Exposição do Masp é eleita a melhor do ano pelo New York Times

A exposição bateu 'Histórias Afro-atlânticas' recorde: até a eleição de melhor do ano, contava com 318 mil visitantes

por Estadão Conteúdo 10/12/2018 08:40
Reprodução site oficial MASP
Vista do núcleo Rotas e transes: Áfricas, Jamaica e Bahia na exposição Histórias afro-atlânticas (foto: Reprodução site oficial MASP)

Os críticos do jornal americano 'The New York Times', que projetaram para o mundo o filme pernambucano 'O Som ao Redor', ao apontá-lo como um dos melhores de 2012, elegeram 'Histórias Afro-atlânticas' como a melhor exposição do ano. A mostra coletiva foi realizada pelo Masp em parceria com o Instituto Tomie Ohtake, entre junho e novembro.

O crítico do jornal, Holland Cotter, lembrou que a exposição terminou uma semana antes de Bolsonaro ser eleito, classificando a subdivisão da mostra, no Instituto Tomie Ohtake, que trazia obras de artistas de ascendência africana, de "corajosa", por documentar o genocídio cultural contra os descendentes dos escravos.

 

Segundo o site oficial do Masp,"Histórias afro-atlânticas' apresenta uma seleção de 450 trabalhos de 214 artistas, do século 16 ao 21, em torno dos “fluxos e refluxos” entre a África, as Américas, o Caribe, e também a Europa, para usar a famosa expressão do etnólogo, fotógrafo e babalaô franco-baiano Pierre Verger". 

A exposição atingiu o recorde de público da atual gestão do diretor artístico Adriano Pedrosa: 180 mil visitantes no Masp e 138 mil visitantes no Instituto Tomie Ohtake.

MAIS SOBRE ARTES-E-LIVROS