Guto Martins ajuda o grupo tcheco Farm in the Cave a preparar o espetáculo The theater

Mineiro de Santa Bárbara participou de produção que estreia amanhã na programação do FIT, no Cine Santa Tereza

por Carolina Braga 13/06/2012 10:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Carolina Braga/EM/D. A Press
Guto Martins conheceu a companhia tcheca há quatro anos, durante apresentação no FIT (foto: Carolina Braga/EM/D. A Press)
O retorno do grupo Farm in the Cave, da República Tcheca, ao Festival Internacional de Teatro Palco e Rua de Belo Horizonte, o FIT-BH, já causou frisson na cidade. Mas se há um mineiro que tem motivos de sobra para se alegrar ainda mais com essa vinda, ele atende pelo nome de Guto Martins. De espectador da temporada de 2008, o cidadão de Santa Bárbara passou a integrante da cultuada companhia de teatro físico. E mais: a parceria dele com o grupo nasceu justamente na edição do festival realizada há 4 anos. “Estava fazendo um trabalho sobre Federico García Lorca para a minha conclusão de curso. E aí, uma das atrizes que trabalhava comigo era produtora no FIT. Ela conheceu o grupo e me falou ‘vai lá que é exatamente a onda que você pesquisa’”, lembra. Depois de assistir a Escravo – a canção de um imigrante, Guto não teve a menor dúvida de ter encontrado o grupo com o qual teria sintonia artística. “O que mais me impactou foi a integridade que eles levam para a cena. É uma coisa que você não consegue explicar”, diz. Assim, mesmo antes de se formar em direção teatral na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), Guto entrou em contato com a trupe se oferecendo para um estágio. “Falei que precisava muito trocar uma ideia com eles, conhecer como era o processo”, conta. Se é que podemos falar em sorte, a de Guto foi que o Farm in the Cave estava justamente de olho na cultura brasileira para a montagem de The theater, que será apresentado no Cine Santa Tereza a partir de amanhã. “Queriam saber mais sobre cavalo-marinho, samba e danças populares. A musicalidade é algo que rege o grupo. Disse que tinha feito uma pesquisa legal sobre cavalo-marinho e poderia servir de tradutor”, recorda. Mesmo sem dominar o inglês, muito menos tcheco, o mineiro embarcou para as temporadas de imersão em Praga. Da primeira vez, ficou dois meses na cidade com o apoio da Ufop. “A segunda vez já foi de forma totalmente voluntária. Trabalhava em bares e no Farm”, diz. Até que em 2011 a companhia tcheca propôs um contrato ao brasileiro para o cargo de gerente de palco. “Sempre tive o desejo de estar em uma companhia de teatro independente, mas nunca pensei fazer parte de um grupo internacional. Foi uma oportunidade que surgiu e eu me agarrei a ela com todas as forças. Hoje estou aqui. Mas foi um investimento”, conta o atual assistente do diretor Viliam Docolomansky. Trabalho nos bastidores Paciente e atencioso, Guto é figura incansável nos bastidores da montagem de The theater. Nesta passagem pelo FIT, ora atuando como intérprete do diretor técnico, ora como supervisor da equipe contratada no Brasil, a tarefa dele é preparar o terreno para que os artistas tenham condições de executar a obra. “Esse espetáculo é um dos que mais demanda na parte de montagem”, informa. De fato. O Cine Santa Tereza está totalmente transformado para recebê-lo. O único elemento que permanece inalterado é a tela, mas diante dela, um conjunto de 60 plataformas suspensas com mais de 20 metros de profundidade viram palco. “Esse recurso cenográfico dá opções surpreendentes para o espetáculo. Além disso, o contato da madeira com o aço, a vibração que isso causa, reverbera no público”, detalha. No caso das apresentações em Belo Horizonte, o cenário da peça foi construído de acordo com as possibilidades que o espaço oferecia. Para isso, foram necessários quatro dias para a montagem, que, inclusive, depende de equipe técnica local, além dos quatro responsáveis do grupo. Da República Tcheca vêm apenas elementos como escadas, objetos menores e os instrumentos musicais. E a rotina é pesada. Ontem, os trabalhos começaram às 9h e estavam previstos para continuar até as 23h. O Farm in the Cave é conhecido por uma dramaturgia estendida. Além da interpretação dos atores, a música, a luz, o cenário, tudo é, de certa forma, texto. A metalinguagem é uma característica forte em The theater, já que a trama é sobre uma companhia de atores que representam rituais ancestrais. “Quem viu o Farm em 2008 pode esperar que vai ser no mínimo tão satisfatório. Este é um trabalho que tem uma escala um pouco maior. É mais longo e também trabalha com um número maior de atores em cena. Ao todo são, 13 artistas”, adianta Guto. Apesar de sereno, ele não esconde a alegria de poder mostrar à família um pouco de seu trabalho. Além dos pais dele, que vêm de Santa Bárbara especialmente para a sessão de sábado, o diretor já garantiu as entradas para os amigos. “Vi que iria esgotar e saí comprando para todo mundo”, conta. Ele fez muito bem, porque os ingressos para o Farm in the Cave foram os mais disputados desta edição do FIT. VEM AÍ... AMIGAS O brasileiro Guto Martins também estará junto com o Farm in the Cave na próxima montagem, provisoriamente chamada de Amigas. O tema: os relacionamentos humanos. “São as relações virtuais que as pessoas vivem. Muitas vezes, você tem uma relação plena de pessoas ao seu lado, mas com quem você está? Que tipo de relacionamento você realmente vive?”, adianta. Mas, Amigas ainda vai demorar um pouco. Antes da estreia, o Farm in the Cave levará The theater para a Romênia, Macedônia e Eslováquia. HOJE NO FIT RUA 9h – Palhaços à vista, Centro Cultural Lindeia Regina (Rua Aristolino Basílio de Oliveira, 445) 16h – Naquele bairro encantado, Lagoinha 17h30 – Oxlajuj B'aqtun, Parque Municipal Entrada franca PALCO E ESPAÇOS ALTERNATIVOS 12h – Performance Sagazan, Espaço Mari’Stella Tristão (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400) 18h – El autor intelectual, Casa MAC (Rua Eduardo Porto, 612, Cidade Jardim, (31) 2555-5524) 19h – Sobre dinossauros, galinhas e dragões, Funarte MG (Rua Januária, 68, Floresta, (31) 3213-3084) 21h – Quiet, Teatro do Oi Futuro Klauss Vianna (Av. Afonso Pena 4.001, Mangabeiras, (31) 3229-3131) 21h – Antes do silêncio, Teatro Dom Silvério (Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi, (31) 2191-5700) 22h – Depois do filme, Teatro João Ceschiatti (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, (31) 3236-7400) 23h – El autor intelectual, Casa Mac (Rua Eduardo Porto, 612, Cidade Jardim, (31) 2555-5524) Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) Ponto de Encontro 19h30 à 1h – Dj Jullio (MG); Zimun (MG); Julgamento (MG); Nedú Lopes (MG); Performance '1999=10' (MG), Parque Municipal Renné Gianetti, R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) Cine Fit 20h – O palhaço, Parque Jacques Cousteau (Rua Augusto José dos Santos, 366, bairro Betânia). Entrada franca

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS