Sai no Brasil 'Os testamentos', o premiado livro de Margaret Atwood

Com tiragem de 100 mil exemplares, novo romance avança em relação à trama de 'O conto da aia', lançado há 34 anos, e da aclamada série de TV

Mariana Peixoto 07/11/2019 06:00
Tolga Akmen/AFP
Margaret Atwood ganhou o prêmio Booker Prize 2019 com Os testamentos (foto: Tolga Akmen/AFP)

“E assim eu entro, embarco na escuridão ali dentro; ou então na luz.” Foi dessa maneira que, 34 anos atrás, a escritora canadense Margaret Atwood terminou a saga de Offred, a narradora/protagonista de O conto da aia.
 
O destino da personagem ao entrar em uma caminhonete ficaria em aberto não fosse a adaptação televisiva do romance, que deu continuidade à trajetória desta e de outras mulheres em Gilead, parte do território dos Estados Unidos transformado em uma teocracia fundamentalista cristã. Ali, todas as mulheres perdem os direitos e são divididas em castas. 

Atwood, que completa 80 anos em 18 de novembro, recebeu no início de outubro o Booker Prize, o mais prestigioso prêmio literário em língua inglesa, por Os testamentos, a continuação de O conto da aia – em 2000, ela venceu o mesmo prêmio com o romance O assassino cego. Lançado em setembro em língua inglesa, o novo volume chega às livrarias brasileiras nesta sexta-feira (8).
Amparada pelos números do romance original – reeditado pela Rocco em 2017, O conto da aia está há quase 100 semanas nas listas dos mais vendidos do Brasil –, a mesma editora lança Os testamentos com tiragem inicial de 100 mil exemplares.

Ao longo de três temporadas – a quarta está prometida para 2020 pela plataforma de streaming norte-americana Hulu –, a série The handmaid's tale acompanha a trajetória de Offred, na verdade June Osborne, a mulher que perdeu marido e filha e se viu transformada em aia. É basicamente uma reprodutora, constantemente estuprada por seu comandante para gerar um filho dele. Depois de sofrer abusos de toda ordem nas duas primeiras temporadas, na terceira June finalmente inicia sua vingança.

Não haveria sentido em escrever um livro contando a história que a TV já apresentou – e com a anuência da própria Atwood, produtora da série. Importante autora de língua inglesa da atualidade, Atwood é também uma das mais prolíficas. Estreou na literatura em 1961, com o livro de poesia Double Persephone. Publicou quase 60 títulos, entre romances, ensaios, livros infantis, contos e quadrinhos. Boa parte de suas protagonistas são mulheres.

ESTILO

Como continuação, Os testamentos cumpre seu papel à altura. Não reproduz a série, vai muito além dela. Pode ser lido independentemente da produção para a TV. Atwood se mantém fiel ao estilo do livro anterior. Mas em vez de uma, tem três protagonistas/narradoras.

Os testamentos é ambientado uma década e meia depois dos acontecimentos de O conto da aia. As três mulheres que conduzem a história – uma em formato de diário, as outras duas em transcrições de depoimentos – têm relação próxima com June. Personagem do primeiro romance e a grande antagonista feminina da série, Tia Lydia, a famigerada executora que comanda as aias por meio de regras draconianas, é a mais interessante delas.

As outras são Daisy, jovem que vive no Canadá e, mesmo criada fora do sistema opressivo de Gilead, acaba se envolvendo com ele. A mais jovem é Agnes, adolescente filha de um comandante que vive na ignorância imposta às mulheres daquele lugar. Em dado momento, as duas personagens descobrem que não são quem acreditavam ser – e a busca pela história familiar vai se tornar o real motivo das jovens. Fãs da série não vão demorar muitas páginas para entender quem são elas.

Ao colocar, sobrepostos, os relatos das três mulheres, Atwood constrói uma narrativa alternativa (tanto por isso muito mais real) de como foi o regime de Gilead. O depoimento de Tia Lydia é o mais revelador. O livro acompanha como aquela mulher de meia-idade, culta e justa, se torna um monstro. “Você ficaria surpreso em saber como a mente se deteriora na ausência de outras pessoas. Uma pessoa sozinha não é uma pessoa inteira: existimos na relação com os outros”, ela escreve em determinado momento.

SANGUE 

Para conseguir se salvar logo depois do golpe que instaura o regime de Gilead, Tia Lydia se torna colaboradora. A ela foram dadas duas opções. Preferiu sobreviver, mesmo “com sangue nas mãos”. À medida que a trama se avoluma, a mulher, alçada a líder devido à sua inteligência política, mostra o quanto é consciente da corrupção daquela teocracia. Mesmo desiludida – os comentários que faz das pequenezas que cercam o regime têm alguns lances de humor –, tem consciência de que entrou em um caminho sem volta.

Se em O conto da aia Atwood precisava contextualizar o que se passava naquele universo distópico, em Os testamentos Gilead e suas regras já são de pleno conhecimento. Dessa maneira, a escrita é mais direta, sem as sutilezas da narrativa anterior. Contudo, isso não representa um defeito – mais objetiva, a autora consegue, por vezes, dar clima quase de thriller ao romance. Há momentos bastante cinematográficos no livro.

Grande contadora de histórias, a autora encerra o novo romance da mesma forma que o anterior – com o epílogo em um futuro distante, em que estudiosos analisam os depoimentos daquele passado de horrores.

Nos agradecimentos, Atwood usa a passagem do tempo para justificar a produção do novo livro. “Trinta e cinco anos é um bom tempo para se pensar em respostas possíveis, e as respostas mudaram tanto quanto mudou a sociedade, e conforme possibilidades se tornaram realidades. Os cidadãos de muitos países, inclusive os Estados Unidos, estão atualmente sob muito mais pressão do que estavam há três décadas.”
Ely Dassas/divulgação
June (Elisabeth Moss): de vítima a anjo vingador (foto: Ely Dassas/divulgação)

O risco do desgaste

Neste domingo (10), às 21h, o Paramount Channel exibe o 13º e último episódio da terceira temporada de The handmaid's tale. A produção esmerada, que virou hit mundial ao estrear em 2017, levou os principais prêmios da televisão naquele ano (foram oito Emmys) e fez a estrela de sua protagonista, Elisabeth Moss, crescer em Hollywood. No entanto, como série, perdeu fôlego gradativamente.

O sucesso levou o projeto a se estender. Na terceira temporada isso ficou claro. Dois episódios – os de número 8, centrado no passado de Tia Lydia, e o 9, que mostra June perdendo a sanidade – são meras “barrigas”. Arrastados, podem ser descolados da trama principal. Somente na reta final a série volta a ganhar o ritmo de antes – é tudo muito intenso, rápido, com viradas sensacionais.

Apesar do desgaste – ao longo dos anos, The handmaid's tale perdeu telespectadores em decorrência da crescente violência da trama –, a produção se destaca no universo serial para além da originalidade da história. Com fotografia e direção de arte sem retoques, cada sequência traz um plano original, a anos-luz dos enquadramentos quadrados e rasteiros da produção televisiva.

De mulher alquebrada a uma espécie de anjo vingador, June (Moss) é a heroína humana em seus melhores e piores momentos. A dose de insanidade colocada na personagem nos últimos episódios da atual temporada vem sendo comemorada pelos fãs. Agora, resta saber como será o desdobramento. O quarto e derradeiro ano de The handmaid's tale foi confirmado para 2020. Mas deve atrasar, pois a produção só começa a ser rodada em março.

Rocco/reprodução
(foto: Rocco/reprodução)
OS TESTAMENTOS
De Margaret Atwood
Tradução: Simone Campos Rocco
448 páginas
R$ 54,90

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS