Atletas do Cirque du Soleil revelam a emoção de trabalhar em Ovo

O canadense Nathan Rivera-Drydak e o francês Kilian Mongey se dedicam a intenso treinamento para fazer tudo certo lá do alto, a oito metros do chão

por Mariana Peixoto 14/03/2019 08:10
SIDNEY LOPES/EM/D.A PRESS
Nathan Rivera-Drydak está de volta ao palco, depois de ficar um ano de licença médica (foto: SIDNEY LOPES/EM/D.A PRESS)



Lá de cima, a vista é privilegiada. Afinal, ele está a oito metros acima do chão e tem visão total da plateia. Mesmo que faça o mesmo número todas as noites, a emoção é sempre única. É dessa forma que o atleta canadense Nathan Rivera-Drydak define seu grande momento no espetáculo Ovo, do Cirque du Soleil.

“Quando a música começa e pulo pela primeira vez, vendo o público de cima, é incrível. Amo essa sensação”, afirma o atleta, de 28 anos. Rivera-Drydak é um dos grilos do ato que encerra o espetáculo, o grande momento de Ovo, em cartaz até domingo (17), no Mineirinho.

Doze atletas de oito nacionalidades ficam em cena, sem parar, durante oito minutos. Marca registrada de Deborah Colker, diretora e criadora do espetáculo, o muro leva a equipe a saltar incansavelmente. Os movimentos atraem o olhar do espectador, a cada momento, para um ponto do palco, pois a velocidade é grande.

Rivera-Drydak só tem a comemorar. Há três meses, está de volta à equipe depois de um ano de licença médica. Quebrou o tornozelo durante uma sessão nos EUA. A cicatriz, que faz questão de mostrar, é um lembrete do risco que corre a cada noite. “Por isso treinamos tanto”, lembra seu colega de cena, o francês Kilian Mongey, de 24.

O Cirque du Soleil é o caminho natural para atletas que deixaram de competir. Rivera-Drydak e Mongey têm histórico semelhante. Crianças, começaram como ginastas. Mongey tinha 11 anos quando assistiu, pela primeira vez, a um espetáculo da companhia. “Virou um sonho entrar para o Cirque”, conta ele, que mandou sucessivos vídeos para tentar integrar o elenco. Aos 18, foi chamado para uma audição, e teve de esperar dois anos para ingressar no grupo.

“É muito diferente da ginástica. O treinamento é intenso”, revela Mongey. E a perfeição cobra seu preço. O dia dos atletas tem início às 9h30. Depois do café da manhã reforçado, eles vão para a academia, às 11h. Chegam ao palco às 14h. Novos treinos. Como os espetáculos são às 21h, passam a tarde no local do show. Quando a apresentação termina, eles se exercitam por mais 30 minutos.

“Se algum de nós está cansado, não está se sentindo bem, o número será adaptado”, explica Rivera-Drydak. “Se você vê algum colega trabalhando muito, isso acaba sendo estímulo para que você trabalhe muito tempo. Não há competição, mas motivação para estar sempre bem”, completa Mongey.

Um atleta atua no Cirque até os 35, 40 anos. Tudo vai depender do treinamento. “Acho que posso fazer isso por mais uns 10”, comenta Rivera-Drydak. “Não gosto de pensar quando vai acabar, já que me divirto muito e tenho um emprego único”, conclui Mongey.

OVO
Mineirinho. Av. Antônio Abraão Caram, 1.001, Pampulha. Hoje (14), sessão fechada. Sexta (15) e sábado (16), às 17h e 21h; domingo (último dia), às 14h e 18h. Inteira: R$ 550 (premium), R$ 440 (setor 1), R$ 320 (setor 2) e R$ 260 (setor 3), com meia-entrada na forma da lei. Tapis Rouge: R$ 350 (mais o valor do ingresso premium). À venda no Shopping Cidade e no site www.tudus.com.br

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS