Cineasta dinamarquês Carl Theodor Dreyer é tema de mostra em BH

Quatro títulos realizados entre as décadas de 1920 e 1950 estão em exibição a partir desta terça, 10, no Cine Humberto Mauro

por Pedro Galvão 10/10/2017 09:03
Fundação Clóvis Salgado/Divulgação
'A palavra', de 1955, é um dos quatro títulos que integram a mostra '4x Dreyer'. (foto: Fundação Clóvis Salgado/Divulgação)

A partir desta terça-feira, 10, o Cine Humberto Mauro se dedica à memória do dinamarquês Carl Theodor Dreyer (1889-1968), um dos mais importantes cineastas do século 20. Serão quatro filmes exibidos gratuitamente: A paixão de Joana D’Arc (1928), O vampiro (1932), Dias de ira (1943) e A palavra (1955).

A abertura da mostra 4x Dreyer será com o clássico A paixão de Joana D’Arc. ''É um filme seminal para entender a época do cinema mudo, em que a imagem ganha uma expressão única – de poesia, em diversos níveis. Em Joana D’Aarc temos uma das maiores interpretações até hoje da história do cinema, de Renée Jeanne Falconetti, que nunca voltou a atuar. Há toda uma história mítica por trás e relatos de que ela sofreu muito, física e emocionalmente, para dar conta desse personagem'', afirma Bruno Hilário, curador da mostra.

No filme, os close-ups, uma das principais características do diretor, são explorados com destaque único na história do cinema, como destaca o curador. ''Cada plano é meticulosamente planejado. Ele soube utilizar os espaços, pela arquitetura da imagem e pelo movimento de câmera, quando se aproxima e quando se afasta, para construir uma experiência sensorial muito próxima, com uma carga dramática que nos aproxima da dor. Mas, quando utilizada junto aos inquisidores, também mostra esse lado opressor, absurdo e monstruoso da inquisição'', descreve.

HORROR
O vampiro, tido como um dos principais filmes de horror das primeiras décadas do século 20, é outro destaque da mostra. ''Mais que contar uma história de horror, o filme cria situações poéticas, em sequências oníricas que até hoje impressionam pela inventividade, como na cena do sonho de um personagem que está indo ser enterrado vivo, com o olho aberto. São poucos diálogos, poucas falas, mas uma trilha já bem marcada, no começo dos anos 30, onde o cinema estava tateando em busca de recursos sonoros. Esse filme é um bom indicativo'', afirma Hilário.

O curador afirma ainda que, o baixo retorno comercial que seus filmes tiveram na época dos lançamentos, além da crise imposta pela Segunda Guerra Mundial, fizeram com que Dreyer tivesse dificuldades para viabilizar suas produções, com hiatos de até 10 anos entre um filme e outro. Ainda assim, foram 12 lançamentos entre 1919 e 1964.

Mostra 4x Dreyer
De terça-feira (10 de outubro) a quinta-feira (12 de outubro), no Cine Humberto Mauro (Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro). Entrada gratuita, com ingressos distribuídos 30 minutos antes de cada sessão. Mais informações: 3236-7400 e no site ww.fcs.mg.gov.br.

Confira a programação


Terça-feira (10/10)

15h – A paixão de Joana d’Arc
17h – O vampiro
19h – Dias de ira
21h – A palavra

Quarta-feira (11/10)

15h – A palavra
17h15 – Dias de ira
19h15 – O vampiro
21h – A paixão de Joana d’Arc

Quinta-feira (12/10)

15h – Dias de Ira
17h – A paixão de Joana d’Arc
19h – A palavra
21h – O vampiro

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA