Sucesso na TV e nos palcos, Marieta Severo se prepara para estrear novo filme

Atriz confessa que não se apega aos papéis que faz, deixa as personagens para trás e segue. Em breve, ela estará nas telonas com a comédia "Vendo ou alugo"

por Walter Sebastião 07/04/2013 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias
"O único lugar em que o ator é soberano é no teatro. Como no cinema ninguém faz nada sozinho, você está sempre na dependência de outras pessoas" (foto: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias)
Quando se diz o nome Carlota Joaquina de Bourbon, da arrogante mulher de dom João VI, ele puxa, na memória, uma face: a de Marieta Severo, no filme 'A princesa do Brasi'l (1995), de Carla Camurati. A atriz, avessa a nostalgia, reconhece que foi momento especial da carreira. “Tenho orgulho de ter feito o filme ao lado de Marco Nanini. Mas os méritos são da diretora”, observa. “Carla venceu todas as adversidades. É um exemplo da capacidade do brasileiro de transformar dificuldades em criatividade”, garante, satisfeita pelo fato de o longa ser apontado, ainda hoje, como início do encontro entre público e cinema nacional.

Marieta Severo estará até maio, de volta às telas de cinema com 'Vendo ou alugo', de Betse de Paula. É a história de bisavó, mãe e filha, que, depois de viver sem se preocupar com nada, têm de vender a casa para pagar dívidas. 

É o 38º longa da atriz, em carreira iniciada em 1965. Que começou na tela grande, com o teatro e antes da televisão – a primeira das 22 novelas é de 1966, foi 'O sheik de Agadir'. “Foi ótimo ter feito os filmes, queria estar nos projetos, mas, em alguns deles, apenas estou no filme. Personagens expressivos não foram tantos assim”, observa. “Com o tempo, fui ficando mais seletiva”, conta. 

“O cinema fez parte da minha formação cultural. Sou de uma geração cuja cabeça foi feita pelo cinema”, afirma Marieta Severo. Criança, ela adorava as chanchadas. A escola era na mesma rua onde funcionava famoso cinema de arte do Rio de Janeiro (o Paisandu) e a atriz matou aulas para ir a sessões. Foi barrada, por não ter a idade exigida, ao tentar ver 'A fonte da donzela', de Ingmar Bergman. Adolescente, viu, e ficou impressionada, com 'Deus e diabo na terra do sol', de Glauber Rocha, e 'Vidas secas', de Nelson Pereira dos Santos. Jovem, curtiu filmes de diretores cultuados, como Fellini, Luiz Bunuel, Lucchino Visconti e Antonioni, entre outros.

Valor cultural

Astrosemrevista.blogspot.com.br/Reprodução
Em 1966, com Leila Diniz, a estreia na TV, na novela 'O sheik de Agadir' (foto: Astrosemrevista.blogspot.com.br/Reprodução)
“Fui formada pelo Cinema Novo”, afirma Marieta Severo. Eram filmes, ela recorda, que traziam um Brasil distante, com contundência e de modo artisticamente forte. “Havia a luta para estabelecer o cinema brasileiro entre o público, como um valor cultural e para criar um indústria cinematográfica. Não era utopia, porque os diretores criaram filmografia consistente”, observa, apontando aspecto que fortalecia o projeto. “Tinha admiração profunda pela inteligência, criatividade e batalha dos diretores. Era idealismo não só no sentido de fazer o melhor cinema, mas também de ter olhar atento para o país”, explica.

O encanto com o Cinema Novo responde por dor de cotovelo que Marieta Severo não esquece: convidada pelo diretor Joaquim Pedro para fazer 'Macunaíma', não aceitou porque tinha outros compromissos. Se arrepende até hoje. “O bom é hoje, antes havia ditadura”, afirma, lembrando que viver no Brasil dos anos 1970 não foi fácil. Não se esquece, ainda, do confisco da poupança, no governo Collor, no início dos anos 1990. “Fez com que a produção de 100 filmes ao ano caísse para um”. Não tem saudades dos personagens que interpretou. “ Não sou eu. Tomo distância e deixo para trás”, conta.

Muitas ideias

Europa Filmes/Divulgação
Agora, com Marcos Palmeira, na "compedia incorreta" 'Vendo ou alugo', que estreia em maio (foto: Europa Filmes/Divulgação)
“Como atriz e espectadora vejo com muita atenção a produção contemporânea, os jovens realizadores. É um pessoal cheio de ideias que vem alimentando o cinema brasileiro”, observa Marieta. “Eles têm feito filmes que serão fundamentais para uma história do cinema brasileiro ainda a ser escrita”, defende a atriz.

Um exemplo, aponta, é 'O som ao redor', de Kleber Mendonça. A atriz adora cinema, mas não pensa em dirigir filmes. “É complicação enorme. Teatro já é uma loucura”, afirma. O próximo projeto é volta aos palcos com a peça 'Incêndios', do libanês Wajdi Moua Wad.

Três perguntas para...

Marieta Severo - atriz

Você pode falar de Vendo ou alugo, seu novo filme?

Ainda não vi o filme. Gosto de assistir com o público. O que estou adorando é ser comédia politicamente incorreta, com personagens irresponsáveis, mais ou menos da minha geração, gente que buscou os prazeres da vida sem se preocupar com mais nada. Me atraiu muito. É bom provocar, mexer um pouco com as coisas, criar marolas. É muito divertido.

Você pode falar como é o cinema para o ator?

Um bom roteiro já é possibilidade enorme de bom filme. Mas até o último corte tem surpresas. Às vezes, você pensa: acertei. E na edição picotam de tal jeito, não colocam uma piada no timing certo, e acabam com tudo o que você fez. O único lugar em que o ator é soberano é no teatro. Como no cinema ninguém faz nada sozinho, você está sempre está na dependência de outras pessoas. Claro que se ganho um belo close, bem iluminado, com bom ângulo, traz vaidade, tem o seu valor, mas não é o objetivo. Uma atuação que você não considera boa, por outro lado, é motivo de dor grande, você sai do cinema machucado. Pode-se, ainda, estar enorme na tela de cinema, mas fazendo algo fraco, ruim, e estar na tela “pequena” da TV com força e em papel expressivo.

Como você vê o cinema brasileiro hoje?

Artisticamente, que é o mais importante, temos filmes para todos os públicos. E temos de respeitar todas as opções, porque é assim que se cria elo sólido do público com o cinema do Brasil. Há roteiros interessantes, com histórias boas e bem contadas. Houve apuro, conquistas técnicas, produto de trabalho grande e bem-sucedido, para ganhar a confiança do público. Hoje, já se escolhe ver um filme por ser produção nacional. Tínhamos, em outros tempos, problemas como o som ruim, que trazia preconceito com a nossa produção. Minhas filhas discutiam comigo e diziam que eu só tinha gostado de um certo filme por ser brasileiro. E realmente minha torcida para que tudo desse certo era muito grande. Um problema é as produções não terem a distribuição que merecem.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA