Filme 'Adeus à noite discute' a relação dos jovens com o terrorismo

Estrelado por Catherine Deneuve, longa conta a história de uma avó às voltas com o neto prestes a aderir à Jihad muçulmana. Longa aborda o livre-arbítrio e a opção pelo sacrifício neste mundo individualista

por Agência Estado 12/09/2019 06:00
 Pandora Filmes/divulgação
Catherine Deneuve interpreta Muriel, cujo neto decide se juntar à Jihad na Síria (foto: Pandora Filmes/divulgação)

Em sua oitava parceria com Catherine Deneuve, André Téchiné aborda um tema visceral: a radicalização política e religiosa que está no centro de cataclismos atuais. No filme Adeus à noite, que estreia nesta quinta (12) em BH, a estrela interpreta uma avó – Muriel ainda é uma bela mulher, como a própria atriz, de 75 anos. Possui uma fazenda de criação de cavalos, uma escola de equitação. Tudo nos conformes.
 
Mas aí chega o neto Alex (Kacey Mottet Klein), que vem se despedir. Diz que está indo para o Canadá, mas ela o surpreende orando. Descobre que o rapaz e a namorada, Lila (Oulaya Amamra), converteram-se ao islamismo. Na verdade, o casal está partindo para a Síria com a intenção de se integrar à Jihad muçulmana.
Adeus à noite dialoga muito bem com Meu filho querido, do tunisiano Mohamed Ben Attia, um dos mais belos filmes lançados este ano. Ben conta a história sobre um pai desesperado que segue a trilha do filho na Síria, depois de o garoto partir sem dizer adeus.
 
Se pudesse, faria o mesmo que Muriel – teria, a qualquer custo, tentado impedi-lo de partir. Para complicar, no longa de Téchiné o neto se apropria de dinheiro da avó para entregá-lo ao grupo que financia os jihadistas. Com isso, a narrativa ganha dimensão de thriller.

Um dos méritos do diretor é evitar respostas fáceis para questões intrincadas. Há algo no comportamento de Alex que funciona como alternativa um tanto alucinada. O que é melhor? Uma vida de tédio ou uma morte gloriosa? O rapaz pergunta à namorada o que ela sentiria quando ele estivesse morto. A resposta: "Orgulho".

Há outras questões envolvidas. Como fica o livre-arbítrio quando uma pessoa decide cometer atos de violência e morrer em ação? Deve-se deixá-la levar esse desejo às últimas consequências ou impedi-la a qualquer custo, violando seu direito de escolha?

Há uma passagem interessante, quando Muriel pede ajuda a um "arrependido", para que ele fale com o neto e o convença a desistir. Não importa aqui dizer como isso termina. Apenas destacar a resposta que o rapaz dá a Muriel quando ela lhe pergunta por que havia aderido ao radicalismo. Ele responde simplesmente: "Porque esse caminho oferecia a possibilidade de mudar completamente de vida".

Pandora Filmes/divulgação
Os jovens Alex (Kacey Mottet Klein) e Lila (Oulaya Amamra) têm orgulho de sua opção radical (foto: Pandora Filmes/divulgação)

Na coletiva sobre o longa realizada no Festival de Berlim, em fevereiro, Catherine Deneuve falou sobre como foi difícil expressar o sentimento de Muriel. "Ela vive um dilema hamletiano. Ao impedir o neto de partir, pode achar que está agindo certo, mas o está impedindo de viver a vida dele, de ser ou não o que quer ser."

Téchiné revelou que seu filme nasceu de um profundo mal-estar. “Cresci meio isolado numa pequena cidade do Sul da França, em família de ascendência espanhola. Era como se a gente vivesse num feudo. O cinema me fez descobrir o mundo e a cidadania, primeiro como crítico, depois como diretor. Sempre gostei de personagens que não se integram e carecem de pertencimento, pois muitas vezes me senti assim", contou.

Intelectual de formação católica e marxista, André Téchiné se interessou pelas questões dos refugiados e imigrantes, sobretudo na França. "Como todo mundo da minha geração, sofri com todos os ataques da Jihad, que colocam à prova noções de humanidade e tolerância. Tentava me informar e ficar atualizado. O filme nasceu da convergência de vários fatores. Havia o desejo de entendimento, mas creio que fundamental foi o livro de David Thomson, Les français jihadistes, que traz entrevistas com jovens que aderiram à causa islâmica e à Jihad. São diálogos muito crus, muito diretos, que ficaram comigo. Comecei a pensar se seria capaz de criar uma mise-en-scène para eles, se seria possível transformar esse material de reportagem em ficção cinematográfica. Foi assim que o filme começou a nascer."

O diretor francês se propõe a entender a psicologia desses jovens. "Nesta era de tanto individualismo, eles elegem o sacrifício. Morrer por uma causa. Por quê?", questiona Téchiné. Embora a palavra dos jovens tenha lhe fornecido o impulso inicial, ele observa: "Sentia que só conseguiria ser honesto adotando o olhar de uma pessoa da minha geração, e foi assim que Muriel se foi delineando. Antes mesmo de contatar Deneuve, sabia que teria de tê-la nesse projeto. Conheço Catherine há muito tempo, conheço sua inquietação. Nisso somos iguais. Gostamos de arriscar, de nos renovar. É um tema perigoso, mas sabia que teria de contar com ela.”

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA