BH Bom de Mesa reúne chefs de todo o país

02/10/2009 07:00
Sérgio Lobo/Divulgação
(foto: Sérgio Lobo/Divulgação)
Quem gosta de sair para comer certamente conhece o Prato da Boa Lembrança, aquela cerâmica decorativa dada de presente para quem pede a receita que filia uma casa à Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança. Nesta sexta e sábado, um prato especial estará esperando aqueles que conferirem a programação do BH Bom de Mesa, evento que reunirá 10 chefs ligados à instituição de várias regiões do país para apresentar cardápios especiais em 10 casas da cidade. A cerâmica exclusiva, do artista plástico Jorge dos Anjos, será dada a cada um que experimentar o menu.

A programação é a seguinte: A Favorita recebe Lucas Fuente, do Sushi Leblon (Rio de Janeiro); D’Artagnan recebe Jorge Bandeira, do Le Corbu (Maceió); Dona Derna recebe Danio Braga, do Locanda Della Mimosa (Petrópolis); La Victoria recebe Eric Marty, do Cantaloup (São Paulo); Osteria Mattiazzi recebe Bruno Marasco, da Pizzaria Da Carmine (Niterói); Patuscada recebe Joca Pontes, do Ponte Nova (Recife); Splendido recebe César Santos, do Oficina do Sabor (Recife); Taste-Vin recebe Conceição Neroni, do Margutta Città (Rio de Janeiro); Vecchio Sogno recebe Willian Chen Yen, do Babel (Brasília); e Xapuri recebe Ana Bueno, do Banana da Terra (Paraty).

CATUABA Entre os destaques, está o pernambucano Joca Pontes, de 34 anos, que comanda nada menos que cinco casas em Recife: as duas creperias La Plage, a lanchonete Ricota e os restaurantes Ponte Nova e Villa. “Defino minha cozinha como autoral. Baseio-me muito em lembranças, em ingredientes regionais e na minha própria criatividade. Mas sem ser fusion, que não é a minha. Rotular meu trabalho seria algo limitador”, resume o chef. Seu cardápio, que será apresentado no Patuscada, custa R$ 90 (individual) e começa com o pastel aberto de frutos do mar e molho oriental agridoce, entrada com a qual trabalha há cerca de um ano no Ponte Nova.

Na sequência, perdiz ao molho de catuaba com cuscuz, legumes e castanha de caju. “A catuaba é a mesma daquela garrafa que todo mundo conhece. Ela é muito consumida no interior de Pernambuco. É adocicada e tem notas de canela e gengibre, o que dá toque legal ao molho”, explica ele. Para fechar, crepe de menta com ganache de chocolate e sorvete de mangaba. “Quando era criança, tinha o hábito de misturar as bolas de sorvete de mangaba e chocolate”, conta.

BH BOM DE MESA
Sexta e sábado, em 10 restaurantes da cidade. Os menus são individuais, custam entre R$ 62 e R$ 120 e incluem o prato decorativo. Informações: www.boalembranca.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE GASTRONOMIA