Lightyear: Grupo tenta retirar filme da Pixar dos cinemas

Longa de Toy Story se torna alvo de boicote e ataques nas redes sociais

Redação - Observatório do Cinema 21/06/2022 19:30
Divulgação/Disney
Lightyear tem Chris Evans como o personagem principal. (foto: Divulgação/Disney)

Lightyear, o mais novo filme da Pixar, está travando uma grande batalha contra a censura e a intolerância. Por sua importante representatividade, o longa foi banido de vários países do Oriente Médio. Agora, um novo grupo tenta fazer o mesmo no Ocidente.

'Lightyear acompanha o lendário patrulheiro espacial após ser abandonado em um planeta hostil a 4,2 milhões de anos-luz da Terra ao lado de sua comandante e sua equipe', afirma a sinopse oficial do novo longa.

O elenco de Lightyear conta com Chris Evans (Capitão América) como a voz do protagonista. O rol de dubladores também inclui Keke Palmer (Scream Queens), Taika Waititi (Thor: Ragnarok), Bill Hader (Barry), James Brolin (Westworld) e Uzo Aduba (Orange is the New Black).

Veja abaixo tudo sobre a polêmica de Lightyear e o novo grupo que tenta censurar o longa nos cinemas do mundo todo.

Divulgação/Disney
(foto: Divulgação/Disney)

Por que religiosos tentam banir Lightyear nos cinemas?

Protagonizado por Chris Evans, Lightyear se estabeleceu como uma das grandes apostas da Pixar em 2022, junto com filmes como Red: Crescer é uma Fera.

No entanto, o longa não estreou no mundo todo. Devido a uma rápida cena de beijo entre duas personagens femininas, o filme foi banido em vários países do Oriente Médio.

O banimento não foi exatamente uma surpresa. Extremamente conservadores, os países em questão são controlados por governos que misturam política e religião.

Por isso, sempre que a Disney lança filmes como referências à comunidade LGBTQIA+, os projetos acabam censurados ou banidos em diversas nações.

Mas essa aversão à diversidade não é singular aos países islâmicos. Na verdade, grupos cristãos também tentam boicotar Lightyear.

Logo após o lançamento do longa, detratores do filme da Pixar criaram o grupo 'Cristãos contra Lightyear', uma comunidade virtual voltada para o boicote da produção (veja abaixo o print).

Em sua descrição, o grupo pede a 'suspensão das exibições de Lightyear' pelo fato do longa contar com personagens LGBTQIA+.

Criado por um perfil fake - que serve apenas para esconder a verdadeira identidade do responsável - o grupo já acumula mais de 9 mil integrantes no Facebook.

O fato de grupos cristãos pedirem boicote e censura a projetos da Disney já é rotina nos Estados Unidos.

Após o lançamento de Ms. Marvel, por exemplo, um grupo religioso se juntou para exigir o cancelamento da série. O motivo? O simples fato da protagonista Kamala Khan ser uma adolescente muçulmana.

Na época, o grupo classificou a série como 'um verdadeiro tapa na cara da audiência branca, heterossexual e cristã'.

A página também organizou uma ação coordenada que resultou no bombardeio das resenhas de Ms. Marvel e na grande diminuição da nota da série no IMDB.

Recentemente, Chris Evans defendeu a representatividade de Lightyear e respondeu às críticas homofóbicas ao filme.

'A verdade é que essas pessoas são idiotas. Sempre haverá pessoas com medo e inseguranças, tentando atrasar as coisas. Mas essas pessoas morrem como dinossauros. Acho que o negócio é não dar atenção a elas, seguir em frente e abraçar o crescimento que nos torna humanos', comentou o ator.

Lightyear está em cartaz nos cinemas brasileiros. O longa deve estrear em breve no Disney+, clique aqui para assinar a plataforma.

Observatório do Cinema.

MAIS SOBRE CINEMA