidos, enquanto mesas e cadeiras foram trocadas. Papel de parede e ar condicionado foram colocados. O guardacorpo da entrada foi escolhido depois de conversa com o proprietário do imóvel, para ficar parecido com o original.

Ao fundo, dois fornos a lenha foram construídos por Hamilton da Silva, profissional de destaque nessa especialidade: foi ele quem fez, com o filho, os da 68, Marília, Tavola, Vinicius e a antiga Vesuvio. Sem usar termômetro, os pizzaiolos conferem pela cor interna do forno se a temperatura está entre 300 e 320 graus centígrados, na qual uma pizza é assada em pouco mais de dois minutos. A massa é feita sempre de véspera, permitindo fermentação mais lenta, com menos fermento. “Fica mais leve”, observa.

LEIA TAMBÉM O BLOG DO GIRÃO

CORTESIA


As redondas têm 30cm de diâmetro e custam, em média, R$ 32, disponíveis tanto em sabores clássicos (marguerita, aliche e calabresa), como em receitas que privilegiam ingredientes como queijo brie, speck, presunto cru, cogumelos, linguiça de javali, coração de alcachofra e mel trufado. Todos as sobremesas são feitas na casa, como o tiramisù (feito com mascarpones italiano e nacional; R$ 15), pannacotta (R$ 12), petir gâteau de chocolate (R$ 12) e torta de nozes (R$ 12).

A carta de vinhos conta com 110 rótulos (entre R$ 41 e R$ 1.065), todas da importadora Mistral. O limoncello e o creme de limoncello, ambos feitos no local, são cortesia da casa.
 
Quer mais opções? Confira o Guia de Bares e Restaurantes do Divirta-se

Domenico
Rua Cláudio Manoel, 583, Funcionários. (31) 2516-2969. Aberto diariamente, 
das 18h à 1h. 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA