Relação explosiva envolve casal em guerra dos sexos, mas naufraga em trama banal e roteiro monótono

Filme estreia nesta sexta-feira nos cinemas de BH

por Walter Sebastião 19/10/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Califórnia Filmes/Divulgação
Relação explosiva acaba não representando os gêneros que propõe: não é comédia nem filme de ação (foto: Califórnia Filmes/Divulgação)
 

 

Bonitão tosco (Dax Shepard), ex-delinquente, ex-piloto, apaixona-se por uma princesa (Kristen Bell), moça certinha, com doutorado em resolução não violenta de conflitos. E, para ajudá-la, arrisca a pele numa viagem até Los Angeles (EUA). Durante a viagem, o casal é perseguido por bandidos, policiais e ex-namorados. Enredo do filme Relação explosiva, dirigido por David Palmer e Dax Shepard, este também roteirista. Tudo no filme é sem graça, banal, monótono. E, pior, pretensioso. Veja mais fotos do filme Confira os horários das sessões

 

O longa começa com guerra de sexos na cama. Continua com trégua para alguns beijinhos em meio a “imprevistos.” E avança com viagem, tediosa, que naufraga em discussão da relação. Era para ser um filme romântico, mas não há romantismo que resista à galeria de chatos que o casal tem à sua volta (basicamente a turma mais sem sal daqueles filmes furiosos, velozes, implacáveis e afins). Quando eles tentam ser engraçadinhos, inclusive o casal de pombinhos, aí é que as coisas desandam de vez.

 

Relação explosiva deixa a sensação de muito, muito esforço, para reunir na tela o pior das situações e personagens de filmes sobre a família, comédias sobre divórcio e casamento (ou vice-versa), aventuras com lição de moral, novelas nerds etc. Nem os carros, que em filmes norte-americanos são sempre bacanas, se salvam. Com muita, muita boa vontade, e fechando os olhos, descobre-se que a trilha sonora é (ou parece ser) interessante.

 

Afirmações, pregadas nas imagens e textos do cartaz, de que o filme é de ação ou comédia são quase ofensivas aos dois gêneros. Ambos têm obras divertidas (caso daqueles com lutas acrobáticas, exageradíssimas, ou com perseguições amalucadas pelos mais diversos motivos).

 

O filme tem final feliz, mas tomara que o casal de protagonistas vá morar longe dos familiares, dos amigos do noivo, dos colegas de departamento da noiva, de seus protetores etc. Filmes melhores passam todo dia na TV. Assista ao trailer do filme:



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA