Fernando Meirelles monta painel do mundo contemporâneo em 360

Filme do diretor brasileiro escala elenco internacional para contar histórias que se entrelaçam

por Ângela Faria 17/08/2012 09:43

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Magnolia Pictures/Divulgação
Jude Law e Rachel Weisz interpretam casal em crise (foto: Magnolia Pictures/Divulgação)
 
A globalização fez o mundo encolher. Viena, Bratislava, Denver, Paris e Rio de Janeiro estão logo ali, bem na esquina. Novo filme do diretor brasileiro Fernando Meirelles, 360 constrói um caleidoscópio de histórias embaralhando gente que ama, sofre e se angustia nesta Babel contemporânea. Uma coisa é certa: ninguém escapa da sina de escolher o próprio caminho – seja a prostituta eslovaca, a londrina infiel, o algeriano dividido entre a paixão e a fé, o rapaz americano preso por crime sexual, o infeliz casal russo ou os jovens brasucas ralando em Londres. 
 
 
 
Como Short cuts, clássico de Robert Altman, e Babel, dirigido por Alejandro González Iñárritu, 360 reúne personagens cujas vidas se entrelaçam. É sempre arriscado levar caleidoscópios assim para a tela, sob pena de o filme desandar, soando desigual, confuso e perdido. Fernando Meirelles encarou o risco. E defende enfaticamente sua parceria com o roteirista britânico Peter Morgan (Frost/Nixon e A rainha) das bordoadas da crítica inglesa.
Inspirado na peça La ronde, do austríaco Arthur Schnitzler (1892-1931), 360 não se prende a um personagem, nem prioriza uma entre as nove histórias. Juntá-las foi desafio para o diretor. Justiça seja feita: muito da harmonia do intimista painel de 360 se deve a duas pratas de nossa casa: à montagem de Daniel Rezende (Cidade de Deus, Tropa de elite e Diários de motocicleta) e à fotografia de Adriano Goldman (O ano em que meus pais saíram de férias e Cidade dos homens).
Em sua polifonia, a dupla Meirelles-Morgan não vende catarse, mas também não entrega pessimismo. Crônica da vida em trânsito, o filme traz muitas cenas em ruas, aeroportos, estações e quartos de hotel. Imagens fugidias pelas vidraças, trilhos cruzando a metrópole e sinais vermelhos remetem à onipresente sensação de deslocamento. 
 
O elenco traz nomes de ponta do mercado internacional – Jude Law, Rachel Weisz e Anthony Hopkins (dá show no papel de um velho pai em busca da filha desaparecida). Valoriza também artistas da Eslováquia (Lucia Siposová e Danica Jurová), República Tcheca (Gabriela Marcinkova), Rússia (Dinara Drukarova e Vladmir Vdovichenkov), Brasil (Maria Flor e Juliano Cazarré, o Adauto da novela Avenida Brasil), EUA (Ben Foster) e da França (Jamel Debbouze). Isso faz diferença: lembra-nos, a todo momento, de que o mundo não se resume a padrões, sejam eles hollywoodianos, europeus, asiáticos ou bollywoodianos.
Em 360, ouvimos inglês, francês, português, árabe, alemão, eslovaco e russo da boca de personagens que lutam para se entender. Como eles, estamos todos à deriva nesta imensa aldeia global. 
 
Assista ao trailer de 360:


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA