De volta ao cartaz, 'Pinocchio', do Grupo Giramundo, aborda questões importantes

Espetáculo será apresentado no Teatro Bradesco neste fim de semana

por Sérgio Rodrigo Reis 05/04/2013 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Pedro Motta/Divulgação
(foto: Pedro Motta/Divulgação)
A história clássica do boneco de um garotinho que, a cada nova mentira contada, aumenta alguns centímetros no nariz ganhou nova versãodo Grupo Giramundo, há sete anos. A montagem de 'Pinocchio', que tem como base o texto original escrito em 1883 por Carlo Collodi, coloca em cena questões universais como o prazer versus a ordem social, poderá ser conferida mais uma vez pelo público mineiro. A peça está em cartaz de hoje a domingo, às 20h, no Teatro Bradesco .

 

O espetáculo surgiu do interesse dos diretores do grupo em experimentar a linguagem de terror. No processo de pesquisa inicialmente veio a proposta de incorporar, nos cenários, aspectos inerentes ao barroco, que remetessem ao período colonial. Em seguida, somaram-se o interesse de buscar madeira de lei na produção de peças de entalhe de qualidade, numa espécie de “modernização” da referência do passado.

 

A montagem do Giramundo buscou se distanciar da releitura feita em animação por Walt Disney, em 1940. Para tanto, privilegiou o texto original, porém, sem ficar presa a soluções já bastante exploradas na dramaturgia e introduzindo inovações como o uso do vídeo, a composição da trilha em sistema quadrifônico e os recursos simultâneos das principais técnicas tradicionais do teatro de bonecos, como luva, fio, balcão, tringle, pantins, sombra e bonecos gigantes.

 

'Pinocchio' iniciou a trilogia 'Mundo moderno', projeto desenvolvido pelo grupo que deu origem também a adaptações de 'Vinte mil léguas submarinas', de Júlio Verne (apresentado semana passada) e a 'Alice no país das maravilhas', de Lewis Carroll (a estreia será na quinta, no mesmo espaço). As montagens marcam período de experimentações formais e de aproximação da trupe com outras linguagens cênicas.

 

Ao longo da história do Giramundo, fundado em 1970 pelos artistas plásticos e professores Álvaro Apocalypse, Terezinha Veloso e Madu Vivacqua, por várias vezes eles se arriscaram em novidades. Desta vez não foi diferente. Nos 43 anos de existência, foram criados 34 espetáculos, que circularam em 70 cidades de todos os estados brasileiros e em 13 países. Além da trilogia atual, o grupo já havia feito outra, anos antes, batizada de 'Brasil', quando recriou as peças 'Cobra Norato', 'O Guarani' e 'Tiradentes'. Atualmente, são 20 os integrantes fixos da companhia, sendo 10 marionetistas.

Trilogia Mundo Moderno
Apresentação de Pinocchio, sexta, sábado e domingo, às 20h, no Teatro Bradesco, Rua da Bahia, 2.224, Lourdes, Belo Horizonte. Duração: 75 minutos. Classificação: 12 anos. Ingressos: R$ 15 (inteira), à venda na bilheteria do teatro
e pelo site www.ingressorapido.com.br.

Pedro Motta/Divulgação
(foto: Pedro Motta/Divulgação)
Dose dupla

O Giramundo apresenta também, sábado e domingo, às 16h, com ingressos a R$ 10 (inteira), o espetáculo 'Pedro e
o Lobo', no Teatro Bradesco. A versão do texto reforça com imagens a ideia inicial do musical de Prokofiev: apresentar
e compartilhar com o público a estrutura de uma orquestra, seus principais timbres e grupos de instrumentos. Já no dia 11, no Teatro Bradesco, às 20h, será a vez da estreia de Alice no país das maravilhas, que ficará em cartaz até o dia 14.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS