Artista Francesc Capdevilla chega a BH para ministrar oficina e inaugurar exposição

Desenhos do espanhol ficarão em cartaz a partir de 3 de outubro

por Sérgio Rodrigo Reis 25/09/2012 09:47

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Max/Divulgação
(foto: Max/Divulgação)
Ele é um dos principais cartunistas da Espanha. O artista Francesc Capdevilla, mais conhecido como Max, acaba de chegar a Belo Horizonte e tem agenda animada. Nesta terça-feira, a partir das 10h, no Instituto Cervantes, ministra oficina de quadrinhos. Até 3 de outubro, quando abre exposição no mesmo local, dedica-se aos ajustes finais de uma retrospectiva dos principais trabalhos. A mostra, que já esteve em Madrid (Espanha) e no Rio de Janeiro, depois da capital mineira seguirá para Salvador (BA). 
Serão 160 obras entre quadrinhos, cartazes e ilustrações. Batizada de Max, panóptica, a exposição reunirá criações de 1973 a 2011, cuidadosamente selecionadas pela curadora espanhola Marta Sierra. A intenção da mostra é aproximar o público da vida artística do ilustrador, que, ao longo da carreira, contribuiu para a modernização da linguagem das histórias em quadrinhos no seu país. O acervo que estará exposto pertence ao Museu Valencia de Ilustração e Modernidade. 
O público conhecerá a produção do desenhista em quatro módulos, cada um correspondente às suas décadas de atuação. Os anos 1970 chegam com quadrinhos inspirados no underground de Barcelona, quando esteve à frente da revista El víbora, publicação que trouxe outra estética aos HQs espanhóis na época. Em seguida, o visitante encontrará, no eixo dedicado aos anos 1980, o humor selvagem de Peter Pank, um de seus mais lembrados personagens. 
A exposição de Max, ao chegar nos anos 1990, dedica-se a histórias como O prolongado sonho do Sr. T. Já nos anos 2000, aparece Bardín, o superrealista, obra que lhe rendeu o Prêmio Nacional de Quadrinhos, em 2007, na Espanha. Em atuação há quatro décadas, ele é um dos poucos de sua geração em atividade e ainda produzindo obras de relevância. Além das HQs, serão mostrados materiais produzidos pelo artista como fotografias, postais, revistas, cartazes e recortes de jornais. 
A vinda de Max a Minas é iniciativa do Instituto Cervantes, órgão oficial do governo da Espanha na cidade. Sua estada por aqui terá outros desdobramentos. Sábado, haverá um encontro com os jovens do Plug Minas. O projeto oferece cursos de formação e atividades variadas para jovens de 14 a 24 anos que estudam ou já se formaram em escolas públicas de Belo Horizonte ou da região metropolitana. A proposta é dividir com os jovens um pouco da experiência no mundo dos quadrinhos.
 
Oficina e exposição
O artista espanhol Max ministra nesta terça-feira, às 19h, oficina de quadrinhos no Instituto Cervantes, Praça Milton Campos, 16, Serra. Custo: R$ 50. Em 3 de outubro, o artista abre, na sala de exposições do local, a mostra Max panóptica. Visitação até 7 de novembro, de segunda a sexta, das 10h às 19h; sábados, das 10h às 14h. Entrada franca. Informações: (31) 3789-1600.  


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS