Mulheres dão o tom da 13ª edição do Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes

por Thaís Pacheco 20/08/2010 07:00
Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press
"Os melhores restaurantes do mundo são em locais afastados das grandes cidades, paradisíacos, charmosos, que têm história. Tiradentes é o único festival que se assemelha a essas condições" - Rodrigo Ferraz, coordenador do evento (foto: Pedro Motta/Esp. EM/D. A Press)
“Os primeiros cozinheiros foram funcionários de reis. A falta de equipamentos exigia força bruta na cozinha. Também era o homem quem caçava e abria o animal. Outra coisa que demandava muita força. A presença do homem na cozinha é questão cultural e inconsciente.” É assim que Rodrigo Ferraz, proprietário e organizador do Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes, explica a presença maçante dos homens no comando das grandes cozinhas.

Leia também: Diários Associados marcam presença no festival

Leia também: Chefs e convidadas especiais enriquecem festival com tempero feminino

Leia também: Mulheres são maioria na programação cultural do Festival de Tiradentes

Leia também: Roteiro gastronônico do Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes


Leia também: Roteiro cultural do Festival de Cultura e Gastronomia de Tiradentes

O cenário está mudando e, agora, cozinha de alta gastronomia deixou de ser lugar de força. “Nos últimos anos, notamos que as mulheres têm entrado muito mais no mercado gastronômico,” conta Rodrigo, que lembra um detalhe importante. “Temos uma referência muito grande das mulheres da nossa vida gastronômica. Seja por meio das mães, avós ou empregadas domesticas.”

Por essa razão, as mulheres são o tema da 13ª edição do evento. As convidadas são oito chefs de várias partes do mundo, quatro delas estreladas pelo Guia Michelin. Rougui Dia, francesa de origem senegalesa, está à frente do Petrossian, restaurante que tem a melhor cozinha de caviar do planeta. Outro grande nome é Bel Coelho, que fez os primeiros estágios no restaurante Fasano e com o maitre Laurent Suaudeau. Helena Rizzo, Margot Janse, Ângela Hartnett, Reine Sammut, Adeline Grattard e Pepa Romans completam o festival.

Todos os anos, o tema é escolhido com base em três conceitos: tendência, originalidade e simplicidade. Rodrigo explica cada uma delas. “Poderia ter como nome ‘a cozinha molecular de não sei onde’, mas se digo apenas ‘mulher’ todos já entendem do que se trata, aí é que mora a simplicidade.” E a tendência é essa mesmo: as mulheres no mercado.

A originalidade reside no fato de nunca ter havido no Brasil um evento de gastronomia que trouxesse apenas mulheres no comando. “Seria muita ousadia dizer que isso nunca ocorreu no resto do mundo, mas não ouvimos falar,” ele diz.

AMBIENTE Na edição que começa esta noite, na cidade histórica de Tiradentes, a organização decidiu também dar destaque à cultura. “Os melhores restaurantes do mundo são em locais afastados das grandes cidades, paradisíacos, charmosos, que têm história. Tiradentes é o único festival que se assemelha a essas condições. É isso que faz dele o maior evento da alta gastronomia do país”, explica Rodrigo. “Gastronomia tem um ambiente, uma história. Não se resume a chegar, jantar e ir embora.”

De fato, a função cultural da comida existe. O organizador destaca que “é possível descobrir os hábitos de um povo por meio da gastronomia.” Por isso, esta edição do festival buscou “artistas de peso”, para completar a programação além da mesa. Fernanda Takai, Dona Jandira e outros músicos, artistas plásticos e grupos de teatro estarão enriquecendo o evento.

13º FESTIVAL DE CULTURA E GASTRONOMIA DE TIRADENTES
De hoje ao dia 29, na cidade histórica mineira.
Informações: www.culturaegastronomia.com.br.
Informações e reservas: Estação do Turismo,
Av. Nossa Senhora do Carmo, 1.191, 7º andar, Sion/BH, (31) 3029-1688

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA