Eu só quero chocolate

L'Or Noir, Cacahuatt e Qoy fazem a festa dos chocólatras

por Eduardo Tristão Girão 16/07/2010 07:00
Pedro David/Esp.EM/D.A Press
Bombons de laranja crocante e de maracujá da loja L'Or Noir, no Santo Agostinho (foto: Pedro David/Esp.EM/D.A Press)

A cena das chocolaterias anda agitada com inauguração, reposicionamento de marca e expansão de serviços em pelo menos três lojas da capital. A maior novidade fica por conta da rede belo-horizontina Doce Cacau, que, a partir desta semana, passa a se chamar Qoy, incluindo novas linhas de produtos e iniciando a reformulação física dos pontos de venda. Na área de chocolates importados, a cidade ganha mais um endereço: a L’Or Noir, que trabalha exclusivamente com matéria-prima belga. Por sua vez, a Cacahuatt amplia seu horário de funcionamento e a capacidade de atendimento.

As oito lojas que a recém-batizada Qoy mantém na cidade serão transformadas em cafés com capacidade para até 20 pessoas. Os produtos já oferecidos serão agrupados na categoria “clássicos”, enquanto os novos serão separados em “enjoy” (bombons, barras, pipoca coberta com chocolate e misturas menos comuns, como flor de sal e cardamomo), “infantis” (com embalagens e brindes especiais), “preparados” (insumos como marshmallow e avelã, para levar) e “cafeteria” (bebidas quentes e geladas à base de chocolate e café premium).

Por enquanto, apenas as lojas de Lourdes e do Buritis foram reestruturadas, mas os novos produtos já estão disponíveis em toda a rede. O cacau é brasileiro e as receitas utilizam no mínimo 40% do ingrediente – a concentração chega a 80%, no caso de produtos para o público gourmet. A propósito, o chocolate em barra foi implantado em função de pesquisa que revelou a preferência dos apreciadores pelo formato, em vez de bombons e similares. A rede tem planos de expandir seus negócios ao longo do próximo ano por meio de 20 franquias fora do estado.

DIFERENÇA

Ex-aeromoça, Astrid Duarte começou a fazer cursos sobre chocolate há três anos, quando a crise mundial lhe tirou o emprego. Foi buscar qualificação na escola francesa Lenôtre e passou a vender seus doces por e-mail e blog. Em março deste ano, abriu a L’Or Noir, no Santo Agostinho, utilizando exclusivamente chocolate da marca belga Callebaut: as concentrações de cacau variam de 33,8% (ao leite) a amargo (70%). Atualmente, barrinhas, gotinhas e bombons ficam expostos em sua vitrine, mas a variedade está em expansão – ela pensa em trabalhar com o chocolate francês Valrhona em breve.

A maioria dos produtos é vendida em unidades de 14g (cada), a R$ 1,80. Nessa faixa se enquadram bombons com os seguintes recheios: laranja com crocante de caramelo, ganache de chocolate branco com maracujá, framboesa, caramelo, gianduia, damasco e ganache de morango, entre outros. Barras estão disponíveis em três tamanhos (40g, 60g e 88g), com preço variando em função do peso e da concentração de cacau (entre R$ 4 e R$ 9). Há a opção de bombom sem adição de açúcar, que sai por R$ 2 (unidade de 14g). “A conquista do freguês é diária. Para quem não está acostumado, é mais difícil perceber de primeira a diferença em relação ao chocolate nacional”, diz Astrid.

Quer mais opções? Confira o Guia de Bares e Restaurantes do Divirta-se

Pedro David/Esp.EM/D.A Press
Minitortas servidas na Cacahuatt, no Cruzeiro (foto: Pedro David/Esp.EM/D.A Press)


NA CALÇADA

Aberta em 2008, recentemente a Cacahuatt ampliou seu horário de funcionamento e aumentou o número de mesas. Agora são 26 lugares, a maioria ao ar livre, na calçada. Utilizando só matéria-prima nacional, continua tendo como especialidades as tortas (entre R$ 2,50 e R$ 5, individual), trufas e empadas de chocolate (incluindo opção diet; entre R$ 1,40 e R$ 2,10, cada) e docinhos variados (brigadeiro, tâmara recheada, cajuzinho, beijinho, chapéu de napoleão; entre R$ 1 e R$ 1,20, cada). As musses (entre R$ 3 e R$ 7,50, cada) são servidas em charmosos copinhos. “O que não estiver na vitrine, às vezes, pode ser feito na hora”, avisa a proprietária Liliana Becker.

ONDE IR

Cacahuatt

Rua Vitório Marçola, 203, loja 15, Cruzeiro. Aberto de segunda a sexta, das 9h às 19h; sábado, das 9h às 17h.

Doce Cacau
Rua Felipe dos Santos, 451, Lourdes. (31) 3504-3235. Aberto de segunda a sexta, das 9h às 19h; sábado, das 9 às 14h.

L’Or Noir
Rua Rodrigues Caldas, 178, Santo Agostinho, (31) 3372-0944. Aberto de segunda a sexta, das 9h às 19h; sábado, das 9h às 14h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA