Nova saga baseada na obra de Tolkien, O hobbit: uma jornada inesperada estreia nesta sexta em todo o Brasil

Filme inaugura nova tecnologia em 3D e chega com safra de livros e games

por Carolina Braga 13/12/2012 09:09

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
(MGM Pictures/Divulgação)
Martin Freeman, que interpreta Bilbo Bolseiro, em cena de O hobbit: uma jornada inesperada, dirigido por Peter Jackson (foto: (MGM Pictures/Divulgação))
Era uma época em que as línguas e as letras eram muito diferentes das que conhecemos. As criaturas também. Hobbits, elfos, orcs, trolls, anões. Ainda assim, por mais distante que a realidade da Terra Média seja do nosso mundo, o interesse pelo universo fictício criado por J. R. R. Tolkien nunca perdeu força. Nove anos depois do lançamento do último filme da trilogia O senhor dos anéis, fuzuê de lançamentos em torno da estreia de O hobbit: uma jornada inesperada, amanhã, prova que ainda há muito por vir. Veja mais imagens de O Hobbit! Pelos próximos três anos, dezembro será mês de O hobbit no cinema. A primeira parte da segunda trilogia dirigida por Peter Jackson chega com novidades, principalmente tecnológicas. Além de O hobbit: uma jornada inesperada ter exibição em 3D, em algumas salas será projetado com 48 quadros por segundo. Que diferença isso faz? Bem, é uma nitidez de imagem que se aproxima ao que o olho humano enxerga no dia a dia. No cinema, normalmente, essa marca é de 24 quadros por segundo. Em defesa da tecnologia, Peter Jackson garante que os 48 são capazes de permitir que o 3D quase alcance seu potencial completo. Em Belo Horizonte, a novidade estará disponível apenas em três salas – no BH Shopping, no Pátio Savassi e no Diamond. As primeiras sessões já estão esgotadas. “Acho uma vaidade desnecessária, mas já que foi um recurso que adicionaram ao filme, vai ser muito bem-vindo”, diz o engenheiro Breno Henrique Pinheiro. De fato, quando se trata da obra de Tolkien, como os fãs conhecem os livros em seus mínimos detalhes, a tecnologia usada para levá-los ao cinema passa a ser coadjuvante, ainda que desperte curiosidade. “Acho que o fato de ser em 3D será a questão mais impactante”, avalia o analista Edson William Souza.
Marcos Vieira/EM/D.A Press
A estudante Driel Souza de Siqueira já assistiu 17 vezes à triologia O senhor dos anéis e tatuou no pulso uma frase em runas (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
A estudante de letras Driel Souza de Siqueira não esconde a emoção com a espera. Quando tinha 14 anos ganhou o livro de presente de uma amiga. “Amei. É o meu preferido. A partir dele fui me entregando. É a paixão da minha vida”, confessa. Deve ser mesmo. Para se ter uma ideia, ela tem uma frase escrita em runas e também o símbolo de Tolkien tatuados no corpo. Além disso, ela viu cada um dos filmes da trilogia O senhor dos anéis 17 vezes. Isso significa, mais ou menos, seis dias e meio dedicados às aventuras de Frodo e companhia. “A maneira como o Tolkien construiu a Terra Média, criou os mapas, línguas e raças diferentes é tão distinta da nossa realidade que vivemos a sensação de entrar em outro mundo. Quem é fã se perde por aí”, garante. Muito antes de O hobbit chegar às telonas, Driel e a multidão de seguidores da Terra Média acompanharam cada detalhe da produção. Ao longo do processo de filmagem foram lançados 10 vídeos com os detalhes de bastidores. Por aí, os aficionados já sabem o que esperar. “Confio no Peter Jackson porque ele fez um trabalho extraordinário com O senhor dos anéis. Não acreditava que alguém conseguiria fazer um trabalho tão bom. Ele soube enfatizar as partes importantes”, comenta Driel. Junto com o filme também chegam ao mercado games baseados no roteiro, livro ilustrado, reedições de O hobbit, interpretações de outros autores sobre o universo criado por Tolkien e até um livro que busca extrair filosofia do enredo fantástico criado pelo escritor. Fã do inglês desde os 11 anos, o estagiário de programação Newton Soares da Silva Júnior só aumenta a coleção. Só de O hobbit tem três exemplares, sendo um no idioma original. “Também tenho a caixa de O senhor dos anéis e os livros avulsos. Fico receoso de ler autores secundários, porque são apenas opiniões e já tenho a minha. Li a obra inteira”, completa. Tecnologia faz a diferença

J. R. R. Tolkien escreveu O hobbit antes de O senhor dos anéis, mas os primeiros minutos do filme de Peter Jackson dão a impressão de se tratar de uma continuação da trilogia anterior. O encontro de Frodo com os mistérios de Bilbo Bolseiro é, na verdade, bom recurso para inserir o filme na série, independentemente da cronologia. Digamos que seria uma aulinha básica sobre os meandros da Terra Média, necessária para quem acompanha ou não a saga desde 2001. Como serão três filmes de um livro, o diretor e roteirista teve tempo – e espaço –, para trabalhar melhor a narrativa. Não há lentidão em O hobbit: uma jornada inesperada, ainda que Jackson tenha se permitido muito mais. É delicada a maneira como ele apresenta as inseguranças de Bilbo Bolseiro e, pouco a pouco, constrói ao ritmo da aventura a maturidade do personagem como aventureiro. Era previsível a ausência de surpresas no trabalho de interpretação do elenco, nas locações já conhecidas do público e também na direção de arte. Ainda assim, ficava a dúvida: será que Peter Jackson conseguiria se superar em matéria de recursos visuais? Por incrível que pareça, sim. Se a criação do precioso Gollun, lá em 2001, está marcada na história dos efeitos especiais do cinema, em O hobbit está ainda melhor. O mesmo vale para os movimentos de câmera. O hobbit: uma jornada inesperada é mais um exemplo de como o avanço da tecnologia pode ser usado a favor da magia do cinema. LIVROS >> O hobbit Feita a partir da quarta edição de The hobbit, publicada em 1991, o livro de J. R. R. Tolkien é reeditado no Brasil pela Martins Fontes. É a quinta edição nacional da obra. Como é comum com livros que ganham as telas, uma cena do filme estampa a nova capa. Em destaque vai a frase: “Agora também no cinema”. A tradução é de Lenita Maria Rímoli Esteves. Outras novidades nas lojas são: uma edição colaborativa dos 75 anos da primeira publicação – com direito a capa ilustrada pelo autor –, além de uma versão de luxo com capa dura. >> O hobbit: uma jornada inesperada – Guia ilustrado. Mais de 100 fotos do filme ilustram o guia, também lançado pela Martins Fontes. A obra organizada por Jude Fisher mostra a trajetória de Bilbo Bolseiro até as Terras Ermas. São retratados os personagens principais da obra, com pequena descrição sobre a personalidade de cada um deles. >> A sabedoria do Condado O livro de Noble Smith é uma espécie de manual para quem quiser conhecer mais sobre o estilo de vida dos hobbits. As criaturas inventadas por J. R. R. Tolkien vivem em confortáveis tocas, são apreciadoras da boa comida, do descanso merecido e da amizade. O autor faz um paralelo entre o modo de vida dos hobbits e a sociedade contemporânea. >> O hobbit e a filosofia Para os organizadores do livro, uma história fantástica pode conter muita sabedoria. Os autores buscam responder a questões como: O que significa possuir algo? Uma pessoa tem o direito de decidir o futuro de outra? O que significa fazer o bem? Como conquistar a liberdade? O livro faz parte da série Cultura pop, da Editora Best Seller. >> Mais Tolkien Aproveitando a onda levantada pelo filme, chegam às livrarias outras duas obras de J. R. R. Tolkien. Cartas do Papai Noel reúne justamente as mensagens e ilustrações que o escritor enviou aos filhos no papel do bom velhinho entre 1920 e 1947. Com desenhos do próprio Tolkien e escrito à mão, Sr. Bliss foi lançado na década de 1930. É um pequeno conto, também dedicado aos filhos do escritor. FILMES 2012 – O hobbit: uma jornada inesperada 2003 – O senhor dos anéis: a sociedade do anel 2002 – O senhor dos anéis: as duas torres 2001 – O senhor dos anéis: o retorno do rei GAMES

 

Paralelamente aos filmes, a aventura de Bilbo Bolseiro chega às telas de computadores, celulares e demais dispositivos móveis. Em parceria com a Warner Bros, a Kabam lança dois jogos eletrônicos baseados no roteiro do filme dirigido por Peter Jackson. O primeiro, The hobbit: armies of the third age é uma versão exclusiva para navegadores de internet. The hobbit: kingdoms of middle-earth foi feito exclusivamente para celulares.

Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA