Totalmente inocentes faz sátira de filmes como Cidade de Deus

Paródia de filmes sobre tráfico em favelas cariocas fica só na intenção

por Sérgio Rodrigo Reis 07/09/2012 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paprica/Divulgação
Paródia do visual de Cidade de Deus não esconde a falta de boas ideias do longa de Rodrigo Bittencourt (foto: Paprica/Divulgação)
 
A intenção era fazer uma sátira bem-humorada de filmes consagrados do cinema nacional, como Cidade de Deus, de Fernando Meirelles, e Tropa de elite, de José Padilha. Para tanto, o diretor Rodrigo Bittencourt contou com elenco de peso, locações nos morros cariocas e a assinatura da Globo Filmes como parceira na divulgação. Teve condições, pelo menos é o que parece, de fazer algo divertido. Não é o que o público verá na tela em Totalmente inocentes. Veja mais fotos do filme Confira os horários das sessões
Na história, Da Fé, de 15 anos, e seu irmãozinho, Torrado, de 8, vivem na fictícia favela do DDC, onde o violento João do Morro acaba de tomar o poder do ex-chefe, a travesti Diaba Loira, e virar o novo dono do tráfico local. Da Fé tem uma paixão platônica por Gildinha, irmã mais velha de seu melhor amigo, Bracinho. Só que ela não tem olhos para ele e, para complicar a situação, começa a nascer o interesse da jovem pelo Do Morro, desde que virou o comandante do crime. No auge da sua inocência, Da Fé começa a achar que para conquistá-la tem que ser como o líder do crime. Daí em diante tenta, em vão, se enveredar pela bandidagem. A situação se complica quando as forças passam a disputar, não só o coração da jovem, como o comando da favela. 
O roteiro engraçadinho, as locações interessantes e os bons atores, como Fábio Porchat (Do Morro), Kiko Mascarenhas (o travesti Diaba Loira), Lucas D' Jesus (Da Fé) e Mariana Rios (Gildinha), além de astros globais, a exemplo de Fábio Assunção como o repórter Vanderlei, não conseguem segurar sozinhos uma história fraca em situações engraçadas. 
A exceção é a aparição de Ingrid Guimarães. Como Raquel, uma chefe de redação com atração despudorada pelo mesmo sexo, ela garante os melhores momentos do longa. Também merece destaque o garoto Lucas D' Jesus, que rouba boa parte das cenas com seu jeito malandro de tirar onda com os colegas. Fora isso, o filme termina sem mostrar a que veio. Assista ao trailer do filme:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA