Juliana Gontijo apresenta primeira exposição individual

Mostra está em cartaz no BDMG Cultural

por Walter Sebastião 02/05/2012 11:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juliana Gontijo/divulgação
Poda, trabalho da mostra Ser rio, ser adro, ser planta (foto: Juliana Gontijo/divulgação)
Plantas, pedras e autorretratos fazem parte da primeira exposição individual da artista plástica Juliana Gontijo, que será aberta hoje para convidados. Os trabalhos poderão ser vistos a partir de amanhã no BDMG Cultural. De forma delicada, Juliana, de 24 anos, constrói a aproximação entre o corpo humano e o mundo.
 
Ser rio, ser adro, ser planta é o nome da exposição. “Considerando que todos somos feitos dos mesmos elementos, corpo e lugar podem se confundir”, provoca Juliana, referindo-se ao termo “ser adro”. Por sua vez, “ser rio” remete ao filósofo grego Heráclito – veio dele a frase “não se entra duas vezes no mesmo rio”, que traz a consciência da eterna transformação. “Ser planta é nascer e morrer a cada dia”, esclarece a artista. Como ela também gosta de escrever, promete incluir textos ao lado das obras. “Eles colocam questões, são poéticos e não explicativos”, conta Juliana.
 
A elaboração dos trabalhos se valeu de aspectos visuais e literários, além de diferentes materiais: telas, tintas, registros fotográficos, madeira, plantas e terra. Essa articulação, explica Juliana, faz um elemento potencializar o outro, “construindo algo maior, algo que eles não conseguem produzir sozinhos”.
A operação conceitual é movida por uma autora atraída pelo fazer, inclusive manual. “Passei vários anos pintando muito”, observa Juliana, que gosta da dimensão lúdica da arte. “O que me atrai é matéria, imagem”, resume.
Juliana Gontijo diz que seu trabalho tem certa dimensão do realismo fantástico. “As imagens despertam uma fantasia em torno do que as pessoas veem”. Ela cultiva o misterioso, é fã dos livros de Franz Kafka e do mineiro Murilo Rubião. “São textos sobre outros mundos. Coisas que não podem acontecer acontecem”, conclui.
 
JULIANA GONTIJO
Exposição Ser rio, ser adro, ser planta. Foto e pintura. A partir de amanhã. Galeria de Arte do BDMG Cultural, Rua Bernardo Guimarães, 1.600, Lourdes, (31) 3219-8599. Diariamente, das 10h às 18h. Até dia 27. 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE E-MAIS