Saiba como é o espetáculo 'Gil', do Grupo Corpo

Companhia mineira de dança se prepara para iniciar neste mês de agosto turnê em homenagem ao artista baiano, que compôs a trilha

por Pedro Galvão 30/07/2019 14:08

O Grupo Corpo apresentou à imprensa, nesta terça-feira (30/7), seu novo espetáculo. Gil estreia em São Paulo, no próximo dia 7 de agosto, e estará em cartaz no Palácio das Artes do dia 27/8 até 1º de setembro. A capital mineira terá o privilégio de ser a primeira a contar com a presença de Gilberto Gil, homenageado da peça e autor de trilha, que ganhou a coreografia de Rodrigo Pederneiras, com direção artística de Paulo Pederneiras. A apresentação será em programa duplo, junto com Sete ou oito peças para um ballet, coreografia de 1995, que tem música de Philip Glass em parceria com o grupo Uakti. Os ingressos já estão à venda, custando entre R$ 50 e R$ 130.

Helvécio Carlos / EM
Apresentação reservada à imprensa não contou com cenário e figurino (foto: Helvécio Carlos / EM)
Ao longo dos 40 minutos de apresentação, o público terá a chance de ouvir uma musicalidade que o próprio músico baiano criou, costurando trechos de algumas de suas canções mais conhecidas, como Toda menina baiana, Andar com fé e Realce, a arranjos que expressam as mais diversas nuances de sua obra, passando pelos ritmos afro, rock, bossa, samba, jazz e reggae. Em cena, bailarinos e bailarinos se movimentam sob toda essa mistura sonora.

Responsável pela coreografia, Rodrigo Pederneiras explica que. tão logo o convite foi aceito por Gilberto Gil, o músico lhe mandou um recado: “Vou te dar muito trabalho”.  “E deu”, assegura o coreógrafo. “O Gil foi abrindo a picada, e eu caminhando atrás. Ele quis dar uma referência da obra dele, mostrando coisas novas, é uma trilha desenhada”, diz Pederneiras, que descreve a abstração da trilha como o grande desafio no processo criativo. Para isso, ele resgatou elementos de Gira, espetáculo anterior da companhia.

 

Apesar disso, o coreógrafo aponta que a presença de trechos conhecidos dos sucessos do cantor e compositor facilitaram o trabalho. “Foi um grande barato, porque dá mais força, mais chão. E os bailarinos identificam essas músicas conhecidas e me dão muito material. O grupo inteiro se envolve muito em todos os espetáculos, mas com essas chamadas de músicas mais conhecidas, o envolvimento é mais espontâneo e mais forte, porque traz delícia, traz lembrança, já que todo mundo já conviveu com elas”, afirma Rodrigo Pederneiras.

 

Confira um trecho da coreografia:

 


Se a musicalidade e a consequente coreografia são complexas, o cenário tem uma estrutura mais minimalista. Apenas um enorme tapete amarelo. “Passa pela ideia de reverência que temos por ele. E o amarelo luminoso tem a ver com o sentimento eu eu tenho pelo Gil”, diz Paulo Pederneiras, que se refere ao homenageado como “uma pessoa luminosa”.

Serviço - Gil
De terça-feira, 27 de agosto, a domingo, 1º de setembro, no Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1537, Centro). Terça a sábado às 20h30 e domingo Às 19h.
Ingressos: Plateias I e II: R$130; Plateia Superior R$100, à venda na bilheteria do teatro e no site Ingresso Rápido.
Mais informações: (31)3236-7400

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS