Rios de Minas inspiram 'Estuários', a nova exposição de Isaura Pena

Desenhos remetem ao traçado das bacias do São Francisco e do Rio das Velhas, além de árvores, raízes e outros elementos da natureza. Mostra está em cartaz na Celma Albuquerque Galeria de Arte

Pedro Galvão 30/11/2019 04:00
Daniela Schneider/divulgação
Desenho de Isaura Pena exposto na Celma de Albuquerque Galeria de Arte (foto: Daniela Schneider/divulgação)

Natureza e arte têm mais pontos em comum do que os olhares desatentos podem perceber. A criatividade artística torna essa conexão evidente, comprova Isaura Pena, belo-horizontina, nos 35 desenhos em nanquim da exposição Estuários, que será aberta neste sábado (30), na galeria Celma Albuquerque, em Belo Horizonte.

Usando tinta sobre o papel, Isaura se inspirou nas curvas dos rios e em traçados naturais para criar as séries Geografia da casca e Floresta atlântica. A reunião de ambas resultou na coleção, que pode ser conferida pelo público até 11 de janeiro.

“É uma exposição sobre água, rios, árvores e raízes. O próprio título, Estuário, remete ao lugar onde a água doce se mistura com a água salgada. É onde tudo deságua, tudo se transforma e uma vida se soma a outras vidas”, argumenta Isaura, que procurou explorar as possibilidades da estética natural oferecida pela geografia.

“O enfoque maior tem a ver com a bacia hidrográfica do São Francisco e do Rio das Velhas. O desenho que o rio constrói, que a gente percebe em um sobrevoo ou na cartografia, é uma ornamentação que guarda semelhança muito grande com as raízes das árvores e até com o nosso sistema circulatório”, observa a artista.

No ano passado, Isaura voltou ao Brasil depois de morar cinco anos em Portugal, onde concluiu doutorado na Universidade de Coimbra. Os trabalhos trazem um pouco do que ela sentiu ao reencontrar a terra natal, destroçada por tragédias ecológicas ocorridas justamente em seus mananciais.

“Desde Mariana e novamente em Brumadinho, lidamos com muitas tomadas aéreas, aquele desenho sinuoso do rio. É uma coisa impactante, que, sem dúvida, influenciou também”, diz ela, referindo-se ao rompimento de barragens de minério e seu impacto sobre a natureza.

Além disso, as obras carregam o sentimento pessoal de resgate. “Gosto desse tipo de desenho da natureza. Foi uma questão identitária para mim. Morei cinco anos em Portugal e retornei buscando um pouco da identidade daqui, das raízes. Os desenhos têm tudo isso e ainda me ligam à infância, quando copiava mapas com papel de seda para depois desenhá-los no caderno. É uma coisa forte”, conclui.

ESTUÁRIOS

Desenhos de Isaura Pena. Celma Albuquerque Galeria de Arte – Rua Antônio de Albuquerque, 885, Savassi. Neste sábado (30), das 10h às 14h. Informações: (31) 3227-6494. A galeria abre de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h; sábado, das 9h30 às 13h. Até 11 de janeiro.


MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS