Mostra de Glauco Moraes entra em cartaz no Museu Inimá de Paula

Exposição celebra 15 anos de carreira do artista plástico

por Ana Clara Brant 12/05/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fernanda Ferraz/Divulgação
Aberta ao público até 8 de julho, a mostra reúne trabalhos de diferentes fases de Glauco Moraes, que comemora 15 anos de carreira (foto: Fernanda Ferraz/Divulgação )
 
Celebrar 15 anos de carreira com chave de ouro. É assim que Glauco Moraes define seu atual momento. Um dos mais importantes nomes das artes plásticas em Minas Gerais na atualidade, ele está expondo pela primeira vez no Museu Inimá de Paula. O artista apresenta 33 obras produzidas em diferentes momentos de sua trajetória. Com curadoria de Morgan da Motta, a exposição Seres múltiplos reúne as séries Diário secreto, Sétimo véu, Mulheres de ouro e Corpos em linha. 
“Sempre quis expor no Museu Inimá de Paula”, afirma Glauco. “É uma grande honra e um marco também. O convite surgiu na melhor hora, quando comemoro 15 anos de produção. As telas integram diferentes momentos da minha carreira, mas apenas uma foi feita especialmente para essa mostra: a Múltipla ceia, que foi finalizada ainda essa semana,”
Segundo o artista, a obra deve suscitar uma certa polêmica por suas marcas registradas, como o foco na figura humana e escritos do dialeto secreto criado por ele há alguns anos. “Não sobrou nenhuma das telas que fiz da minha fase religiosa. Então senti necessidade de criar essa Santa Ceia contemporânea. É uma peça gigantesca de 4m por 1,5m, que representa muito a força do meu trabalho no sentido metafórico. Mas acredito que ela pode provocar alguma polêmica também porque as figuras estão meio emboladas, umas se fundem com as outras e religião é um assunto que sempre causa discussão”, justifica.
E a Múltipla ceia também carrega o misterioso dialeto idealizado por Glauco Moraes que está presente em 80% de seu trabalho. Frases e símbolos que só o artista conhece o significado sempre aparecem na sua obra. “É um dialeto que tem 14 mil palavras e está guardado a sete chaves. Não revelo a ninguém o que quero dizer com esses símbolos. É um dialeto exclusivo e pessoal, que será revelado somente após minha morte”, acrescenta.
Multiplicidade Além de artista plástico, Glauco Moraes é professor, curador, crítico de arte, diretor da Maison Escola de Arte e da Casa de Arte Glauco Moraes e, por isso, o nome da mostra não deixa de ser uma representação do ser tão múltiplo que ele é. Não é à-toa que ficou conhecido entre os amigos pelo apelido de Camaleão, e o artista plástico acredita que todas as suas facetas estão presentes em seu trabalho. 
“Faço mil coisas e a minha obra tem muito dessa questão da diversidade, da repetição, do minimalismo. Apesar das telas que estão na exposição fazerem parte de séries diferentes, elas têm uma ligação entre si , têm a mesma essência. É uma mostra muito interessante e espero que o público perceba isso”, anseia o artista, que deve apresentar suas telas em Portugal, Nova York e Paris no segundo semestre.
 
Seres múltiplos
Exposição do artista plástico Glauco Moraes, no Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1.201, Centro). Terça, quarta e sexta-feira, das 10h às 19h; quinta-feira, das 12h às 21h; sábado, das 10h às 19h; e domingo, das 12h às 19h. Até 8 de julho. Entrada franca. Informações: (31) 3213-4320. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS