Marco Paulo Rolla se dedica a várias linguagens e lança, hoje, o livro 'Vertigem'

O artista plástico explora as dubiedades entre o real e o imaginário

por Walter Sebastião 09/03/2013 07:15

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Johan Vanderveer/divulgação
Deslocamentos e quebras dão novo sentido a objetos domésticos (foto: Johan Vanderveer/divulgação)
Marco Paulo Rolla, de 43 anos, é um dos autores mais singulares em atividade na cena das artes plásticas em Belo Horizonte. Há mais de duas décadas ele atua em várias frentes – pintura, desenho, performance, artes gráficas e cenografia –, construindo vigorosa interpelação da imagem.
Um pouco do trabalho do artista acaba de ganhar livro: Vertigem (Ceia), que será lançado hoje, a partir das 11h, no Café com Letras, na Savassi. O volume reúne belas obras e oferece ótima introdução ao imaginário de Marco Paulo. Traz também entrevista do autor feita por Cristina Tejo e Marcos Hill, que assinam textos sobre as criações do entrevistado.

CONJUNTO 

Marco Paulo avisa: as várias mídias empregadas por ele se comunicam. “Não estou explicando nada, mas apresentando o pensamento que já está no trabalho. O sentido de conjunto é importante para mim”, observa.
A primeira imagem do livro chega com ironia – característica bem própria do artista –, trazendo uma tela de costas para a parede: Jogo dos sete erros (1998). Segue-se a performance em que Rolla destrói a mesa de café da manhã. Depois vêm outras performances em que situações do cotidiano são colocadas em suspenso. Essas imagens, explica o autor, representam parte importante de sua obra, mas têm sido vistas apenas pontualmente.

Procedimentos criativos e privilegiados, comenta Marco Paulo, são os deslocamentos e as quebras – uns e outros vistos por ele como um meio de produzir transformações. Pontuam motivos como cotidiano, fragilidade humana, imprevistos, destino, existência e morte – enfim, o físico e a alma. O autor considera a imagem como conceito: trata-se de matéria de trabalho, assim como levar técnicas e meios aos respectivos limites.

“Faço arqueologia das imagens do mundo, filtrando-as e criando leitura diferenciada”, observa Marco Paulo. “O humano não é simples, não é possível falar dele trabalhando só um aspecto”, completa, justificando a diversidade de enfoques e de práticas. Esse tema é recorrente desde o início de sua carreira.
Marco Paulo Rolla se interessa em evidenciar dubiedades entre o real e o imaginário. Suas manipulações têm vários objetivos ao transformar uma coisa em outra. Temas como irregularidade, descontrole, flutuação e acidentes a fustigar representações o seduzem. Interessa a ele a busca de estabilidade e de noções do destino.

Em Vertigem, a performance ganha o primeiro plano. “Ela existe de maneira inconsciente em tudo o que fiz”, observa Marco Paulo, referindo-se tanto à sua participação em grupos musicais quanto à dedicação à representação humana.

A performance, observa Marco Paulo, trouxe dramaticidade ao que, em outros meios, era tratado com ironia e humor. “O corpo humano, por si, coloca um drama”, conclui o artista.

VERTIGEM
Lançamento do livro de Marco Paulo Rolla
Hoje, das 11h às 13h30
Local: Café com Letras
Endereço: Rua Antônio de Albuquerque, 781, Savassi
Contato: (31) 3225-9973
Entrada franca. O volume custa R$ 70.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS