Protagonizado por Ellen Page, Além da morte aposta no fascínio da humanidade pelo além

O diretor Niels Oplev levou para as telas o remake do clássico Linha mortal

por AFP 24/10/2017 08:00


Columbia Pictures/divulgação
Columbia Pictures/divulgação (foto: Columbia Pictures/divulgação)
Para muitos, são harpas, halos e asas de anjo. Para outros, esferas celestiais e planos astrais. E também há quem acredite na reunião com familiares e amigos no paraíso. Qualquer que seja a visão do que existe depois da morte, Hollywood já a imortalizou nas telas.

De A felicidade não se compra (1946) a O sexto sentido (1999) – que se mantém como o filme de terror mais bem-sucedido de todos os tempos –, a meca do cinema ofereceu, por décadas, um olhar sobre o reino dos céus.

A mais recente tentativa é Além da morte, em cartaz em Belo Horizonte. Trata-se da nova versão do clássico Linha mortal (1990), trama sobre estudantes de medicina que passam para o outro lado.

Dirigido por Niels Arden Oplev, o novo longa tem um elenco jovem, liderado por Ellen Page (Juno e A origem), indicada ao Oscar de melhor atriz em 2008. Destacam-se também o mexicano Diego Luna (Milk – A voz da igualdade e Rogue one – Uma história Star Wars), Nina Dobrev, James Norton e Kiersey Clemons.

“De alguma forma, a morte é o último grande mistério. É como a profundidade do mar ou o espaço”, afirma o cineasta Niels Oplev. “Sabemos mais sobre o Big Bang do que sobre a contagem final”, observa o dinamarquês.

Quem tem mais de 40 anos vai se lembrar da premissa de Linha mortal: jovens obcecados pelo mistério do além embarcam em um experimento ambicioso e perigoso. Ao parar o coração por curtos períodos, cada estudante tem uma experiência próxima da morte, enquanto os colegas monitoram a atividade cerebral do colega em busca de provas sobre o que ocorre além da vida.

Dirigida por Joel Schumacher, a produção original era protagonizada por Kiefer Sutherland, que faz rápida aparição no remake de 2017, Kevin Bacon e Julia Roberts.


CRÍTICA

Oplev diz que seu filme, coproduzido por Michael Douglas, não se limita aos mistérios da vida e da morte. Critica também um aspecto da cultura americana.

“A disputa para construir uma carreira, ter um emprego é muito mais difícil para a juventude de hoje do que há 27 anos. Os jovens tomam qualquer tipo de porcaria para conseguir estudar 12 horas, para ficar acordados”, adverte o diretor de Além da morte. “Eles têm o desejo de tomar um comprimido como atalho para a grandeza. Acham divertido e maravilhoso, até que a conta chega”, diz Oplev.

No caso de Além da morte, a conta é exorbitante. Ao experimentar morte e ressurreição, os personagens se veem às voltas com terríveis criaturas sobrenaturais que os obrigam a enfrentar ações passadas das quais se arrependem.

Terror psicológico

A ciência avançou tanto nos últimos 25 anos que o diretor Niels Arden Oplev trabalhou com médicos para adaptar a trama de Além da morte à tecnologia contemporânea. Diagnósticos e prescrições são autênticos. Além disso, os atores aprenderam a usar equipamentos da maneira correta. Sabem, por exemplo, aplicar injeções como um profissional o faz.

Porém, ao contrário do que exibem as produções de Hollywood, não se pode ressuscitar alguém com choques elétricos sem antes haver batida do coração. “Obviamente, por estar fazendo um filme e não um documentário, tomamos algumas liberdades. Mas a ideia é ser o mais preciso possível”, explica Lindsey Somers, consultora em saúde. Ela e uma equipe de enfermeiras, radiologistas e neurocirurgiões assessoraram Oplev.

Diferentemente de Linha mortal, Oplev usa o terror psicológico com grande intensidade, algo sob medida para as gerações deste século 21, que dificilmente se deixam impactar.

“O primeiro filme foi de grande inspiração para nós”, ressaltou o cineasta dinamarquês. “Mais do que um remake, fizemos uma reinterpretação”, conclui. (Frankie Taggart/AFP)

['__class__', '__cmp__', '__contains__', '__delattr__', '__delitem__', '__dict__', '__doc__', '__eq__', '__format__', '__ge__', '__getattribute__', '__getitem__', '__gt__', '__hash__', '__init__', '__iter__', '__le__', '__len__', '__lt__', '__module__', '__ne__', '__new__', '__reduce__', '__reduce_ex__', '__repr__', '__setattr__', '__setitem__', '__sizeof__', '__str__', '__subclasshook__', '__weakref__', 'clear', 'copy', 'fromkeys', 'get', 'has_key', 'items', 'iteritems', 'iterkeys', 'itervalues', 'keys', 'pop', 'popitem', 'request', 'setdefault', 'update', 'values', 'viewitems', 'viewkeys', 'viewvalues']

MAIS SOBRE CINEMA