Cine Humberto Mauro exibirá filmes importantes esnobados pelo circuito comercial de BH

Produções de destaque de vários países estão programadas, com ingressos a R$ 5 e R$ 2,50

por Ailton Magioli 04/02/2013 10:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 (Christian Hartmann/Reuters)
Diretor do longa-metragem 'Minha felicidade', o russo Sergei Loznitsa chamou a atenção do mundo no Festival de Cannes (foto: (Christian Hartmann/Reuters))
Na tentativa de suprir a demanda reprimida por produções autorais no circuito da capital mineira, a Fundação Clóvis Salgado (FCS) volta a promover a mostra 'Passou batido'. Até dia 28, no Cine Humberto Mauro, o público poderá conferir filmes que não foram exibidos ou tiveram lançamento tímido em BH.

“A programação comercial predomina em Belo Horizonte, cidade das salas de shopping. O circuito alternativo ficou restrito aos cines Belas Artes e 104”, constata Rafael Ciccarini, gerente de cinema da FCS.

A mostra ganhou a palavra inéditos em seu título. Isso significa que a programação terá pelo menos 10 filmes que não foram exibidos na cidade. Promovida há cerca de cinco anos, até então ela se dedicava a produções que ficaram poucos dias em cartaz.

Diante do que Rafael Ciccarini classifica de “piora” do circuito exibidor – praticamente monopolizado pelo cinema comercial –, o evento passou a ganhar mais títulos e a estender sua programação.

Ciccarini conta que foi duas vezes ao Festival de Cannes, na França, em busca de distribuidoras de filmes que não costumam interessar ao circuitão. Desta vez, ele exibirá produções de destaque, como os longas russos 'Minha felicidade', de Sergei Loznitsa (que “balançou” Cannes, segundo o curador), e 'Fausto', de Aleksandr Sokurov, além do documentário chinês 'Memórias de Xangai', de Jia Zhang-Ke.

Nacional

 

Entre os filmes brasileiros da mostra 'Inéditos/Passou batido' ele cita 'O som ao redor', do pernambucano Kleber Mendonça. Surpreendentemente, o longa permanece em cartaz no circuitão de BH, embora com apenas uma sessão no Cine 104. A premiada produção será apresentada nos dias 20, 23 e 28.

Rafael Cicarini destaca também 'Doméstica', de Gabriel Mascaro, e o longa 'Na carne e na alma', o último lançamento do diretor Alberto Salvá (1938-2011).

Polêmica

Lançado em 2011, o iraniano 'Isto não é um filme' chamou a atenção entre as recentes produções do cinema político. Em 2010, o diretor Jafar Panahi (foto) foi proibido de deixar o Irã pelo governo Mahmud Ahmadinejad, impedido de filmar ou sair de casa por ter se disposto a registrar cenas da revolta popular contra a reeleição do presidente, em 2009. O longa mostra o dia a dia do cineasta em sua prisão domiciliar e tem Mojtaba Mirtahmasb como coautor. Panahi é artista aclamado. Em 2010, ele venceu o Festival de Cinema de Veneza com O círculo.

MOSTRA INéDITOS/PASSOU BATIDO BH
Até dia 28. Cine Humberto Mauro do Palácio das Artes, Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro. Ingressos: R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia-entrada). Informações: (31) 3236-7400.

CONFIRA

Segunda-feira
17h – Drive, de Nicolas Winding Refn (EUA, 2011)
19h – Luz nas trevas, a volta do Bandido da Luz Vermelha, de Helena Ignez (Brasil, 2010)
21h – A vida útil – Um conto de cinema, de Federico Veiroj (Brasil, 2010)

Terça-feira
17h – Doméstica, de Gabriel Mascaro (Brasil, 2012)
19h – Hahaha, de Hong Sang-soo (Coreia do Sul, 2010)
21h – O porto, de Aki Kaurismäki (Finlândia/França/Alemanha, 2011)

Quarta-feira
17h – Na carne e na alma, de Alberto Salvá (Brasil, 2011)
19h – Um verão escaldante, de Phillipe Garrel (França/Itália/Suíça, 2011)
21h – Fausto, de Aleksandr Sokurov (Rússia, 2011)

Quinta-feira
19h30 – Éden, de Bruno Safadi (Brasil, 2012)
21h – Isto não é um filme, de Jafar Panahi e Mojtaba Mirtahmasb (Irã, 2011)

Sexta-feira
17h – Oslo, 31 de agosto, de Joachim Trier (Noruega, 2011)
19h – Memórias de Xangai, de Jia Zhang-ke (China/Holanda, 2010)
21h15 – Onde Borges tudo vê, de Taciano Valério (Brasil, 2012)

Sábado
16h – Minha felicidade, de Sergei Loznitsa (Alemanha/Ucrânia/Rússia, 2010)
18h15 – Anistia, de Buyar Alimani (Albânia/Grécia/França, 2011)
20h – Sudoeste, de Eduardo Nunes (Brasil, 2011)

Domingo

16h – Habemus Papam, de Nanni Moretti (França/ Itália, 2011)
18h – A vida útil – Um conto de cinema, de Federico Veiroj (Uruguai/ Espanha, 2010)

Confira programação completa em www.fcs.mg.gov.br

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA