'As sessões' leva para a tela o drama vivido pelo escritor e poeta Mark O'Brien

Longa do diretor polonês Ben Lewin concorre ao Oscar na categoria Melhor Atriz

por Ailton Magioli 15/02/2013 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fox Searchlight/Divulgação
Helen Hunt e John Hawker estão conquistando público e crítica por suas interpretações (foto: Fox Searchlight/Divulgação)
Verdade que fica difícil não se tocar diante da trama. Mas o que tinha tudo para se tornar um dramalhão acaba resultando em comovente abordagem da questão afetivo-sexual das vítimas da poliomielite.

Mesmo diante da fartura de diálogos, o maior achado de As sessões, do diretor Ben Lewin, reside nas pausas e silêncios, responsáveis pela riqueza de expressões do protagonista. Para se ter uma ideia do trabalho desenvolvido por dele, basta dizer que o ator John Hawker passa o filme inteiro deitado.

Em trama em que a própria trilha sonora se resume à música incidental, As sessões narra a trajetória do escritor e poeta Mark O’Brien, que, ao contrair poliomielite na infância, perde os movimentos do corpo, do pescoço para baixo.

Vivendo dentro de um aparelho chamado por ele mesmo de “pulmão de aço”, Mark surpreende pela altivez, que acaba transformando-o em objeto do desejo do público feminino, como se esclarece no fim.

A presença de um ajudante na rotina do rapaz (de 40 anos) é essencial, como lembra o próprio Mark. Já no início, ele relata que vive um constante “jogo de poder” com seus auxiliares, não por acaso, na maioria das vezes, mulheres.

A cada seleção de uma nova candidata, no entanto, ele diz se sentir “um antropólogo entrevistando canibais”. Exageros à parte, o escritor, que é católico, passa os dias entre o trabalho e as visitas à igreja onde, além de se confessar, vive conversando com o padre Brendan (William H. Macy), seu amigo.

Virgem, com o “consentimento” do próprio padre ele passa a frequentar uma terapeuta sexual, que lhe indica os serviços de uma especialista em exercícios de consciência corporal, o que vai iniciá-lo na vida sexual. 

A certa altura, o próprio Mark O’Brien descreve o quadro da virgindade vivida por ele como alvo de “uma miríade de sensações”. Consciente do próprio drama, nada escapa à hipersensibilidade do personagem, que cativa o público do início ao fim da trama. Praticamente centrado no trio de atores formado por John Hawker, Helen Hunt e William H. Macy, As sessões é uma lição de humanidade em um mundo movido pelo consumo e por banalidades.

PRÊMIOS
 
Distinguido no Sundance Film Festival com o prêmio especial do júri, o longa-metragem de Ben Lewin, que antes fez Um golpe de sorte e Georgia, entre outros, também ganhou o prêmio de melhor longa de público no mesmo Sundance e no Festival de San Sebastian, além ter integrado a programação do Festival do Rio, do ano passado. Helen Hunt concorre ao Oscar de atriz coadjuvante (venceu no Hollywood Film Festival e em outros festivais norte-americanos menores).
 
Assista ao trailer de 'As sessões':
 
 


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA