Bienal do Livro de Contagem, programada para começar nesta sexta-feira, é interditada pelos Bombeiros

Nesta sexta-feira estava prevista uma palestra com Miriam Leitão e Anielle Franco, irmã da vereadora do Rio, Marielle Franco, além de filmes e feira de livros

Tiago Rodrigues* 08/11/2019 11:57
Divulgação/ Melissa Andrade Coelho
(foto: Divulgação/ Melissa Andrade Coelho)

A organização da 3ª Bienal de Contagem comunicou, por meio de uma nota, que nesta sexta feira (8), o Corpo de Bombeiros foi ao local suspender as atividades que tiveram início nesta manhã. Diversas escolas levaram crianças em excursões à bienal, mas se depararam com as tendas fechadas. Além da tradicional feira de livros, o evento conta com sessões de cinema, exposição de arte, espetáculos, oficinas, bate-papos, contação de histórias e batalhas de rap.

A assessoria alega que o evento começou a ser planejado há mais de um ano e que todos os documentos necessários e solicitados pelos órgãos responsáveis (Secretária de Cultura, Esporte e Juventude e Prefeitura Municipal de Contagem) foram preenchidos. A nota emitida pelos organizadores do evento destaca que a parte que deixou de cumprir com as responsabilidades foi a prefeitura de Contagem.

Divulgação/ Melissa Andrade Coelho
(foto: Divulgação/ Melissa Andrade Coelho)


O documento ainda ressalta que, “coincidência ou não”, isso ocorre após a organização divulgar uma programação com 80% de atrações negras e uma equipe com 26 pessoas transexuais, travestis e transgênero.

A cantora Elza Soares, a jornalista Míriam Leitão, o escritor Sérgio Abranches, a deputada Áurea Carolina, a atriz Rita Cadillac, o rapper Rico Dalasam, a escritora Dona Jacira, o ambientalista Ailton Krenak e Anielle Franco, irmã da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro, estão entre os 150 convidados a participar da Bienal.

Veja, na integra, a nota da organização da 3ª Bienal de Contagem:
Ver essa foto no Instagram

Nota da Curadoria e Organização %u2800 A III Bienal do Livro de Contagem vem sendo construída há pouco mais de 1 ano. Um projeto detalhado e cuidadoso, como podem perceber. Este é um evento privado e que conta com o apoio da Prefeitura do Município de Contagem. %u2800 O curador do evento foi convocado há 1 semana e meia para uma reunião emergencial de COMOVEEC com toda a equipe que compõe esta comissão. A reunião, organizada pela Prefeitura Municipal de Contagem, não teve nenhum membro do Corpo de Bombeiros convidado. Durante a reunião, foram solicitados algumas informações como a programação, fluxo de pessoas, atividades e estrutura. Após apresentação, a estrutura e organização foi parabenizada pela equipe presente. %u2800 Três dias antes da Bienal deu-se início a uma série de episódios que transformaram o evento cultural em mais um dos eventos culturais brasileiros que podem não acontecer. %u2800 O Corpo de Bombeiros solicitou uma série de modificações no espaço poucos dias antes das atividades darem início, sob justificativa de informação tardia do evento, ainda que a Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude soubesse do evento desde FEVEREIRO/2019. %u2800 Nós refizemos a estrutura e, junto à Prefeitura de Contagem, combinamos o que seria feito por nós e o que seria feito por eles. Nós cumprimos com todas as modificações que o Corpo de Bombeiros solicitou, porém a prefeitura, por meio da Secretaria de Esporte, Cultura e Juventude não. %u2800 (continua nos comentários) %u2800 ---

Uma publicação compartilhada por Bienal Do Livro De Contagem (@bienaldecontagem) em


Em entrevista ao Portal Uai, Melissa Andrade Coelho, acessora da Bienal, revelou que o evento veio perdendo patrocinadores ao decorrer do tempo. E o motivo talvez seja essa abordagem da Bienal voltada à diversidade.

Procurada, a Prefeitura de Contagem se manifestou por meio de nota dizendo que presta todo apoio à organização da 3ª Bienal do Livro e se orgulha de o município sediar mais uma edição do evento. Porém, esclarece que na última quarta-feira (6), o Corpo de Bombeiros também solicitou diversas providências à organização do evento, que não foram atendidas.
Veja na íntegra a nota da Prefeitura de Contagem. 

A Prefeitura de Contagem se orgulha pela cidade sediar a III Bienal do Livro, evento de reconhecida relevância que reunirá renomados especialistas em literatura e representantes do cinema e da música.

A Prefeitura atendeu todas as medidas necessárias para a realização do evento, tais como:
- Liberação da praça da Jabuticaba;
- Instalação de banheiros químicos;
- Medidas estruturais, como instalação de um corrimão no local do evento;
- Presença de uma ambulância e profissionais de saúde;
- Atuação da Guarda Civil para garantia da segurança pública;
- Limpeza do espaço.

A Prefeitura de Contagem esclarece que na última quarta-feira, 6 de novembro de 2019, o Corpo de Bombeiros também solicitou série de providências à organização do evento, que não foram atendidas.

A Prefeitura de Contagem segue à disposição dos organizadores da III Bienal do Livro.

O Corpo de Bombeiros declarou que nesta sexta-feira, em vistoria realizada na Bienal do Livro de Contagem, constatou que as informações técnicas sobre o evento, enviadas pelos organizadores à Corporação, não são compatíveis com o que encontraram do local. Os bombeiros alegam que, de início, os dados técnicos informados pelos organizadores não se enquadram em uma classificação de risco mínimo. Entretanto, conforme a equipe de vistoria constatou, a estrutura do é classificada como risco superior. Sendo assim, medidas de segurança contra incêndio e pânico devem ser implementadas, pois as irregularidades encontradas representam risco iminente ao público.

Veja a nota do Corpo de Bombeiros na íntegra:

Hoje (08/11), em vistoria realizada na Bienal do Livro de Contagem, a equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) constatou que as informações técnicas sobre o evento, enviadas pelos organizadores à Corporação, e a realidade do local não estavam compatíveis. 

Inicialmente, os dados técnicos informados pelos organizadores enquadravam o evento em uma classificação de risco mínimo, o que isenta o mesmo de envio de projeto técnico ao CBMMG. Porém, conforme constatado pela equipe de vistoria, a estrutura do evento se apresentava com uma classificação de risco superior e que exige a implementação de medidas de segurança contra incêndio e pânico para adequá-la à legislação vigente.

As irregularidades encontradas, que representavam risco iminente ao público do evento, foram a ausência de sinalização e iluminação de emergência e de ambulância com desfibrilador no local. Além disso, algumas saídas de emergências não estavam estruturadas de acordo com as normas.

O CBMMG comunicou aos organizadores as irregularidades encontradas e, caso elas sejam sanadas, será analisada a possibilidade de reversão da interdição do evento.

O Corpo de Bombeiros ressalta a importância dos organizadores de eventos estarem atentos às normas de segurança contra incêndio e pânico com objetivo de garantir a segurança de todos os envolvidos nas atividades.
 
 
* Estagiário sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira