Nova versão de O vingador do futuro traz ainda mais ação à telona

Colin Farrell encarna agente dividido entre duas musas e muitos inimigos

por Ana Clara Brant 17/08/2012 12:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Sony Pictures/Divulgação
(foto: Sony Pictures/Divulgação)
 

Douglas Quaid ou Carl Hauser? Um operário ou um agente do serviço de inteligência? Apaixonado por Lori ou Melina? Essas são perguntas que o personagem interpretado pelo ator Colin Farrell se faz todo o tempo no filme que estreia nesta sexta-feira, a nova versão de O vingador do futuro, nos anos 1990 protagonizada por Arnold Schwarzenegger. Se na produção original a história se passava em Marte, agora, se desenrola num planeta Terra dividido em dois territórios: a Federação Unida da Bretanha (FUB), espécie de Euroamérica, onde vivem os ricos e poderosos; e a Colônia, uma Nova Ásia, em que a maioria da população é menos favorecida.

Veja imagens do filme

 

Confira horários e salas de exibição

 

A coisa mais valiosa na Terra é o espaço e, por isso, a FUB quer invadir a Colônia e expandir seus domínios. No meio de toda essa disputa, Quaid/Hauser está perdido em seus pensamentos, sem saber quem é, o que faz e por que está sendo perseguido. Atormentado por pesadelos, um dia ele decide procurar a Rekall, companhia que transforma sonhos em memórias e tem o poder de alterar a mente. “Mexer com a mente não vale à pena”, avisa seu melhor amigo, Harry (Bokeem Woodbine). O conselho não é seguido, e o que se vê é um desenrolar de acontecimentos e muita ação, diga-se de passagem, além de efeitos visuais de encher os olhos. Dirigido por Len Wiseman (Anjos da noite e Duro de matar 4), O vingador do futuro é mais uma vez inspirado no famoso conto We can remember it for you wholesale, de Philip K. Dick. Quando esteve no Brasil, no mês passado, divulgando a produção, Colin Farrell declarou não temer comparações com o filme estrelado por Schwarzenegger. Disse também que, como a história é muito boa, poderia ser contada sob outro ângulo. “Gosto do fato de o filme comentar sobre questões que trazem reflexão como um governo patriarcal, um pequeno grupo de pessoas controlando um grande poder e indo contra a maioria. Já o que gosto mais em Douglas Quaid? Não sei! Porque ele não sabe quem ele é! Mas gosto de sua persistência, de sua busca. Ele está procurando saber quem realmente é, e isso é algo que todos fazemos. Todos nos perguntamos sobre as nossas vidas”, afirmou o irlandês ganhador de Globo de Ouro de melhor ator de comédia ou musical por seu papel em Na mira do chefe, de 2009. DUAS MUSAS

O elenco traz também duas das beldades mais carismáticas de Hollywood, a britânica Kate Beckinsale, que vive Lori, a esposa de Quaid, e que inclusive é casada com o diretor Len Wiseman, e a norte-americana Jessica Biel, intérprete da lutadora revolucionária Melina. Colin chegou a brincar com o fato de ser “disputado” por duas mulheres no longa e comentou que achou estranho beijar a mulher do diretor. “Mas não tem nenhuma cena muito explícita, eles são um casal frio. Só tem beijo de bom dia”, declarou entre risos. Bryan Cranston, muito bem aliás, no papel do chanceler Cohaagen, líder do mundo livre; Bill Nighy, que vive Matthias Lair, o chefe da resistência subterrânea; e John Cho (McClane), o vendedor de viagens virtuais que oferece a Quaid as férias dos sonhos, completam o casting. Kurt Wimmer, roteirista de obras variadas como Esfera, Equilíbrio e O novato, é o responsável pelo roteiro, que depois foi revisado por Mark Bomback e James Vanderbilt Recall ou real? A linha tênue entre fantasia e realidade está distorcida e o destino do mundo fica na balança enquanto Quaid descobre sua verdadeira identidade, seu verdadeiro amor e o seu destino. “É um clássico da ficção científica e certamente um filme que vai entreter e muito a plateia”, resume o astro.

 

Assista ao trailer de O vingador do futuro:



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA