Filme 'Vertigem branca', com Cecília Bizzoto, é exibido na Mostra de Tiradentes

Atriz foi assassinada em outubro do ano passado em Belo Horizonte

por Carolina Braga 22/01/2013 11:14

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
 (Beto Magalhães/EM/D.A Press)
Cecília Bizzoto em cena do filme Vertigem branca (foto: (Beto Magalhães/EM/D.A Press))
Tiradentes – Sessões extras são raridade na apertada grade de exibições da Mostra de Cinema de Tiradentes, mas, graças aos pedidos do público, 'Vertigem branca', trabalho experimental de Breno Silva, Dellani Lima e Simone Cortezão, foi exibido duas vezes no Centro Cultural Yves Alves.

A emoção marcou essa estreia. Extremamente poético, o longa tem no elenco Cecília Bizzoto, assassinada em outubro em Belo Horizonte. “Trabalhamos juntos há muito tempo. Como atriz e produtora, ela bancou o filme, bancou minha vida algumas vezes. É difícil a Cecília não estar aqui. Exibir esse filme é o único presente que posso dar para os atores”, disse Dellani Lima.

O experimentalismo também marca o documentário 'Otto', do diretor Cao Guimarães. Nesse longa, ele acompanha a gestação do próprio filho. O tratado poético sobre o ciclo da vida é uma declaração de amor à família. “O filme aborda coisas do cotidiano. A bolha, a espuma do mar, coisas a que não damos muita confiança. As imagens ficaram muito bonitas na tela”, comentou o estudante Rafael Modesto. “Gostei, mas achei lento”, afirmou a espectadora Bárbara Bellone.

Um trabalho sobre a afetividade que se distancia da estética do real. Assim o crítico Denílson Lopes definiu 'Doce Amianto' na abertura de debate sobre o longa. O filme dos cearenses Guto Parente e Uriá dos Reis foi ovacionado, ainda que tenha confundido a plateia. “Fiquei meio dividida. Vou participar da discussão para saber se o que entendi é mesmo a proposta do diretor”, comentou a tradutora Clarice Goulart. O longa narra a desilusão amorosa de Amianto, travesti isolado em seu mundo de fantasia. “O roteiro se inspirou em poema que escrevi para um amigo que morreu. Tive vontade de pensar aquela história de maneira mais divertida”, contou Uriá.

O destaque desta terça-feira será a participação de curadores de festivais internacionais no debate sobre o olhar estrangeiro sobre o cinema brasileiro.

>> A repórter viaja a convite da produção do evento


>>> PROGRAMAÇÃO

TERÇA_FEIRA
>> Cine-Teatro
14h30 – Seminário Um olhar sobre o cinema brasileiro

>> Cine Tenda
16h – Mostra Transições: Sinais de cinza, filme de Henrique Dantas (BA)
18h – Curtas: A voz do poço, Cidade postal, Os invasores e As órbitas
19h30 – Mostra Aurora: Matéria de composição, filme de Pedro Aspahan (MG)
22h30 – Curtas: Pouco mais de um mês, Meu amigo mineiro, Alguém no futuro e Frineia

>> Cine Praça
21h – Curtas: Vestido de Laerte, Feijoada completa, Luiz poeta e Volte sempre

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA