Petrobras desiste de patrocinar o Festival de Documentários É Tudo Verdade

Edição 2018 contará com a exibição de 'O processo', de Maria Augusta Ramos, sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff

por Estadão Conteúdo 21/03/2018 08:43
No Foco Filmes/Divulgação
Dilma Rousseff em cena de 'O processo', uma das atrações do festival É Tudo Verdade. (foto: No Foco Filmes/Divulgação)

Pela primeira vez em muitos anos, a Petrobras deixou de patrocinar o Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade. As farpas não foram disparadas por Amir Labaki, criador e diretor-geral do evento, mas por Eduardo Saron, representante do Itaú Cultural. De acordo com ele, a estatal esperou até o finalzinho para cair fora, “mas o Amir está em boa companhia, com o Itaú e o Sesc”.

Até agora, a 23ª edição do evento conseguiu captar dois terços do orçamento de R$ 6 milhões. “O festival será um pouco mais enxuto, mas não menos vigoroso”, anunciou Labaki. Em cartaz de 12 a 22 de abril, a programação será aberta por dois filmes de personagens. Adoniran – Meu nome é João Rubinato, dirigido por Pedro Serrano, vai inaugurar a etapa paulista, e Carvana, de Lulu Corrêa, a carioca.

O compositor e cantor Adoniran Barbosa tem a cara de São Paulo. Ninguém representou melhor o malandro carioca do que o ator e diretor Hugo Carvana. “É uma felicidade termos esses documentários, que são belíssimas homenagens”, disse Amir Labaki.

Ele destacou que a safra de documentários brasileiros está excepcional. “As competições (brasileiras) de longas e curtas estão entre as mais fortes da década. Além disso, cineastas do país terão participação recorde nas disputas de longas internacionais, com três representantes”, informou.

MULHERES Reafirmando o compromisso com a representatividade feminina, o festival homenageará a documentarista Pamela Yates, reconhecida por seu comprometimento com a luta por direitos humanos na Guatemala.

Durante a entrevista coletiva realizada na terça-feira (20), em São Paulo, repercutiu muito o anúncio da participação de Maria Augusta Ramos na competição brasileira com O processo, seu documentário sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Amir não teme radicalização. “As pré-estreias de filmes brasileiros são sempre as que mais atraem o público”, informou. 

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA