Longa 'A torre negra' é um desserviço a obra de Stephen King

Filme dirigido por Nikolaj Arcel estraga, em uma hora e meia, o que King levou 33 anos para concluir

por Mariana Peixoto 24/08/2017 08:30

Sony Pictures/Divulgação
Idris Elba e Matthew McConaughey são destaques no elenco, mas não salvam o filme. (foto: Sony Pictures/Divulgação )

O cinema costuma tratar muito bem a obra do escritor Stephen King. Alguns dos grandes filmes de suspense/terror vieram de adaptações de romances e novelas do autor norte-americano, como Carrie, a estranha (1976), O iluminado (1980), Conta comigo (1986) e Louca obsessão (1990). Pois esqueça essas credenciais se você planeja ver A torre negra, que chega nesta quinta-feira, 24, às salas de BH.

O filme dirigido pelo dinamarquês Nikolaj Arcel (O amante da rainha) consegue estragar, em uma hora e meia, o que King levou 33 anos para concluir. Considerada um dos grandes momentos da carreira do escritor, a série de sete livros teve início em 1970, quando ele estava na universidade. A publicação ocorreu entre 1982 e 2004 – inclui um oitavo romance, de 2012, depois que a coleção havia sido oficialmente finalizada.

Misturando fantasia, faroeste, ficção científica e terror, a narrativa acompanha um pistoleiro e sua busca em direção à torre negra. Roland Deschain é o único representante da linhagem de criminosos que desapareceu do Mundo Médio. Para evitar a destruição desse mundo alternativo, hoje envelhecido, ele precisa alcançar a tal torre, lugar de natureza tanto física quanto metafórica. Em seu caminho, encontra-se com diferentes personagens.

Essa saga é contada nos livros. Nikolaj Arcel, fã da obra de King, usou todos eles para construir uma história só. Condensada, a trama de Roland virou uma guerra de bem contra o mal cheia de clichês e sem nenhuma nuance.

SONHO Jake (Tom Taylor) é o adolescente solitário de Nova York que não consegue levar uma vida normal. Sonha continuamente com uma torre, um pistoleiro e um homem de preto. Essa estrutura, que está no universo alternativo, é o que mantém a Terra nos eixos. Se a torre for destruída – o que só poderá ocorrer pela força de uma criança –, forças do mal vão tomar conta do planeta.

Não é difícil entender que Jake é o garoto capaz disso. Perseguido incansavelmente pelo Homem de Preto (Matthew McConaughey), ele se une a Roland (Idris Elba) para tentar salvar o mundo (nesta e em outras dimensões) e manter a torre negra intacta.

Nessa perseguição, não há humor. Elba parece deslocado o tempo inteiro, amuado, quase se perguntando o que está fazendo ali. McConaughey, afetadíssimo como nunca, até parece se divertir com seu Homem de Preto, a personificação da maldade. Mas a história não convence. Aliás, vai perdendo o interesse. Isso ocorre porque a apresentação dos personagens – e dos mundos alternativos – é um tanto rasteira. Ou seja, não envolve o espectador que não conhece a obra de King.

Na mais recente edição da San Diego Comic Con, em julho, o diretor afirmou que A torre negra é um filme curto porque deverá ser apenas o primeiro. Na verdade, o longa é parte de um projeto maior, que, especula-se, vai virar seriado. A aguardar se com mais tempo o universo de Stephen King ganhará adaptação à altura.

 

Abaixo, confira o trailer:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA