Oscar revela tendência de investimento em histórias verdadeiras

Entrega do mais cobiçado prêmio do cinema mundial será na noite deste domingo

por Carolina Braga 02/03/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
(foto: Divulgação)
Logo nos primeiros segundos de Trapaça, um aviso: “Algumas coisas daqui aconteceram de verdade”. O recado não é exclusividade do filme de David O. Russell. E não importa a época. Pode ter iniciado dentro de um hotel em Nova York em 1978, no interior da Inglaterra na década de 1950, na época em que o vírus HIV aterrorizou a sociedade nos anos 1980, em fazendas americanas por volta de 1850 ou mesmo em alto mar, já no século 21.

 

NÃO PERCA: Hoje, no portal Uai, cobertura em tempo real da entrega do Oscar


Se há algo homogêneo entre os filmes que disputam hoje à noite o principal prêmio da indústria do cinema, é que a realidade, em 2014, teve peso de ouro. Mas as coincidências param por aí. A cerimônia no Dolby Theater, em Los Angeles, vem sendo comentada como uma das mais equilibradas dos últimos anos. Há também um fato histórico: a despedida da película.

É bem provável que já no ano que vem as produções rodadas em celuloide façam parte do passado do Oscar. Entre os concorrentes de hoje, somente 12 anos de escravidão e Capitão Phillips escaparam da captura digital. Gravidade, Ela e Nebraska foram feitos 100% com essa tecnologia. Em O Lobo de Wall Street, Martin Scorcese escolheu um caminho misto. O momento é de transformação.

Por mais que a tecnologia seja protagonista dos bastidores, o volume de histórias reais entre os concorrentes chama a atenção para certa humanização das histórias contadas pelas lentes de Hollywood. Seis entre os nove concorrentes a melhor filme se baseiam em histórias vividas por cidadãos comuns.

Trapaça narra o trambique armado por um agente do FBI no fim da década de 1970. O Lobo de Wall Street traz o caso do especulador da bolsa de valores Jordan Belfort. Philomena trata da busca real de uma senhora inglesa pelo filho desaparecido. 12 anos de escravidão é adaptação do relato verídico de um negro liberto que é raptado e tratado como escravo. Capitão Phillips leva para a tela a violência da pirataria em pleno século 21 e, por fim, Clube de compras Dallas tem como personagem central o eletricista homofóbico Ron Woodrof, que nos anos 1980 passou a vender medicamentos para infectados pelo vírus HIV.

Seria até engraçado que depois de tanta “verdade” em cena, a estatueta fosse justamente para a trama de ficção científica, Gravidade, de Alfonso Cuarón, o único blockbuster da lista. Correm por fora o drama futurista Ela, de Spike Jonze, e Nebraska, de Alexander Payne. “Sempre digo que a Academia é igual ao Clube XV de Novembro do interior paulista”, brinca o crítico Rubens Ewald Filho, que será o comentarista da transmissão da entrega de prêmios hoje à noite, pelo canal pago TNT.

No alto da experiência da cobertura de mais de 30 cerimônias, ele está cansado de saber que bolsas de apostas e enquetes na internet não passam de achismo. O que tem norteado quem curte as brincadeiras de futurologia nos últimos anos são os prêmios entregues pelos sindicatos especializados. São quatro guilds: atores, diretores, roteiristas e produtores, este importante sinalizador para a estatueta de melhor filme.

Ano passado, entre as principais categorias, só não houve coincidência entre o Oscar e os prêmios dos sindicatos para melhor roteiro adaptado. E sabem o porquê da coincidência? A votação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood tem, majoritariamente, os mesmos votantes dos sindicatos.

Nas categorias especializadas a votação é segmentada. Ou seja, diretores votam em diretores, figurinistas nos melhores figurinos e assim por diante. O grande diferencial – e responsável por assegurar a surpresa na grande noite, é justamente a última estatueta a ser anunciada: a de melhor filme. Todo mundo vota nessa categoria. Os jurados ordenam, de um a nove, os seus favoritos. O vitorioso sai da média das listas dos membros da academia com direito a voto. Este ano, pela primeira vez, o Sindicato dos Produtores registrou um empate entre 12 anos de escravidão e Gravidade.

 

Em 2014, Hollywood não deu muita bola para a produção da América Latina. Todos os indicados ao prêmio de melhor filme em língua estrangeira vieram do outro lado do Atlântico. O irônico italiano A grande beleza desponta como o favorito na disputa, que também tem o dinamarquês A caça, o belga Alabama Monroe, o cambojano A imagem que falta e Omar, da Palestina. A grande beleza está na dianteira com o Globo de
Ouro e o Bafta, entregue pela academia britânica.


Os mais indicados


• Trapaça e Gravidade concorrem a 10 prêmios
• 12 anos de escravidão a 9
• Nebraska e Clube de compras Dallas a 6
• Ela, O Lobo de Wall Street e Capitão Phillips a 5
• Philomena a 4
• Blue Jasmine e O hobbit: a desolação de Smaug a 3


Volta de Ellen


Já que o humor de Seth MacFarlane não funcionou muito bem no ano passado com a facção mais tradicional da Academia, agora será a vez de Ellen Degeneris passar pelo rigoroso posto de apresentadora do Oscar 2014. Será a segunda vez dela à frente da cerimônia. A primeira foi em 2007. Na lista de quem vai anunciar os prêmios estão 43 artistas. Desde os tradicionais vencedores do ano passado, como Jennifer Lawrence, Viola Davis e Christoph Waltz, até os figurões Samuel L. Jackson, Angelina Jolie, Bill Murray e Will Smith.


Heróis


A produção da cerimônia deste ano mais uma vez fica a cargo de Craig Zadan e Neil Meron. Obviamente, eles prometem surpresas. Uma delas diz respeito diretamente ao tema “os heróis do cinema”. Ele não deve envolver somente os super-heróis, mas também personagens como Erin Brockovich, Harry Potter e mesmo Nelson Mandela, que certamente receberá várias homenagens.


Pop stars


O palco do Dolby será ocupado por estrelas do mundo pop. U2 é favorito com Ordinary Love, da trilha de Mandela, mas tem pela frente Pharrell Williams, com Happy, de Meu malvado favorito 2. As outras concorrentes são Karen O, que vai cantar The moon song, da trilha de Ela, e Idina Menzel, responsável pela interpretação de Let it go, de Frozen – uma aventura congelante, cotadíssimo ao Oscar de melhor animação. 

 

Veja a lista dos indicados:

 

» Filme
• 12 anos de escravidão
• Capitão Phillips
• Clube de compras Dallas
• Ela
• Gravidade
• Nebraska
• O Lobo de Wall Street
• Philomena
• Trapaça

» Diretor
• Alexander Payne (Nebraska)
• Alfonso Cuarón (Gravidade)
• David O. Russell (Trapaça)
• Martin Scorsese (O Lobo de Wall Street)
• Steve McQueen (12 anos de escravidão)

» Atriz
• Amy Adams (Trapaça)
• Cate Blanchett (Blue Jasmine)
• Judi Dench (Philomena)
• Meryl Streep (Álbum de família)
• Sandra Bullock (Gravidade)

» Ator
• Bruce Dern (Nebraska)
• Chiwetel Ejiofor (12 anos de escravidão)
• Christian Bale (Trapaça)
• Leonardo DiCaprio (O Lobo de Wall Street)
• Matthew McConaughey (Clube de compras Dallas)

» Ator coadjuvante
• Barkhad Abdi (Capitão Phillips)
• Bradley Cooper (Trapaça)
• Jared Leto (Clube de compras Dallas)
• Jonah Hill (O Lobo de Wall Street)
• Michael Fassbender
(12 anos de escravidão)

» Atriz coadjuvante
• Jennifer Lawrence (Trapaça)
• Julia Roberts (Álbum de família)
• June Squibb (Nebraska)
• Lupita Nyong'o (12 anos de escravidão)
• Sally Hawkins (Blue Jasmine)

» Canção original
• Happy (Meu malvado favorito 2)
• Let it go (Frozen – Uma aventura congelante)
• Ordinary love (Mandela)
• The moon song (Ela)

» Roteiro adaptado
• 12 anos de escravidão
• Antes da meia-noite
• Capitão Phillips
• O Lobo de Wall Street
• Philomena

» Roteiro original
• Blue Jasmine
• Clube de compras Dallas
• Ela
• Nebraska
• Trapaça

» Longa de animação

• Ernest & Celestine
• Frozen – Uma aventura
congelante
• Meu malvado favorito 2
• Os croods
• The wind rises

» Documentário em longa-metragem

• 20 feet from stardom
• Cutie and the boxer
• Dirty wars
• The act of killing
• The square

» Filme estrangeiro
• A caça (Dinamarca)
• A grande beleza (Itália)
• Omar (Palestina)
• Alabama monroe (Bélgica)
• A imagem que falta (Camboja)

» Fotografia
• Gravidade
• Inside Llewin Davis: balada de um homem comum
• Nebraska
• O grande mestre
• Os suspeitos

» Figurino
• 12 anos de escravidão
• O grande Gatsby
• O grande mestre
• The invisible woman
• Trapaça

» Documentário em curta-metragem

• Cave Digger
• Facing fear
• Karama has no walls
• Prison terminal: the last days of private Jack Hall
• The lady in number 6: music saved my life

» Montagem
• 12 anos de escravidão
• Capitão Phillips
• Clube de compras Dallas
• Gravidade
• Trapaça

» Maquiagem e cabelo
• Clube de compras Dallas
• O cavaleiro solitário
• Vovô sem-vergonha

» Trilha sonora
• A menina que roubava livros
• Ela
• Gravidade
• Philomena
• Walt nos bastidores de Mary Poppins

» Design de produção

• 12 anos de escravidão
• Ela
• Gravidade
• O grande Gatsby
• Trapaça

» Animação em curta-metragem
• Feral
• Get a horse!
• Mr. Hublot
• Possessions
• Room on the Broom

» Curta-metragem (Live action)

• Aquel no era yo
• Avant que de tout perdre
• Helium
• Pitääkö mun kaikki hoitaa?
• The voorman problem

» Edição de som

• Até o fim
• Capitão Phillips
• Gravidade
• O grande herói
• O hobbit – A desolação
de Smaug

» Mixagem de som
• Capitão Phillips
• Gravidade
• Inside Llewin Davis: balada de um homem comum
• O grande herói
• O hobbit – A desolação
de Smaug

» Efeitos visuais

• Gravidade
• Homem de Ferro 3
• O Cavaleiro Solitário
• O hobbit – A desolação de Smaug
• Star trek – Além da escuridão

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA