[an error occurred while processing this directive] Filme de Selton Mello capta o ar dos que sonham acordados

Filme de Selton Mello capta o ar dos que sonham acordados

'O filme da minha vida' imprime atmosfera onírica à história de um rapaz interiorano em seu rito de passagem da adolescência para a vida adulta

por Silvana Arantes 03/08/2017 08:00

Bananeira Filmes/Divulgação
Johnny Massaro interpreta o protagonista Tony Terranova (foto: Bananeira Filmes/Divulgação)
 

Dormir bem não está no topo das coisas que Tony Terranova (Johnny Massaro) sabe fazer, como se descobre no início de O filme da minha vida. Estamos diante de um personagem que sonha acordado neste terceiro longa de Selton Mello, cuja direção é hábil o bastante para mostrar o correr dos dias na vida de seu protagonista cercado por uma atmosfera de ligeiro torpor, próprio do intervalo entre o sono e a vigília.

O fato de a trama ser ambientada nos oníricos anos 1960, com direito a incontáveis baforadas de cigarro, e de Tony ser o tipo de cara que sente o tempo desacelerar quando avista de longe a garota mais bonita da cidade – e seus pés flutuarem ao vê-la um pouco mais de perto – contribuem para dar ao longa uma pulsação condizente com a de quem respira como se suspirasse.

E Tony suspira pelos bons e pelos maus motivos, entre os quais sua dúvida obsedante a respeito da razão que levou seu pai (e seu herói até então) a ir embora, bem no momento em que ele voltou para casa com um diploma de professor recém-obtido. Em torno dessa quebra da imagem ideal do pai se desenha o rito de passagem da adolescência para a idade adulta e se constrói o tema central de O filme da minha vida, que é, sobretudo, um ensaio a respeito de como um menino se faz homem. Mas não um homem qualquer, como se observa na cena da iniciação sexual de Tony. Na cama de uma “profissional”, o menino/homem não tenta fingir-se dono de uma experiência que não tem, mas encontra um modo particular de fazer com que o jogo seja prazeroso também para ela.

Transformar sua vulnerabilidade em força, ao não tentar mascará-la, será apenas o primeiro passo na jornada de mutação do protagonista. Para concluí-la, Tony terá que aprender a inverter a perspectiva de sua ferida narcísica (o sentimento de abandono) até conseguir enxergar Nicolas (Vincent Cassel) e Sofia (Ondina Clais) como indivíduos com seus conflitos e desejos, para além dos papéis de pai e mãe.

É em seu momento de maior tumulto emocional que Tony, já quase um homem, recebe da mãe um carinho e o conselho “dorme, querido”, numa cena que traz aos olhos daqueles que viram Selton Mello em Lavoura arcaica o eco de Juliana Carneiro da Cunha dizendo ao menino André “acorda, coração”.

PARENTESCO Há ainda pontos de contato entre O filme da minha vida e Lavoura arcaica (Luiz Fernando Carvalho, 2001) no fato de ambos compartilharem o mesmo diretor de fotografia (Walter Carvalho), ter a presença do trem (e seu ruído) como elemento dramatúrgico, e um protagonista que narra sua história em off. Mas o parentesco entre os dois longas está principalmente no fato de conterem a assinatura de um diretor interessado em expressar sua singularidade e imune à tentação de aderir ao padrão temático e formal do cinema brasileiro em seu tempo.

Se Luiz Fernando Carvalho ignorou tanto o viés de tese sociológica sobre o país que naquele momento se esperava do cinema nacional quanto o ritmo narrativo prevalente, Selton Mello atreveu-se aqui a passar por cima de modismos temáticos e estilísticos da safra atual para oferecer ao espectador uma narrativa clássica e elegante sobre um conflito íntimo e atemporal.

O filme da minha vida não tem “câmera nervosa” nem grudada ao pescoço dos atores; seus personagens não têm nomes idênticos aos de seus intérpretes; as locações não são “reais”; o roteiro não é colaborativo nem trata de tolerância, sororidade, questão racial, direitos LGBT, a nova conformação da família. O filme também não se ocupa da política, da corrupção e das várias faces da “dívida social” brasileira.

Por sorte, no cenário do cinema nacional, Luiz Fernando Carvalho e Selton Mello não são exemplos únicos de cineastas que trafegam na contracorrente. Apenas na geração do segundo é possível citar as realizações de Matheus Nachtergaele (A festa da menina morta, um longa que sangra a cada cena) e Kleber Mendonça Filho (Aquarius, a ficção que é um documentário sobre sua época) como exemplos de realizadores que de fato têm algo a dizer e sabem fazê-lo.

Em tempo: Selton Mello dedica O filme da minha vida a seus pais. E essa dedicatória soa como uma bela homenagem de um menino artista que aprendeu a ser um homem de cinema.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA