La Scaletta volta à Savassi com o mesmo cardápio

E o preço diminuiu

por Eduardo Tristão Girão 02/07/2010 07:00
Pedro David/Esp. EM/D. A Press
Pratos antigos, como o penne com camarão e radicchio e o atum com batatas, foram reeditados pelo chef (foto: Pedro David/Esp. EM/D. A Press)

Quem diria que o chef italiano Pino Quaglia, conhecido em Belo Horizonte por seu conservadorismo, agora serve PF no almoço e açaí à tarde? Pois ele vendeu o restaurante La Scaletta (que agora se chama L’Astigiano e foi reformulado) em fevereiro, quase abriu um self-service no Centro e, agora, está de volta à Savassi, em ambiente menor e mais simples. Mas nem tudo está perdido: à noite ele promove uma transformação total na casa, cobrindo as mesas com toalhas brancas e trocando as louças, talheres e copos para reeditar o mesmo cardápio de antes por preço menor. A comida, garante, é exatamente a mesma. E manteve o nome.

“Meu medo no início era o tipo de loja que escolhemos, pois não tem nada a ver com o que era antes. Aqui era uma lanchonete”, conta Pino. Ele se refere à Toca do Açaí, que teve parte dos serviços originais (prato feito, R$ 8; e açaí, R$ 5,50) conservada. O chef optou pela compra desse ponto porque andava cansado de trabalhar toda noite e nos fins de semana. Desde 5 de abril fazia o que queria, ou seja, só servia almoço durante a semana, mas não resistiu aos apelos de fregueses do antigo La Scaletta e se viu pressionado a voltar para a cozinha no início deste mês. Mas não abriu mão dos sábados e domingos, que considera fundamentais para descansar o corpo e a mente.

Pino nasceu em Roccadaspide, região de Salerno, e trabalhou sempre em restaurantes até vir para o Brasil, em 1995. Foi dono de lavajato em São Paulo e chegou à capital mineira com a intenção de abrir outro, mas foi encorajado a mudar para o ramo de bares e restaurantes. Abriu em 1997 o La Scaletta, que funcionou em dois endereços na Rua Paraíba. No ano seguinte, casou-se com a belo-horizontina Priscila e passaram a trabalhar juntos. “Desanimei de ter a lanchonete por causa da bagunça do Centro. Além disso, teria de mexer com salgadinho, o que não é minha especialidade”, conta. O chef acredita que é questão de tempo para que a nova casa abra apenas para o jantar, pois está começando a ficar cansado de novo.

Quer mais opções? Confira o Guia de Bares e Restaurantes do Divirta-se

Pedro David/Esp. EM/D. A Press
(foto: Pedro David/Esp. EM/D. A Press)
CONCESSÕES

Até semana passada o restaurante não tinha placa e o cardápio da noite era ditado informalmente pelos garçons – à noite, Pino e Priscila ficam na cozinha. Velhos pratos estão de volta, como o espaguete com lagostim; o penne com camarão e radicchio; o pargo com azeitona e tomate; e o bife de chorizo com batata grelhada – cada um custa cerca de R$ 28 (individual), preço R$ 10 mais baixo do que antes, em média. Entre as novidades, rigatoni com ragu de costelinha e massa com linguiça ao açafrão italiano. “Agora deixo o freguês escolher o formato de massa que quiser. Fiquei muito mais democrático”, brinca o chef.

Quando o cardápio ficar pronto, pratos (primeiros e segundos) e entradas serão agrupados, e não separados em seções, como no velho La Scaletta. “Assim, ninguém fica constrangido e pede o que quiser e do jeito que quiser”, diz Pino, mais conformado em relação aos hábitos do belo-horizontino à mesa. No entanto, ele segue sem oferecer pratos com massa e carne juntos, respeitando modo italiano de dividir refeições. Entradas da versão anterior da casa também voltaram, a exemplo das porções de presunto cru com muçarela de búfala; camarão com rúcula; e de feijão branco com atum e cebola (em média R$ 30, cada). “O tiramisù (R$ 14) é o melhor da América Latina”, garante.

Vinhos (20 rótulos italianos, argentinos e chilenos) também tiveram preço reduzido: começam em R$ 32, sendo que a maioria custa cerca de R$ 60. Agora a margem de lucro sobre os vinhos é de 50%, e não 100%, como ocorre em boa parte das casas da cidade. “Não adianta querer vender vinho a R$ 140”, conforma-se ele.

LA SCALETTA
Rua Tomé de Souza, 1.178, Savassi. (31) 3317-1194. Aberto de segunda a sexta-feira, das 19h30 à 0h.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA