Mostra leva filmes de David Lynch, Almodóvar e Robert Altman ao Cine Humberto Mauro

Quinze filmes contemporâneos que reúnem elementos do gênero estarão em cartaz entre os dias 1º e 9 de agosto

por Agência Minas 31/07/2012 11:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
Cidade dos sonhos, de David Lynch, é um dos filmes exibidos pela mostra (foto: Divulgação)
Quinze filmes representantes do novo cinema noir estarão em cartaz no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, entre os dias 1º e 9 de agosto, dentro da mostra Cores do Noir, realizada pela Fundação Clóvis Salgado. Com curadoria do Gerente de Cinema da instituição, Rafael Ciccarini, longas-metragens de grandes nomes do cinema, como Robert Altman, David Lynch, Pedro Almodóvar, John Boorman e o francês Jean-Pierre Melville, estão na programação da mostra. A entrada para as sessões é gratuita, com retirada de ingressos na bilheteria do cinema meia hora antes do início. Cores do Noir leva ao Cine Humberto Mauro filmes do gênero dos mais variados segmentos. Há tanto longas famosos e consagrados em Hollywood da década de 1970, como filmes menos conhecidos dos últimos 50 anos da história do cinema. Estará em cartaz desde Amar foi minha ruína, de John M. Stahl – longa de 1945 considerado o primeiro noir colorido; até obras mais recentes, grandes representantes do “neo-noir” (nome dado às diversas obras modernas e contemporâneas que retomaram e atualizaram essa estética com o cinema em cores), como Los Angeles cidade proibida, longa de 1997, de Curtis Hanson – em uma evidente homenagem ao gênero, reunindo todas as características do filme noir; O perigoso adeus, de 1973, de Robert Altman – um dos exemplares de filmes noir mais relevantes dos anos 1970; e Blade Runner, longa de Ridley Scott de 1982 – filme que combina influências noir com ficção científica de maneira envolvente e instigante. Destaque, ainda, para títulos de cineastas conhecidos do grande público, como Cidade dos sonhos (David Lynch), Má educação (Pedro Almodóvar) e Chinatown (Roman Polanski). Para Rafael Ciccarini, “a mostra é uma boa oportunidade para o público assistir à produção noir, desde os primeiros coloridos do final da década de 1940, em conjunto”. E completa: “São filmes que mostram uma série de variações de perspectivas e nuances do gênero e mostram que a estética noir continua viva, pulsante e estimulante”. Sobre o cinema Noir A estética “noir” é uma das mais charmosas e míticas da história do cinema, tendo se tornado o preferido entre muitos cinéfilos do mundo. Marcado pelo clima de mistério, dúvida e ambiguidade, o cinema “noir” teve seu auge nos anos 1940 e 1950. Tem seus clássicos marcados pela fotografia em preto e branco – com destaque para o uso das sombras e do contraste entre o claro e o escuro –, e, atualmente, diversas obras modernas e contemporâneas retomam e atualizam com o cinema em cores, popularmente chamado de “neo-noir”. Serviço: Cores do Noir Data: 1° a 9 de agosto Local: Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena, 1.537 – Centro – Piso inferior) Entrada Gratuita

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE CINEMA