36.ª Mostra de SP vai exibir 350 filmes de 60 países

Títulos serão distribuidos em 28 salas de exibição da capital paulista, em 14 dias de festival

por Agência Estado 17/10/2012 16:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
É um momento especial da história da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Por 35 anos, o maior evento de cinema da cidade - precursor da luta contra a censura e do reconhecimento dos filmes de arte como parcela significativa do mercado - teve um timoneiro, e ele foi Leon Cakoff, que morreu no ano passado. A 35.ª Mostra, por mais que Leon estivesse debilitado - morreu uma semana antes -, foi a última que ele produziu. A 36.ª Mostra que abre nesta quinta, 18, para convidados, tem nova direção. E a curiosidade é justamente saber como Renata Almeida imprimirá sua marca. Por 21 anos, desde a 13.ª Mostra, ela viveu à sombra de Cakoff. Foi colaboradora, mulher, escudeira - a mãe de seus filhos. Renata inaugura a Mostra de 2012 sob o signo da política, num momento em que ela dá o tom, na cidade e no País, com o debate para o segundo turno da eleição para prefeito e o julgamento do mensalão. No, de Pablo Larraín, com Gael García Bernal, é o candidato do Chile à indicação para uma vaga no Oscar. O filme trata da campanha política que deveria decidir sobre a permanência do general Pinochet no poder. O que parecia decidido - o ditador controlava a mídia e mantinha os demais poderes como fachada - ruiu sob uma campanha bem orquestrada, e que o filme recria. O mote dessa campanha é a volta da alegria ao Chile - a volta da alegria à Mostra, após o luto do ano passado? O cinéfilo paulistano, e de outras latitudes, mal pode esperar para se lançar na maratona de 350 títulos de 60 países, distribuídos por 28 locais de exibição. Na impossibilidade de ver tudo - nem com o dom da ubiquidade seria possível assistir a quase 30 filmes por dia, durante 14 dias -, o negócio é escolher. Há filmes para todos os gostos e tribos. A política continuará dando o tom em A Bela Adormecida, de Marco Bellocchio, sobre caso de eutanásia que dividiu a Itália; Depois da Batalha, de Yousry Nasrallah, sobre o movimento popular que levou à queda do regime de Hosni Mubarak; Indignados, de Tony Gatlif, sobre a exclusão social no mundo globalizado; Herança, de Hiam Abbass, que reflete sobre a condição dos palestinos no Oriente Médio; Reality, de Matteo Garrone, que enquadra a Itália pós(?)Silvio Berlusconi num reality show, etc. Os românticos vão encontrar o mais inesperado dos materiais em Liv ? O Som ao Redor, de Kleber Mendonça Filho; e Jards, de Eryk Rocha, são alguns dos filmes nacionais que você poderá ver. As melhores retrospectivas contemplam os russos Sergei Loznitsa e Andrei Tarkovski. O segundo fornece o cartaz e a vinheta do evento, por meio de imagens recolhidas da exposição de suas polaroides.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA